sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Tudo está perdoado?

De que vale dizermos que perdoámos quando o fazemos com condicionalismos mais ou menos explícitos? Perdoar passa pelo  esquecimento completo e absoluto dos atos que provocaram as ofensas. Este perdão tem de vir da razão, pois perdoar é um ato de vontade, mas acima de tudo do coração, com total sinceridade, sem nada que possa de algum modo ferir ou provocar o ofensor porque perdoar é também resgatar o outro para uma relação verdadeiramente honesta sem condições.

sábado, 24 de janeiro de 2015

3º Domingo do Tempo Comum - ano B

Evangelho - Mc 1,14-20

Comentário breve
A página do Evangelho deste domingo é a narrativa de vocações na qual se pode ver quem se predispõe a ouvir o chamamento de Jesus, ou pode ser ocasião recordar a nossa vocação à santidade no caminho do matrimónio que pode ter ainda, ou não, mais força ou então significado.
Jesus regressa à terra da sua infância, para começar a proclamar a mensagem que trazia em Si como missão confiada pelo Pai.
Começa esta vida de pregação e o seu trajecto após a prisão de João, aquele que o baptizou no Jordão. Mais um profeta que está na senda de ser morto por causa da Palavra e testemunho. Jesus percebe imediatamente. Seguindo o caminho do seu mestre, agora ou depois, conhecerá a perseguição e morte violenta.
Jesus começa o anúncio da Boa Notícia, o Evangelho de Deus, na consciência de que o tempo da espera dos profetas, o tempo da paciência de Deus chegou ao seu cumprimento, como o tempo de uma mulher grávida – no final está o parto.
Assim, Jesus anuncia: "Cumpriu-se o tempo e está próximo o reino de Deus. Arrependei-vos e acreditai no Evangelho».
Esta é a síntese da sua pregação – um tempo novo no qual é possível deixar reinar Deus na vida dos homens e para tal é necessária a conversão, fazer o retorno para Deus e acreditar na Boa Nova que é a Palavra de Deus incarnada.
Esta novidade que cabe num versículo estende-se até hoje e agora. É possível que Deus reine sobre mim, sobre ti, sobre nós e, assim, acontece o Reino de Deus.
Diante desta alegre notícia, homens e mulheres que hoje escutam o Evangelho, o que fazemos? Como reagimos?
Provavelmente, na pressa dos dias, na atenção aos filhos, ao trabalho, nas dificuldades acrescidas por esta crise financeira e de valores, não deixamos espaço nem tempo para o encontro na escuta que precisa de silêncio.
Contudo, não há hora pré-determinada. Num qualquer momento acende-se uma chama no nosso coração.
Quem sabe se escuto a voz? Conseguirei dizer sim? Será que se destina a mim? E como fazer? A quem seguir e como?
Tantas perguntas e outras tantas poderiam ser colocadas. Nestas, quando escutadas com atenção pode surgir uma voz mais profunda do que nós mesmos, para além de nós próprios, no entanto através de nós: a voz do Senhor Jesus! É assim que se estabelece a relação entre cada um de nós e Ele, presença invisível, mas viva, presença que não fala de modo sonoro, mas atrai.
Neste trecho fica dito o essencial da vocação: acolhida, deixam-se as redes, isto é a profissão, abandona-se o pai, a empresa familiar e assim despojado segue-se Jesus. Atenção que a vocação é uma aventura cheia de grandeza, mas também de miséria, basta recordas todas as contendas, incompreensões e até negações destes escolhidos.
Muito provavelmente, nós não teremos muito de que nos gloriar, por isso, invoquemos a misericórdia de Deus, dando-Lhe graças porque, apesar de tudo, seguimos Jesus e tentamos, dia após dia, viver com Ele.

