quinta-feira, 24 de maio de 2018

Dia Corpo de Deus - COLARES


MEDITAÇÃO DIÁRIA Qui, 24 – Semana VII do Tempo Comum

tg 5, 1-6 / Slm 48 (49), 14-20 / Mc 9, 41-50

Tende sal em vós mesmos. (Evang.) 

O sal dá vida aos alimentos e na época de Jesus também servia para os conservar. Com sal dentro do nosso espírito, nós devemos conservar Jesus e dar vida à nossa vida espiritual. Também devemos salgar a vida dos nossos irmãos, dar-lhes vida. Mas com calma, com discernimento. Sal a mais, estraga. Ninguém está preparado para receber sal a mais. Na sua tarefa de salgar, o leitor peça respeito pelo outro. 

quarta-feira, 23 de maio de 2018

A não perder - Igreja Matriz de Colares


MEDITAÇÃO DIÁRIA Qua, 23 – Semana VII do Tempo Comum

Tg 4, 13-17 / Slm 48 (49), 2-3.6-11 / Mc 9, 38-40

Quem sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado. (1ª Leit.)

Será que conseguimos estar sempre a fazer o bem? Será que não temos de estar alguns períodos sem fazer nada? Claro que sim. Mas S. Tiago devia estar a referir-se ao aspeto geral, àquilo que os moralistas chamam a opção fundamental pelo bem ou pelo mal. Devemos sempre ter o bem no nosso coração, não escolher caminhos ínvios. O leitor peça essa graça. Mais a graça do progresso.

Festa da Família - Alteração de local

Devido à previsão de chuva, a Festa da Família neste Domingo, 27 de maio, que estava marcada para o Parque Verde da Várzea, em Torres Vedras, vai decorrer no Externato de Penafirme, em A-dos-Cunhados. O programa mantém-se.

segunda-feira, 21 de maio de 2018

MEDITAÇÃO DIÁRIA Seg, 21 – Semana VII do Tempo Comum

Tg 3, 13-18 / Slm 18 B (19 B), 8-10.15 / Mc 9, 14-19 

... o espírito sacudiu fortemente o menino. (Evang.)

Também há espíritos (maus) mudos que nos agitam. As más inclinações. Muitas vezes, não se expressam por palavras. São sentimentos. Temos de batizar esses sentimentos, isto é, entregá-los ao cuidado do Espírito Santo. Mas isto seria só uma pia consideração se não soubéssemos como fazê-lo. É pedir ao Espírito Santo que venha sobre esses sentimentos e os transforme em sentimentos bons. O leitor tente isso.

domingo, 20 de maio de 2018

MEDITAÇÃO DIÁRIA Dom, 20 – Domingo de Pentecostes – Ano B

At 2, 1-11 / Slm 103 (104), 1ab.24c.29bc-31.34 / 1 Cor 12, 3b-7.12-13 ou Gal 5, 16-25 / Jo 20, 19-23 ou Jo 15, 26-27; 16, 12-15

«Rei celeste, Consolador, Espírito da Verdade vem habitar em mim!». Assim começam as ações litúrgicas dos nossos irmãos cristãos do Oriente. Estão conscientes que a graça vem de Deus, mas não desejam que esta desça como um simples hóspede muito querido que nos vem visitar e depois regressa a sua casa. O Espírito vem habitar dentro de nós, tem morada permanente em nós.  S. Basílio, um santo da antiguidade cristã, utiliza uma expressão curiosa, dizendo que o Espírito Santo Se torna na nossa «forma», isto é, Ele dá forma à nossa vida. Outra expressão semelhante refere-se ao Espírito Santo como sendo a «Alma da nossa alma». Isto significa que Ele faz parte daquilo que nós somos, «mais íntimo de mim que eu mesmo».

