quarta-feira, 20 de Agosto de 2014

Vaticano: Papa renova apelos em favor de minorias religiosas no Iraque

Francisco lembrou viagem à Coreia do Sul e pediu orações pelos cristãos perseguidos

Cidade do Vaticano, 20 ago 2014 (Ecclesia) – O Papa renovou hoje no Vaticano os seus apelos em favor das minorias religiosas no Iraque e pediu orações pela Ásia, numa audiência pública em que recordou a sua recente viagem à Coreia do Sul.

“Convido-vos a que vos unais à oração de toda a Igreja pelas comunidades da Ásia, que acabei de visitar, bem como por todos os cristãos perseguidos no mundo, particularmente no Iraque. Também pelas minorias religiosas, não-cristãs, que são igualmente perseguidas”, declarou, num encontro com milhares de pessoas na sala Paulo VI.

O Papa deixou novamente votos de que a Coreia caminhe para a “plena de reconciliação” e que o seu povo supere as “consequências das guerras e divisões”.

Segundo Francisco, os dois acontecimentos principais da visita de cinco dias à Coreia do Sul, entre quinta e segunda-feira, foram a beatificação de 124 mártires e o encontro com os jovens que participaram na 6ª Jornada da Juventude Asiática.

“A memória dos mártires, que foram capazes de entregar as suas vidas por aquilo em que acreditavam, constitui um exemplo para os jovens de hoje e dá-lhes motivos para viver com esperança”, declarou.

O Papa recordou que a Igreja Católica na Coreia nasceu a partir da iniciativa de leigos, no século XVIII, inspirando-se nas primeiras comunidades cristãs, que resistiram às perseguições.

“Caros amigos, na história da fé na Coreia vê-se como Cristo não anula as culturas, não suprime o caminho dos povos que através dos séculos e milénios procuram a verdade e praticam o amor a Deus e ao próximo: Cristão não revoga o que é bom, mas dá-lhe cumprimento”, referiu.

Francisco concluiu a sua reflexão com uma oração para que “o Senhor abençoe sempre o povo coreano, lhe dê paz e prosperidade e abençoe a Igreja que vive nessa terra”.

Como habitualmente, o Papa deixou uma saudação aos peregrinos de língua portuguesa, em particular a um grupo de Vilar de Andorinho (Diocese do Porto).

“A minha viagem à Coreia foi iluminada pela festa de Maria Assunta ao Céu: lá do Alto, onde reina com Cristo, a Mãe da Igreja conforta todos aqueles que estão na provação e mantém aberto o horizonte da esperança. Enquanto vos entrego, a vós e às vossas famílias à sua proteção, invoco sobre todos a Bênção de Deus”, disse.

Francisco agradeceu ainda a presença de uma representação do clube de futebol argentino San Lorenzo, após a vitória na Taça dos Libertadores, que apresentou como parte da sua “identidade cultural”.

OC

Solidariedade: Recolha de material escolar para a Cáritas

Lisboa, 19 ago 2014 (Ecclesia) – A Associação Karingana wa Karingana vai promover uma campanha nacional de recolha de material escolar, em parceria com a Cáritas e com o Instituto de apoio à Criança, nos dias 6 e 7 de setembro.

“Todo o material recolhido será distribuído pela rede nacional da Cáritas às famílias com crianças em idade escolar”, explicam os promotores da campanha que tem como Embaixadora a presidente do Instituto de Apoio à Criança, Manuela Eanes.

A Cáritas Portuguesa informa que a campanha - “É capaz de lhes dizer que não?” - vai realizar-se nos dias 6 e 7 de setembro “nas lojas aderentes do Continente, entre as 10H00 e as 20H00”.

A Associação sem fins lucrativos "Karingana Wa Karingana", que significa "era uma vez", nasceu com o objetivo de “promover ações de apoio, solidariedade, cooperação e desenvolvimento junto dos povos, comunidades e países de expressão lusófona espalhados pelo mundo”, revela o sítio online da instituição.