- UNIDOS # REZAR PELA PAZ - Colares Igreja Matriz - Domingo 25 de Janeiro de 2015 - 18h30



quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

PEDIR O DOM DA PAZ

No dia 25 de Janeiro, em todo o país, paróquias, congregações, grupos de oração, movimentos e famílias cristãs são convidadas a rezar o terço às 17h00 para PEDIR O DOM DA PAZ pela intercessão da Nossa Senhora de Fátima. Fundação AIS#RezarPelaPaz

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Sínodo para Todos - Análise ao Guião de Leitura #2 - Em direto

- Papa Francisco -

Pobreza, paternidade responsável, liberdade de expressão: Papa Francisco no regresso da viagem ao Sri Lanka e Filipinas
Os povos não devem perder a liberdade. O povo tem a sua cultura, a sua história; cada povo tem a sua cultura. Mas quando surgem condições impostas pelos impérios colonizadores, procuram que os povos percam a sua identidade e tornar tudo igual. É importante globalizar, não como a esfera, mas como o poliedro, isto é, que cada povo, cada parte, conserve a sua identidade.
Família, corrupção, lágrimas, Óscar Romero, dalai lama, China, América: Papa no regresso do Sri Lanka e Filipinas (2)
«No momento da missa, senti-me como que aniquilado, quase não me vinha a voz. Não sei o que me aconteceu, talvez fosse a emoção, não sei», afirmou, acrescentando: «Ali estava o povo de Deus, e o Senhor estava lá. É a alegria da presença de Deus, que nos diz: pensai bem que sois servidores deles. Eles são os protagonistas».
Foto: Papa Francisco no voo de Manila para Roma, 19.1.2015 | (AFP Photo/Giuseppe Cacace | D.R

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

LEMBRANÇA DA CHATA

Bom Dia!
Saudações cordiais e desejos de boa semana, na PAZ do SENHOR
Esta semana estamos a viver a:

"SEMANA DE ORAÇÃO PELA UNIDADE DOS CRISTÃOS" - de 18 a 25 Janeiro.

É um convite ao encontro... ao diálogo... e à oração!
Relembro o Domingo passado (II) - O ENCONTRO e o DIÁLOGO..... A RELAÇÃO!
"..É uma oportunidade para reconhecer a riqueza e o valor que estão presentes no outro, no diferente, e pedir a Deus o DOM DA UNIDADE"- (extraído da introdução ao tema para 2015).
NOTA: Homens como o Patriarca Gregório III, da Síria, O Papa Francisco e o Patriarca Bartolomeu I estão a fazer tudo ao seu alcance para que os cristãos do Médio Oriente não desapareçam. Muitos mais estão envolvidos (com/paixão) nesta causa. E nós?  
A minha voz não tem eco internacionalmente, mas a minha reflexão e oração tem eco no coração de Deus...

NO DIA 25 DE JANEIRO  é o "DIA MUNDIAL DOS LEPROSOS", sobre o lema:
"POR UM MUNDO UNIDO E SEM LEPRA"

Relembro com carinho RAOUL FOLLEREAU  que dedicou a sua vida à causa dos leprosos.
Nesta data, podemos dizer, não há leprosos em Portugal, mas há muitos países que se vêem a braços com esta terrível doença, embora, já tenha cura.   
Em Portugal existe a Associação Portuguesa Amigos de Raoul Follereau  (APARF), envolvida nesta causa (tel - 218 520 520 e têm conta  aberta na CGD) .
No domingo há um peditório para a causa dos leprosos, não viremos as costas e recordemo-nos que temos a "sorte" de nascer e viver num país privilegiado. Ponhamos, também nós a marca do nosso AMOR no pequeno acto da nossa presença e vivamos no nosso coração  longe mas perto.

Com um abraço amigo, entrego à protecção de Maria estas preocupações, para que ela interceda junto de seu Filho, para que o resto dos seus filhos tenha a PAZ tão necessária e me ajude, a mim, a colaborar neste MUNDO Anunciado de Amor e Misericórdia, que já começou.   

Bem hajam, não por me ouvirem, mas por colaborarem... com a vossa oração!
ana saldanha (elemento da Equipa Casais Stª Maria/Colares)

Encerramento - Festa de São Sebastião

- TERÇA-FEIRA: Missa às 16h00 na Igreja de São Sebastião, por intenção dos antigos festeiros e devotos de São Sebastião

Pastoral Social


A Pastoral Social vai organizar um dia de formação com a Cáritas Diocesana de Lisboa. Vai acontecer no próximo dia 31 de Janeiro, das 9,30 às 17 Horas em Rio de Mouro. Esta formação destina-se a todos os agentes da Pastoral Social das Paróquias. Esta formação é  sobre a Doutrina Social da Igreja. Envio a ficha de inscrição.