A Solenidade que hoje celebramos, o Pentecostes, em ligação com todas as festas pascais, mostra-nos o ápice do ano litúrgico. Mais: mostra-nos o ponto mais elevado da criação, da incarnação e da redenção: somos habitados pelo Espírito Santo. O Senhor ressuscitado subiu aos céus, mas não nos abandona à nossa sorte: envia--nos o seu Espírito, o Espírito Santo. Interessante notar que, no Antigo Testamento, no livro do Génesis, vemos como Deus sopra sobre o barro e Adão é criado; agora, no Pentecostes, o Senhor sopra sobre homens e mulheres e a Igreja é criada. É destes homens e mulheres, reunidos no cenáculo, habitados pelo Espírito Santo, é da comunidade que brota a Igreja.

A alegria e a tristeza estão na base das nossas ações. Quando estamos tristes, ou não fazemos nada porque não temos força para nada ou o que fazemos não é bom. Mas quando estamos felizes e nos sentimos alegres, então as nossas ações são boas, somos uma presença positiva para os outros e à nossa volta tudo floresce. A alegria do Senhor é a nossa força, é a força da vida nova no Amor, habitados pelo Espírito Santo. Os discípulos estavam fechados, com as portas trancadas, com um medo irracional que lhes fizessem o mesmo que fizeram a Jesus. Como quase todos os medos, este era um medo improvável, mas nem por isso era menos real. O medo tem esta força de nos fechar aos outros e fazer do nosso coração um lugar fecha­do. Recordemo-nos que o Cenáculo, lugar onde estão fecha­dos por causa do medo, é o mesmo sítio onde o Senhor nos deu o Pão e o Vinho, seu Corpo e Sangue. Quando estamos tristes e com medo, nada faz sentido, tudo é ameaçador. É neste momento de medo e dor, em que nada parece fazer sentido, que o Senhor Se faz presente. Ele está sempre presente na nossa vida e também nos momentos de medo, quando tudo parece escuro e ameaçador. Ele entra no mais profundo do nosso ser e dá-nos o dom da sua paz. Encontrar o Ressuscitado na nossa vida leva-nos à Alegria e a dar frutos de paz. Estes são sinais da sua presença.

Quando os discípulos viram a mão e o lado de Jesus encheram-se de alegria. É esta alegria no Senhor que se torna missão para os discípulos de Jesus. Somos, por isso, todos nós enviados, tal como Jesus foi enviado pelo Pai, a anunciar que somos filhos muito amados do Pai. Temos a mesma missão de Jesus! A nossa missão é mostrar, isto é, testemunhar o Amor do Pai por cada um de nós. Recebemos esta missão com o «sopro» do Espírito Santo. É Ele que em nós grita «Abbá, Pai»; é Ele o orante em nós, mas Ele precisa de nós, precisa que abramos o coração para que a nossa vida seja um lugar de amor, de alegria e de paz. 

sábado, 19 de maio de 2018

MEDITAÇÃO DIÁRIA Sáb, 19 – Semana VII do Tempo Pascal

At 28, 16-20.30-31 / Slm 10 (11), 4.5.7 / Jo 21, 20-25 

Viu que o seguia o discípulo predileto de Jesus. (Evang.)

Parece que Jesus tinha um predileto. E no Céu, também haverá prediletos? Eu acho que no Céu vamos ser todos prediletos, porque Deus ama infinitamente cada um de nós, individualmente. E, naturalmente, já aqui na terra nós somos totalmente amados por Deus. O amor de Deus não se divide, como o tempo de uma pessoa se divide por aqueles que ela ama. Hoje meditemos nesta realidade.

sexta-feira, 18 de maio de 2018

MEDITAÇÃO DIÁRIA Sex, 18 – Semana VII do Tempo Pascal

At 25, 13b-21 / Slm 102 (103), 1-2.11-12.19-20ab / Jo 21, 15-19

Mas quando fores mais velho... outro... te levará para onde não queres. (Evang.)