CB/OC

Sociedade: Novas gerações «têm imenso para dar»

Padre Filipe Dinis coordenou campo de férias para jovens na Lousã

Lisboa, 19 ago 2014 (Ecclesia) – Dezenas de jovens entre os 15 e os 18 anos aceitaram o convite do Secretariado Diocesano de Pastoral Juvenil de Coimbra e acorreram à Lousã para viverem sete dias de descoberta pessoal e de Cristo.

No seguimento de um projeto iniciado há três anos, o organismo pretendeu ajudar os mais novos a terem consciência das suas qualidades, dos seus “talentos” e “da presença de Deus nas suas vidas”, explica o padre Filipe Dinis, em entrevista à Agência ECCLESIA.

Para o diretor do SDPJ de Coimbra, “é muito importante” que as novas gerações percebam que “têm imenso para dar” nas suas comunidades, “na família, na paróquia, na escola”, que através dessas realidades Cristo “lhes lança imensos desafios”.

Daí que a proposta do campo de férias, instalado no Santuário de Nossa Senhora da Piedade, tenha sido a busca do “Fator XTO”, ou seja, do “Fator Cristo”, explica aquele responsável.

Durante uma semana, todas as atividades concorreram “nesse sentido”, desde o cuidar da logística do campo à preparação das refeições, passando pela participação em iniciativas lúdicas e formativas até ao contacto com a comunidade da Lousã.

Os 35 participantes foram chamados a exteriorizar o seu “fator xto” através da dinamização de um lar de idosos da Santa Casa da Lousã, algo que fizeram com disponibilidade e alegria, levando a “festa” a todos os utentes.

Tiveram ainda oportunidade de fazer um curso de formação, de suporte básico de vida, junto da Associação dos Bombeiros locais e ouvir o testemunho de quem serve de forma humanitária a população.

“Se Cristo é fator da nossa vida, então é preciso desenvolvê-lo”, com “criatividade e “confiança” nas capacidades próprias, “nos outros” e em “Deus”, conclui o padre Filipe Dinis.

SN/JCP

Verão: Juventude Hospitaleira envolve mais novos no trabalho com doentes mentais

Patrícia Tavares sublinha importância de combater «estigma social»


Lisboa, 18 ago 2014 (Ecclesia) – A Juventude Hospitaleira faz dos campos de férias junto de pessoas com doença mental uma proposta para o verão, e uma nova etapa do projeto vai decorrer entre 1 e 9 de setembro, no Telhal, Concelho de Sintra.


Em entrevista à Agência ECCLESIA, Patrícia Tavares, que realiza esta atividade de voluntariado há cerca de cinco anos, destaca a relevância dos campos de férias para levar “um sorriso” a pessoas que “necessitam de muito amor e carinho” mas que também “dão muito”.

É uma oportunidade dos mais novos ajudarem a combater o preconceito que envolve as pessoas com deficiência.

Para Patrícia Tavares, existe claramente ainda “um estigma social relacionado com a doença mental” e é bom para os jovens “lidarem com coisas que não são tão aceites como isso” e transformarem também a sua visão.

Ela própria teve de lidar com isso, quando foi convidada por uma amiga a participar no projeto.

No entanto, o “receio de não se adaptar a uma realidade diferente” deu lugar ao entusiasmo de estar e de trabalhar com os doentes.

 “As pessoas surpreendem-nos, aprendemos a ver uma realidade diferente e o mundo com outros olhos. Dá-nos a oportunidade de conhecermo-nos a nós próprios, aquilo que somos capazes de fazer e às vezes não temos a coragem de o fazer”, admite a jovem.

Fundado há cerca de 25 anos, o movimento integrado na congregação das Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus promove campos de férias um pouco por todo o país e também nas ilhas.

As atividade consistem sobretudo no “estabelecimento de dinâmicas entre os jovens e os doentes”, com recurso a “jogos lúdicos”, de interação entre ambas as partes.

“Muitas vezes, os próprios pacientes dão lições de vida e ajudam os jovens a descobrir coisas que nunca tinham pensado”, salienta Patrícia Tavares.

Como movimento que tem o intuito de “ajudar os jovens a descobrirem a figura de Cristo”, a Juventude Hospitaleira tem também no projeto uma ferramenta essencial.