Abraço em Cristo
Diác. Carlos Martins

Nota: Fichas de inscrição no Cartório Paroquial

TEOLOGIA E ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA – CURSO ORGANIZADO PELA FACULDADE DE TEOLOGIA DA UCP

Todos sabemos, até por experiência pessoal a vários níveis, que a família desempenha um papel fundamental na vida das pessoas, desde o nascer ao morrer. A sua centralidade, como âmbito de vida, é inquestionável. A sua presença é importante, a sua ausência ou destruturação gera dificuldades.
Por outro lado, a família adquiriu nos últimos tempos, várias configurações, às vezes diferenciadas dos padrões do passado mesmo recente. Fala-se de “vários modelos de família”.
A Igreja, inspirada na Sagrada Escritura, e conhecedora da realidade social e pessoal, sempre teve a família em grande consideração. Temáticas como a conjugalidade, a paternidade, a educação humana e a transmissão da fé, entre outras ocuparam e ocupam grande parte das suas preocupações.
Consciente da importância da família e das novas realidades em que se move, o papa Francisco decidiu convocar dois sínodos, um em 2014, já realizado, o outro previsto para outubro de 2015.
A Faculdade de Teologia da UCP associa-se a este cuidado pastoral, proporcionando o presente Curso como itinerário de reflexão e de estudo.
De fevereiro de 2015 a junho de 2015, à 2ª feira, das 18.30h-21.15h, decorrerá a 1ª edição do Curso.
Inscrições: de 5 de janeiro a 30 de janeiro.
Para mais esclarecimentos consulte a página www.ft.lisboa.ucp.pt

História e Cultura Bíblica XVII - A profecia bíblica


segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Muito se gritou por Paris mas pouco se gritou pelos meninos e meninas mortos no recreio da escola em Peshawar

Esta rua onde “me” moro…
Do outro lado da minha rua, fica a Rue Lambert, mais adiante, a Porte de Pantin, a Place de la Nation, um quarteirão mais abaixo é o recreio da escola de Peshawar, nas traseiras é Bagdad e mais longe, só um pouquinho mais longe fica Tikrit e Mossul, e fica a coragem do medo do meu mundo e o medo da coragem do meu ser… fica o meu medo e a minha raiva, fica o grito por gritar ou talvez não, aqui na minha rua onde se grita por Paris mas onde foram poucos os que gritaram pelos meninos e meninas mortos no recreio da escola em Peshawar.
Foto: Raoul Dufy | 1903 | D.R.

Papa Francisco | Encontro com famílias, Manila, Filipinas, 16.1.2015

Papa Francisco aos casais: «Nunca deixem de ser namorados»
Recomendo-vos que, à noite, quando fizerem o exame de consciência, façam também esta pergunta: “Hoje sonhei com o futuro dos meus filhos?” “Hoje sonhei com o amor do meu esposo ou da minha esposa? Com os meus pais e os meus avós?” Não percam a capacidade de sonhar na família.