Das mais variadas formas, os doentes “ajudam” os voluntários a “descobrir” o rosto de Jesus, “de maneira simples e verdadeira”.

A espontaneidade e a “frontalidade” que caraterizam o encontro com os doentes são coisas que também marcam os jovens voluntários.

“No dia-a-dia estamos tão à espera do que seja socialmente correto e dizer o que está bem que é bom sairmos desse mundo, passarmos para além disso”, conclui.

O trabalho da Juventude Hospitaleira junto de pessoas atingidas pela doença mental vai estar em destaque hoje às 15h30, no Programa ECCLESIA na RTP2.

HM/JCP

sábado, 16 de Agosto de 2014

MARIA, MÃE DE DEUS E NOSSA MÃE

Maria hoje (15) és venerada com o nome de NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO mas és sempre a nossa MÃE DO CÉU!
Aqui, junto a ti na Igreja de Colares, apenas um muito obrigada pelo TEU SIM que mudou o mundo..... Obrigada pelo caminho que nos apontas, que é Jesus.
Um dia disseste "fazei tudo o que Ele vos disser". Tu sabias desde logo que Ele era, é e será  sempre
o Caminho.....
Guardanos a todos debaixo do teu manto e intersede junto do Pai para que o nosso coração seja fecundo de Amor e Misericórdia. O mundo precisa urgentemente de Amor no coração do Homem!
Humildemente te peço, Maria, fica connosco para contigo chegarmos a Jesus.... obrigada Mãe.  

ana saldanha (elemento da Equipa Casais Stª Maria/Colares)

quarta-feira, 13 de Agosto de 2014

Pensamento do dia

Quando me chega da África alguma notícia menos agradável, interrogo-me logo se não será por minha culpa. E se, de noite, penso na responsabilidade que tenho por cada um de vós, o sono desaparece dos meus olhos.
Beato José Allamano

Fátima

«Incompetência dos governos leva à emigração»

«A incompetência dos governos leva à emigração» afirmou em Fátima o diretor da Obra Católica Portuguesa para as Migrações, Frei Sales Diniz, no âmbito da Peregrinação do Migrante e Refugiado

Iraque: Vaticano pede a líderes muçulmanos que rejeitem auto-proclamado «califado islâmico»

Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso alerta para práticas «indignas» no conflito em curso

Cidade do Vaticano, 12 ago 2014 (Ecclesia) – O Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso (Santa Sé) emitiu hoje um comunicado no qual apela à condenação do auto-proclamado ‘califado islâmico’, por parte de líderes muçulmanos, e alerta para a situação dos cristãos no Iraque.
“O mundo inteiro assistiu, estupefacto, ao que agora se denomina ‘a restauração do califado islâmico’, que tinha sido abolido a 29 de outubro de 1923 por Kamal Atatürk, fundador da Turquia moderna”, refere a nota, em francês, divulgada pelo Vaticano.
A declaração alude à “situação dramática dos cristãos, yezidis e outras comunidades religiosas e étnicas” em minoria no Iraque, pedindo “uma tomada de posição clara e corajosa por parte de responsáveis religiosos, sobretudo muçulmanos”.
O Conselho Pontifício reage à “violência abjeta” dos jihadistas do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIS), que tomaram várias cidades iraquianas, perseguindo os cristãos que ali se encontravam.
“A contestação desta ‘restauração’ pela maioria das instituições religiosas e políticas muçulmanas não impediu os jihadistas do ‘Estado Islâmico’ de continuar a cometer atos criminosos inenarráveis”, denuncia o organismo da Cúria Romana.
Os responsáveis da Santa Sé defendem que os fiéis de todas as religiões e os homens e mulheres de boa vontade “apenas podem denunciar e condenar sem ambiguidade” o que classifica como “práticas indignas” do ser humano.
Entre estas são elencados “o massacre de pessoas” por causa da sua fé, a “prática execrável da decapitação, da crucifixão e da exposição de cadáveres em locais públicos”.
O Conselho Pontifício refere que cristãos e yezidis são obrigados a escolher entre “a conversão ao Islão, o pagamento de um tributo (jizya) ou o exílio”, para além de denunciar a “expulsão forçada de dezenas de milhares de pessoas”, incluindo crianças, grávidas e idosos.
A nota oficial alerta ainda para o rapto de jovens destas minorias religiosas como “espólio de guerra (sabaya)” e a “imposição da prática bárbara da mutilação genital”.
O texto recorda a destruição de lugares de cultos cristãos e muçulmanos, a ocupação de igrejas e mosteiros, a retirada de crucifixos e a eliminação de um “património religioso-cultural de valor inestimável”.
“Nada pode justificar tal barbárie, muito menos uma religião. Trata-se de uma ofensa de extrema gravidade para a humanidade e para Deus, que é o seu criador”, pode ler-se.
Segundo o Vaticano, os responsáveis religiosos devem exercer a sua influência junto dos governos para “o fim destes crimes, a punição dos que os cometem e o restabelecimento de um Estado de Direito” no Iraque.
“Todos devem ser unânimes, sem qualquer ambiguidade, na condenação destes crimes e denunciar o uso da religião para os justificar”, acrescenta a declaração.
O Conselho Pontifício realça, a este respeito, que “o apoio, financiamento e armamento do terrorismo é moralmente condenável”.
Em conclusão, a nota deixa um agradecimento a todos os que levantaram a sua voz para “denunciar o terrorismo, sobretudo o que utiliza a religião para o justificar”.