A CHATA CHEGA, NESTE II DOMINGO DO TEMPO COMUM, APÓS O "ENCERRAMENTO" (?) DO CICLO NATALICÍO

(1 Samuel (Sam)3,3b-10; Evangelho: João (Jo) 1,35-42).
Uma saudação cordial, com desejos de BOM DIA DO SENHOR, (mesmo com chuva, muita chuva). 
As leituras escolhidas para a Celebração Eucarística de hoje falam-nos de encontros.... Encontros, vocações... chamamentos!
No Evangelho, vamos encontrar Jesus a passar junto de
João Baptista. Não há grandes conversas entre eles. É como se se tratassem de desconhecidos, no entanto... J. Baptista apresenta Jesus aos presentes como " O CORDEIRO DE DEUS", como se dissesse é Ele que baptiza no espírito, é Ele que carrega com os pecados do mundo, que carrega as nossas faltas e fraquezas. (Quando tiver um tempinho escrevo sobre uma tradição judaica onde se fazia uma cerimónia alusiva à expiação dos pecados).
Há 2 discípulos de João Baptista, que ao ouvirem as palavras de João, imediatamente o deixam e seguem Jesus.... Como se deviam ter sentido tocados... que experiência intensa, sem um dialogo O seguem... Paro! Por minutos penso... nunca vivi uma experiência tão forte!
Sem conversas, sem indicações das intenções de Jesus... sem saberem ao que iam.... lá vão eles atrás de Jesus.... Confiam! E eu que preciso de tantas certezas...
Jesus volta-se para ver quem o seguia (como se já não soubesses. Tu sabes tudo Senhor!) e pergunta-lhes, não o que querem, mas o que procuram e eles respondem Mestre, "onde moras?". Jesus responde-lhes: "Vinde ver".
ESTE CONVITE, "VINDE VER" É FEITO A CADA UM DE NÓS... HOJE!
"Vinde ver".... não a casa, o local ou o sitio, mas a experiência de Deus.... a RELAÇÃO!
Não basta conhecermos o Evangelho ou as teologias... Jesus quer mais de nós! Para além da sabedoria, quer o nosso Coração... à semelhança do d'Ele! 
Diz-nos ainda João (evangelista) que os que O seguiram, não conseguiram guardar só para si este encontro tocante e foram leva-lo a outros.... E outros vieram! Não por acaso, mas porque TU, Jesus, os escolhestes! E.... eles responderam e ficaram Contigo! E, assim acontecem os discípulos: Tu vais e procura-los um a um... Jesus, vais à procura, vais ao encontro....
A EXPERIÊNCIA DE JESUS transborda os corações dos escolhidos... não pode ficar escondida em cada um!
O chamamento... a vocação, cada um de sua forma é chamado a dar uma resposta. Foi o que escutamos hoje na 1ª leitura  onde DEUS chama Samuel, e no Evangelho Jesus escolhe Pedro, a quem haveria de dizer mais tarde: "... sobre ti edificarei a minha Igreja" .
 E continua a chamar cada um de nós, a resposta é nossa! Ele SÓ nos pede que acolhamos o chamamento, o vivamos e o testemunhemos vida fora... (SÓ!)
Jesus, ajuda cada um de nós, a deixar-se encontrar por Ti, pois só Tu és o Caminho que nos leva a Deus. Ajuda-nos a ser testemunhas da nossa vocação de Filhos Amados por Deus.
Ajuda-nos a sentir no mais íntimo de nós que a resposta ao chamamento é a adesão à Tua Pessoa.
Vou acabar. Um abraço fraterno e boa semana na companhia de Cristo Jesus 
ana saldanha(elemento da Equipa Casais Stª Maria/Colares)

Encontro de Formação

A Pastoral Social vai organizar um dia de formação com a Cáritas Diocesana de Lisboa. Vai acontecer no próximo dia 31 de Janeiro, das 9,30 às 17 Horas em Rio de Mouro. Esta formação destina-se a todos os agentes da Pastoral Social das Paróquias. Esta formação é  sobre a Doutrina Social da Igreja. Envio a ficha de inscrição.
Abraço em Cristo
Diác. Carlos Martins

domingo, 18 de janeiro de 2015

Festa de São Sebastião - Colares

Ontem foi o maravilhoso Concerto com o coro "ArdeCoro" hoje às 15h00 Procissão da Igreja do Muvifal para a Igreja de São Sebastião acompanhada pela Banda dos Bombeiros Voluntários de Colares

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

- Festa de São Sebastião: Dia 16 Noite de Fados

Dias 16,17, 18 e 20 de Janeiro 2014

Terra Santa: Bispos católicos denunciam drama de «dezenas de milhares de famílias cristãs»

Ausência de soluções para a paz entre Israel e Palestina está a ter «consequências trágicas»
Jerusalém, 15 jan 2015 (Ecclesia) – Os bispos católicos que estão de visita à Terra Santa denunciaram a falta de condições que “dezenas de milhares de famílias cristãs” enfrentam na Faixa de Gaza, devido ao conflito israelo-palestino.
Numa mensagem enviada hoje à Agência ECCLESIA pelo Conselho das Conferências Episcopais da Europa, também representado nesta iniciativa, eles lamentam a falta de soluções para fazer “avançar a paz”, ao nível das políticas “locais e internacionais”.
Algo que, para as populações radicadas em Gaza, um dos epicentros da guerra, tem tido “consequências trágicas”.
Segundo os prelados, “depois de falhadas as últimas negociações” são necessárias “novas abordagens” que permitam “a construção de pontes, não de muros”, entre Israel e a Palestina.
“É preciso humanizar o conflito, através de medidas que favoreçam o diálogo entre as duas partes. A paz apenas virá quando todos concordarem que este território é sagrado para três credos, o cristianismo, o judaísmo e o islamismo, e casa de dois povos, israelitas e palestinos”, advogam os bispos.
Desde sexta-feira, os responsáveis católicos já tiveram ocasião de contactar e escutar os anseios de diversas comunidades, não só do lado palestino, na Faixa de Gaza mas também do lado israelita.
A viagem que hoje termina envolve líderes e representantes católicos da Europa, da América do Norte e da África do Sul, e está inserida na 15.ª reunião anual da Coordenação das Conferências Episcopais em favor da Igreja Católica da Terra Santa.
De acordo com os membros daquele organismo, o conflito em curso “assalta a dignidade de israelitas e palestinos” e coloca em causa a vida de inúmeros cristãos que têm de saber que “não foram esquecidos”.
Medo, pobreza, desemprego, habitação precária, são muitos os problemas que afligem estas pessoas.
“O bloqueio em Gaza impede dramaticamente qualquer tentativa de reconstrução e favorece um ambiente de desespero que depois mina também as esperanças legítimas dos israelitas em termos de segurança”, descrevem os bispos.
No entanto, no meio de toda a “devastação” e do “receio de novos combates”, “a esperança permanece viva” na região.
Os responsáveis católicos tiveram ocasião de constatar isso mesmo por exemplo na visita a uma “pequena comunidade cristã com uma enorme fé”.
Também através da “tenacidade” demonstrada por “muitos voluntários” que ali trabalham em prol das populações mais carenciadas, e da passagem por uma “escola onde muçulmanos e cristãos estudam e brincam em harmonia”.
“Um estudante disse-nos que durante a guerra recebeu um e-mail a perguntar se precisava de comida, de roupa ou de abrigo. Sem amargura, ele respondeu que o que precisava era de dignidade. É este direito que os líderes políticos têm de defender”, frisam os prelados.
No seu texto, a Coordenação das Conferências Episcopais em favor da Igreja Católica da Terra Santa salienta que “vai continuar a opor-se” às injustiças que estão a ser praticadas no território.
Em causa estão também situações como a “expansão do programa dos colonatos israelitas, ilegal à luz da lei internacional” e “a construção do muro de separação no Vale de Cremisan”, projetada pelo governo de Israel e cuja concretização colocará em causa “a subsistência de muitas famílias cristãs”.
Ao todo participaram nesta visita cerca de 40 bispos e representantes católicos de 16 países: Alemanha, África do Sul, Irlanda, Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega, Suécia, Estados Unidos da América, Inglaterra, Pais de Gales, França, Itália, Canadá, Suíça, e Espanha.
JCP

Atentados: Papa condena terrorismo fundamentalista e pede fim das «ofensas» às religiões