OC

Taizé: Rota de autocarros liga Portugal à Comunidade Ecuménica na França


Vila Nova de Gaia, Porto, 12 ago 2014 (Ecclesia) – Uma 'linha de autocarros para Taizé' é a proposta de uma empresa de viação, de Vila Nova de Gaia, com a autorização da Comunidade Ecuménica sediada em França, para este verão.

“Já fazemos as viagens com grupos há muitos anos e depois em conversa com o Irmão David (religioso português da Comunidade de Taizé) surgiu a possibilidade de no verão termos autorização para esta linha e levarmos todas as semanas pessoas à Comunidade”, revelou hoje Cristina Conceição, da António Atalaia Viagens e Turismo, à Agência ECCLESIA.
As viagens para a Comunidade Ecuménica de Taizé, na França, surgiram “há cerca de sete anos” e a linha de autocarros no verão com a atual rota começou a funcionar em 2012, motivada “pela procura de pessoas sem grupos”.
A rota que liga Portugal a Taizé, “com paragens em várias cidades de Portugal e Espanha” começou a funcionar na última semana de julho e já têm inscrições “até à primeira de setembro”.
Os autocarros da Linha para Taizé partem todas as semanas de Lisboa ou do Porto ao sábado e regressam no domingo seguinte.
“É a viagem mais direta e possível para as pessoas chegarem a Taizé e para perderem o menos tempo possível na viagem, são apenas as paragens necessárias para almoçar, jantar e trocar de motoristas”, explica Cristina Conceição.
Desde o fim de julho já houve “mais de 100 grupos organizados”.
“A nível individual também temos tido bastante procura, o mês de agosto tem sido o mês em que temos mais procura para estas viagens”, acrescenta a responsável.
Segundo Cristina Conceição a empresa de viação começou a ser procurada e requisitada para levar jovens aos encontros anuais, depois surgiram os “encontros no Carnaval e na Páscoa” e nas férias de verão, “quando há mais procura”.

CB/OC

Fátima: Bispo alerta para consequências do «capitalismo financeiro e especulativo»