Francisco diz que a liberdade de expressão tem «limites»
Lisboa, 15 jan 2015 (Ecclesia) - O Papa Francisco condenou hoje de novo os atentados terroristas da última semana em Paris e pediu o fim das “ofensas” contra as religiões, sublinhando que a liberdade de expressão tem “limites”.
“Não se pode matar em nome de Deus, isso é uma aberração”, declarou, em conferência de imprensa durante o voo que o levou do Sri Lanka às Filipinas, segunda etapa da viagem que se iniciou na segunda-feira.
Francisco sublinhou que a liberdade religiosa e a liberdade de expressão são “dois direitos humanos fundamentais” e disse que, neste contexto, “não se pode provocar, não se pode insultar a fé dos outros”.
“Há um limite, toda a religião tem dignidade, não posso ridicularizar uma religião que respeite a vida humana, a pessoa”, acrescentou.
12 pessoas, entre jornalistas e polícias, foram mortas na última quarta-feira após um atentado contra o jornal satírico ‘Charlie Hebdo’, que esta semana publica uma caricatura com o profeta Maomé.
Francisco defendeu que o uso da liberdade não justifica o festo de “ofender”.
“É verdade que não se pode reagir violentamente, mas se o doutor Gasbarri [organizador das viagens pontifícias, que se encontra normalmente junto do Papa], que é um amigo, ofender a minha mãe, vai levar um murro”, gracejou.
O Papa insistiu, depois, na ideia de que “na liberdade de expressão há limites”.
“Muita gente ofende, ridiculariza, faz pouco da religião dos outros. Esses provocam e pode acontecer aquilo que aconteceria ao doutor Gasbarri se dissesse alguma coisa contra a minha mãe”, alertou.
Francisco citou o discurso de Bento XVI em Ratisbona (2006), Alemanha, para falar de uma “mentalidade pós-relativista” que leva a apresentar as religiões e as expressões religiosas “como uma espécie de subcultura", que são apenas "toleradas”, mas não valorizadas.
“Cada um tem o direito de praticar a sua própria religião, sem ofender, e assim queremos fazer todos. Em segundo lugar: não se pode ofender ou fazer a guerra, matar em nome da própria religião, em nome de Deus”, observou.
Questionado sobre eventuais ameaças terroristas contra o Vaticano ou a sua pessoa, Francisco disse que a melhor resposta é “ser manso, humilde”, sem agredir ninguém.
“A mim preocupam-me os fiéis, na verdade, e falei disso com a segurança do Vaticano”, revelou, confessando que tem uma “boa dose de inconsciência” no que diz respeito à sua própria segurança.
O Papa comentou ainda o recente atentado terrorista na Nigéria em que os fundamentalistas usaram uma criança para rebentar uma bomba.
“É preciso dizer que por trás de cada atentado suicida há um elemento de desequilíbrio humano, não sei se mental, mas humano, algo que não está bem na pessoa: essa pessoa tem um desequilíbrio na sua vida”, sustentou.
“O ‘kamikaze’ dá a vida para destruir”, lamentou.
Francisco admitiu que o Vaticano está em conversações com líderes de outras religiões, sobre o extremismo, e que existe a hipótese de “promover um novo encontro em Assis” contra a violência e pela paz.
OC

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Dia Mundial do Doente - Propostas para a vivência desta jornada

O Sector da Pastoral da Saúde do Patriarcado de Lisboa, através do Departamento da Comunicação, fez chegar a todas as paróquias os materiais para reflexão e divulgação do Dia Mundial do Doente, celebrado a 11 de fevereiro. De entre as propostas, é sugerida uma festa litúrgica “com este extraordinário sacramento da Unção dos Doentes”. É ainda salientado que “a visita dos doentes na comunidade paroquial é um ato de grande relevo na vida da paróquia”.

Oração para o Dia Mundial do Doente
“Ó Maria, Sede da Sabedoria, intercedei como nossa Mãe por todos os doentes e quantos cuidam deles. Fazei que possamos, no serviço ao próximo sofredor e através da própria experiência do sofrimento, acolher e fazer crescer em nós a verdadeira sabedoria do coração”.

Papa Francisco
Comunidade católica inaugura com budistas caminhada de descoberta inter-religiosa
A iniciativa da comunidade radica no facto de conviverem há vários anos – décadas, em alguns casos – no mesmo perímetro urbano cristãos, judeus, muçulmanos, budistas e outros, e todavia o desconhecimento é mútuo. «Os encontros inter-religiosos são uma proposta para aprofundarmos uma pacífica convivência com base no conhecimento, no respeito e na amizade.»