D. António Marto comentou recente crise bancária em Portugal
Fátima, Santarém, 12 ago 2014 (Ecclesia) – O bispo de Leiria-Fátima afirmou hoje que a atual crise financeira e bancária em Portugal é uma manifestação daquilo que Bento XVI designou como “ditadura do capitalismo financeiro e especulativo”.
“É aquilo a que o Papa Francisco chama a tirania económico-financeira, especulativa, virtual, desligada da economia real”, acrescentou D. António Marto, na conferência de imprensa de apresentação da peregrinação anual do migrante e refugiado ao Santuário de Fátima.
O vice-presidente da Conferência Episcopal Portuguesa advertiu que esta situação pode “levar à catástrofe e à ruína de um país”.
“As primeiras vítimas são sempre os mais pequenos e os mais pobres”, acrescentou.
D. António Marto convidou toda a sociedade portuguesa a refletir sobre “os valores em que assenta toda a vida do país” e a “olhar de uma maneira global para a problemática” atual, com a “queda drástica” da natalidade e a “perda de meio milhão de jovens”.
“Estes dois problemas põem em causa a sustentabilidade do próprio Estado social”, alertou.
O bispo de Leiria-Fátima lamentou ainda que alguns se aproveitem da atual crise para negar o “trabalho digno” e o “salário justo”.
O reitor do Santuário de Fátima foi questionado sobre a exposição da instituição à crise no BES, respondendo que os responsáveis estão “tranquilos” em relação a este tema, sem oferecer mais comentários.
Milhares de emigrantes são esperados em Fátima entre hoje e amanhã para a peregrinação anual ao santuário católico, inserida na 42ª Semana Nacional de Migrações promovida pela Igreja Católica com o tema ‘Rumo a um Mundo melhor’.
A peregrinação vai ser presidida pelo bispo do Porto, D. António Francisco dos Santos.

HM/OC

quinta-feira, 7 de Agosto de 2014

Colares - Nossa Senhora da Assunção

 a não perder,um excelente programa

A CHATA, CHATINHA ,CHATEIA TAMBÉM À SEMANA!

Olá, bom dia!

Para vós um santo dia na Paz de Cristo e... Já agora , curioso também é o dia de hoje (06/08) que a Igreja celebra como o "Dia da Transfiguração do Senhor Jesus" (Mateus 17,1-9).

Jesus, vejo esta passagem como um episódio único na Tua passagem pela terra, em que Te manifestas não só como Homem, mas também como Ser Divino! Apenas quiseste levar Contigo Pedro, João e Tiago. apenas eles testemunharam as palavras do Pai"Este é o meu filho muito amado em quem pus toda a minha complacência; ouvi-O" (palavras idênticas às ditas pelo Pai no Batismo).
Jesus transfigurou-se.... É isso que nós um dia esperamos: que um dia também transfigurados, seremos mais divinos que humanos em que Tu tomarás conta de tudo o que há em nós de terreno...
Mas... Hoje chega até nós os ecos do Iraque, em que através do seu bispo, é pedida a toda a Igreja que reze por todos os cristãos mártires que estão a sofrer horrores, quer fisicamente, quer espiritualmente, nos países islâmicos (principalmente Iraque e Síria).

Pensemos que não foi só há muitos anos que isso aconteceu... hoje, no mundo da liberdade e tecnologia de ponta a todos os níveis, há irmãos nossos que, defendendo uma FÉ, não hesitam em dar a vida por esse mesmo Jesus que, um dia, também Ele, deu a Sua Vida para Salvação da Humanidade.
Oremos todos,  numa oração ecuménica, por todos os cristãos (católicos ou não), nossos irmãos em Cristo, para que o Senhor os acompanhe e lhes dê forças para resistirem ao drama em que suas vidas se TRANSFORMARAM, por força do seu Amor a um Deus Único, que é Pai e Criador. Compadece-Te deles, oh Deus, com-paixão assiste-os. Só Tu, Senhor do Universo, os podes socorrer, para nós fica  um carinho muito especial no cantinho do nosso coração pela formam como nos despertam para a Fé viva e a certeza de que estamos unidos a eles pelo poder da oração. Pensemos também no povo islâmico e que Deus amoleça os seus corações para se abrirem à Sua Palavra de Amor e Misericórdia.
Obrigado Deus pela LUZ que brilha e que Ela nunca se apague no coração do Homem.
Bem hajam se me escutaram até ao fim e se não escutaram não vale a pena agradecer, pois não podem ler o agradecimento.
nota: Em Portugal, este pedido de oração foi enviado pelo bispo do Iraque à instituição "Ajuda à Igreja que Sofre", a qual está a dar difusão.
Com um abraço fraterno em união com todo o POVO CRISTÃO, ana saldanha (elemento da Equipa Casais Stª Maria/Colares)

quarta-feira, 6 de Agosto de 2014

Sociedade: Sexta edição do Troféu Português de Voluntariado

Candidaturas podem ser apresentadas até ao dia 15 de setembro

Lisboa, 05 ago 2014 (Ecclesia) – A Confederação Portuguesa do Voluntariado (CPV) recebe candidaturas ao Troféu Português de Voluntariado até 15 de setembro onde pretende destacar o trabalho de um voluntário e incentivar para esta prática.

“A principal finalidade é homenagear o trabalho dos voluntários em termos individuais e não tanto um projeto em si ou uma identidade”, revelou João Teixeira sobre a sexta edição do Troféu Português de Voluntariado.

Para além do reconhecimento de um voluntário e de incentivar a prática do voluntariado, a CPV tem como propósito dar visibilidade a situações como “atividades artesanais que estejam em vias de desaparecimento; beneficiar pessoas em risco de pobreza ou risco de exclusão social ou promover atividades educacionais para crianças e jovens”.

À Agência ECCLESIA, o entrevistado explicou que CPV constatou que “os voluntários gostam de sentir-se reconhecidos naquilo que fazem”.

Por isso, este reconhecimento com um troféu de cristal e um certificado, sem qualquer prémio monetário associado, “é um estímulo bastante forte para a sua continuidade neste âmbito de intervenção social”, acrescenta João Teixeira.

“Deve ser dos únicos reconhecimentos que não se traduzem em valores pecuniários mas foi a opção que fizemos até agora”, acrescentou o elemento dos órgãos sociais do CPV.

João Teixeira assinala que em cinco anos de edição, o número de inscrições tem aumentado, em 2013 apresentaram-se 14 candidaturas, e a CPV espera que este ano “possa pelo menos ficar nos mesmos números” ou “subir reportando a tendência” de crescimento.

Até ao dia 15 de setembro podem inscrever-se organizações de voluntariado ou promotoras de voluntariado em áreas tão diferentes como: “Ação Cívica ou Social; Ciência e Cultura; Defesa do Consumidor, Desenvolvimento da Vida Associativa e da Economia Social ou Direitos Humanos”.

O júri da 6ª edição do troféu Português do Voluntariado é constituído por apenas três elementos, e não cinco como habitualmente, para “tornar mais operacionais os contactos e a coordenação” entre as “seguintes personalidades”: Paula Guimarães, da Fundação Montepio, presidente do júri e representante da direção da CPV; Carlos Alberto Pereira, o anterior chefe nacional do Corpo Nacional de Escutas, e Maria José Ritta, “personalidade de reconhecido mérito na área do voluntariado”.

Segundo João Teixeira, o Troféu Português de Voluntariado surgiu como “comparação ou concorrente ao Troféu Europeu de Voluntariado”, atribuído em França, que deixou de existir há dois anos e recebia candidaturas de vários países: “O nosso vencedor era o concorrente nato para esse troféu europeu.”

A CPV é uma plataforma que reúne 22 organizações, com um leque abrangente de intervenções, e não realiza sensos sobre os números do voluntariado em Portugal mas tem conhecimento, através de dados do Conselho Nacional de Promoção do Voluntariado, que “tem havido aumento crescente de inscritos nos bancos de voluntariado”, adianta João Teixeira.

CB

segunda-feira, 4 de Agosto de 2014

Festas de S. Lourenço - Azenhas do Mar


ORAÇÃO PELO POVO DO IRAQUE

Senhor, a situação do nosso país é difícil e o sofrimento dos cristãos é pesado e nos assusta, por isso, nós Te pedimos, Senhor.
Que olhes por cada um de nós, dai-nos paciência e coragem para continuarmos a testemunhar os nossos valores cristãos com confiança e esperança.
Senhor a paz é a base de qualquer vida; dá-nos paz e estabilidade para viver uns com os outros sem medo, ansiedade, com dignidade e alegria.

Glória a Vós para sempre.

D. Louis Raphael I Sako
(Patriarca dos Católicos Caldeus)
REZE. ACENDA UMA VELA. Unamo-nos em oração. Acenda uma vela no nosso site. Em cada Domingo será acesa uma vela no Santuário de Nossa Senhora de Fátima, simbolizando todas as velas acesas aqui.

Partilha

CÁ VEM A CHATA.... novamente!
Uma saudação fraterna na paz de Cristo.
Cá estou mais uma vez para partilhar alguns pensamentos que me vieram à ideia ao ler a liturgia de hoje, XVIII Domingo do Tempo Comum, e primeiro dia da nova semana, que para muitos será de inicio de férias. Para quem va,i Boas férias, para quem vem, Bom regresso.
O Evangelho de hoje (Mateus 14,13-21) é conhecido pelo episódio da "Multiplicação dos Pães", mas ao meditar surge-me pela 1ª vez (embora já o tivesse lido "milhentas" de vezes) a pergunta: multiplicação ou divisão e partilha? Não é multiplicar é dividir... dar... acolher...É este o comportamento do nosso Deus e Salvador!... É este o caminho que Ele nos propõe! Caminho que contradiz plenamente aquele que os discípulos tiveram, ao proporem a Jesus que mandasse embora toda a multidão que ali se encontrava, para que fosse à aldeia mais próxima comprar alimentos.
É este Jesus que sempre me surpreende... Eu retrato-me tal qual os discípulos! Jesus quer abrir os nossos olhos para podermos ver mais além... Eu, em que, tantas vezes, só conheço o pensamento do vender e comprar, do egoísmo (...se dou e se me falta?!), da exclusão (agora não posso..), da insensibilidade (resolve tu... que é problema teu. Vai chatear outro!).
Revejo, no meu pensamento, alguns momentos da minha vida... reconheço-me lá  em todas estas situações. Pergunto-me : em que encruzilhada do meu coração me esqueci de Ti, Jesus? Não me esqueci de Ti, não! Somente, em alguns momentos, não Te abri a porta... o que ainda é pior! Com consciência, neguei-Te a entrada! Os discípulos e eu... eles ao pé de Ti escusam-se... e eu também, hoje!
E é assim, que um quarto da humanidade vive em miséria absoluta, que em cada dia morrem de fome dezenas de milhar de crianças e que para muitos a água é um bem desconhecido.
Deus, que vestes os lírios dos campos, alimentas os pássaros do céu, que salvas "os oprimidos" e dás "pão aos que tem fome" (Isaías 146,7), a quem Maria de Ti disse, no seu canto de louvor: "aos famintos encheu de bens" ( Lucas 1,53), Tu, Deus, ter-Te-às esquecido dos teus filhos? Porque é que não ouves a oração de quem Te pede " o pão nosso de cada dia"?...
Eu bem sei que Tu OUVES, que Tu CUIDAS de cada um de nós, que sabes o nosso nome e quantos cabelos temos. Tu sabes tudo, Senhor! E também sabes que eu Te amo, que vou por vezes, resistindo-Te, que tardo na minha adesão total à Tua Pessoa, por medo, por egoísmo, conforto... por tanta coisa…!
Estamos numa espiral de querer e puder assustador, mas que pode ser interrompida e... tem a ver com o Homem e os valores que acolhe em seu coração. Deixaste-nos livres para que isso fosse possível… acolher-Te ou não! Pai, quiseste-Te servir das minhas mãos para saciar a fome dos meus irmãos. Confiaste em mim, mas sou eu, e não Tu, que nem sempre ouve os apelos daqueles que junto a mim vivem...
 E é Jesus que nos vem definitivamente trazer o Teu recado: "Este é o Meu Filho muito amado."Escutai-O". É este o mistério que se vai descobrindo: Um Deus feito Homem para connosco caminhar!
Apenas um à parte, no episódio do Evangelho de hoje: O elevar os olhos ao céu, abençoar e partir o pão distribuindo-o lembra-me a Última Ceia, ou seja a 1ª Eucaristia. Foi exactamente assim… ontem como hoje na mesa da Eucaristia o Pão descido dos Céus, Jesus! (a)
O Pão dado e repartido... faz renascer, desintoxica do egoísmo, gera fraternidade, unidade… faz de nós um POVO que caminha para Deus, Trino de Amor. E então Ele virá para dar pão a quem tem fome, para suscitar fome do Seu Amor infinito a quem está saciado apenas do pão do corpo
Quando interpelo Deus, devo interrogar-me primeiro..... não é Ele que "está surdo", sou eu, sou eu, que não oiço e não quero ver!

 (a) NOTA: "Sobraram 12 cestos de pão", diz o autor do Evangelho. Os doze cestos podem simbolizar os 12 apóstolos, ou seja a nova e 1ª comunidade formada por Jesus e que chega até nós pela multiplicação de crentes? Se simbolizam, Jesus entregou as cestas com pão aos apóstolos para eles distribuírem, assim, é o Pão de Jesus, ou seja, o próprio Jesus, que continua a saciar a fome às pessoas de todos os tempos e lugares.

Compreendo que escrevi demais, vou por isso terminar.

Um abraço, ana saldanha (elemento da Equipa Casais Stª Maria/Colares)

segunda-feira, 28 de Julho de 2014

Mucifal - Procissão e missa

Vaticano: «É a hora de parar» a guerra, suplicou o Papa

Francisco apontou caminhos de paz para as «áreas de crise» da atualidade e disse que esta segunda-feira, dia de aniversário do início da Primeira Guerra Mundial, será uma «jornada de luto»

Cidade do Vaticano, 27 jul 2014 (Ecclesia) – O Papa afirmou hoje que o “diálogo”, a “negociação” e a “força da reconciliação” são o caminho para a paz no Médio Oriente, no Iraque e na Ucrânia, três “áreas de crise” que Francisco recordou no Vaticano.
“Peço-vos para que continueis a unir-vos à minha oração para que o Senhor conceda à população e às autoridades daquelas zonas a sabedoria e a força necessária para avançar com determinação no caminho da paz, enfrentando todas as injúrias com a firmeza do diálogo e da negociação e com a força da reconciliação”, disse o Papa após a oração do ângelus, na Praça de São Pedro.
“Irmãos e irmãs, jamais a guerra, jamais a guerra”, pediu o Papa, pensando sobretudo nas crianças “a quem se destrói a esperança de uma vida digna no futuro”.
“Parem, por favor. Peço-vos com todo o coração. É a hora de parar. Parem, por favor”, insistiu o Papa no Vaticano.
Francisco sublinhou que “todas as decisões” têm de ser tomadas tendo em conta o “bem comum e o respeito por todas as pessoas” e não os “interesses particulares”.
No encontro dominical com os peregrinos e turistas que se encontram em Roma, o Papa recordou também o centésimo aniversário do início da Primeira Guerra Mundial, um “massacre inútil”, que “causou milhões de vítimas e muita destruição” e que, após “quatro longos anos”, deixou uma “paz frágil”.
“Recordando este trágico acontecimento, espero que não se repitam os erros do passado, mas se tenha presente a lição da história, fazendo sempre prevalecer as razões da paz através de um diálogo paciência e corajoso”, afirmou Francisco.
O Papa referiu que esta segunda-feira, quando se assinala o aniversário do início do conflito, “será uma jornada de luto na recordação deste drama”.
Diante dos milhares de pessoas na Praça de São Pedro, onde o Papa mencionou um grupo de escuteiros da paróquia de Gavião (diocese de Portalegre-Castelo Branco), Francisco referiu-se ao Evangelho deste domingo, que narra duas parábolas onde o Reino de Deus é comparado a um tesouro escondido num campo e à procura de uma pérola preciosa.
Para o Papa, cada um deve “procurar Jesus, encontrar Jesus” porque esse é o “grande tesouro”.
Francisco referiu que cada um deve andar com um o livros dos Evangelhos e “ler uma página todos os dias”.
“Lendo um passo, encontraremos Jesus”, disse o Papa, este domingo, no Vaticano

PR

sábado, 26 de Julho de 2014

Mucifal em Festa

- DOMINGO dia 27: Procissão e Missa 
15h00 - Procissão em Honra da Santa Padroeira Nossa Senhora das Dores, com inicio na Igreja, percorrendo as principais ruas até ao Pavilhão Desportivo, onde será celebrada a Eucaristia, estando os Cânticos a cargo do Coro da Associação de Idosos, Pensionistas e Reformados do Mucifal, sob a regência do Mestre Paulo Taful.