Às vezes somos levados para onde não queremos e o que temos a fazer é pormo-nos nas mãos de Deus. Recentemente, tive duas situações ligadas com avarias de computadores que afetaram bastante os meus escritos e umas conferências que tinha de dar, mas Deus auxiliou-me muito através do amor das pessoas, que é amor que vem de Deus, como Deus ajudou S. Pedro. Habituemo--nos a pôr-nos nas mãos de Deus nas situações mais tensas do nosso dia a dia. O leitor reze por isso.

quinta-feira, 17 de maio de 2018

MEDITAÇÃO DIÁRIA Qui, 17 – Semana VII do Tempo Pascal

At 22, 30; 23, 6-11 / Slm 15 (16), 1-2a.5.7-8.9-10.11 / Jo 17, 20-26

Para que o amor com que Me amaste esteja neles. (Evang.)

Jesus quer que sejamos amados com o amor com que o Pai nos ama. Um amor de Pai para filho. Porque nós também somos filhos. É Jesus que nos traz o Pai e é Jesus que nos leva ao Pai, se bem que Jesus também nos diga que o Pai nos ama diretamente. E Jesus dá-nos o Espírito Santo. Nós também, entre os nossos amigos, podíamos ser facilitadores de pontes. Mãos à obra.

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Papa Francisco pede aos rígidos da Lei que imitem Saulo e se deixem guiar por Jesus

Papa Francisco preside Missa na Casa Santa Marta / Foto: L'Osservatore Romano
Francisco observou que “a primeira vez que aparece o nome de Saulo é na lapidação de Estêvão”. Saulo era um “jovem, rígido, idealista”. Era um “prisioneiro” da rigidez da Lei. No entanto, Saulo “foi honesto”, destacou o Pontífice.

Nesse sentido, contrastou a rigidez com a honestidade. Advertiu contra aqueles que “são os rígidos de vida dupla: mostram-se belos, honestos, mas quando ninguém os vê, fazem coisas feias”.

“Entretanto, este jovem – Saulo – era honesto. Quando falo disso, penso em muitos jovens que caíram na tentação da rigidez, hoje, na Igreja. Alguns são honestos, são bons, devemos rezar para que o Senhor os ajude a crescer no caminho da mansidão”.
Ler mais 

MEDITAÇÃO DIÁRIA Qua, 16 – Semana VII do Tempo Pascal

At 20, 28-38 / Slm 67 (68), 29-30.33-35a.35b-36c / Jo 17, 11b-19

Guardei-os e nenhum deles se perdeu. (Evang.)

Nesta frase, Jesus refere-Se à vida eterna. Mas nós temos à nossa responsabilidade pessoas que caem sob a alçada do segundo mandamento: amar os outros como a si mesmo. Temos de amar as pessoas à nossa volta e de nos amar, também. Às vezes custa, às vezes estamos muito cansados, às vezes só queríamos que nos deixassem em paz. Peçamos a Deus forças.

terça-feira, 15 de maio de 2018

MEDITAÇÃO DIÁRIA Ter, 15 – Semana VII do Tempo Pascal

At 20, 17-27 / Slm 67 (68), 10-11.20-21 / Jo 17, 1-11

Ele dê a vida eterna a todos os que Lhe confiaste. (Evang.) 

A vida eterna que os ressuscitados já gozam e para a qual nós havemos de ressuscitar um dia é o elo comum de todos (nós) os que estão unidos às pessoas que estão no Purgatório e no Céu através da Comunhão dos Santos, isto é, através da comunhão – da união – de todos os batizados na Terra e de todas as pessoas que estão no Purgatório e no Céu. Isto deve alegrar-nos muito quando um ente querido morre e ressuscita.

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Toda a Vida tem Dignidade

DIA 29 DE MAIO

Concentração contra a eutanásia, em Lisboa
A Federação Portuguesa pela Vida, através da campanha Toda a Vida tem Dignidade, está a organizar uma concentração para se manifestar contra a eutanásia, que vai decorrer junto à Assembleia da República, em Lisboa, a 29 de maio, terça-feira, às 13h30.   Nesse dia, vão ser discutidos na Assembleia da República quatro projetos de lei que pedem a legalização da eutanásia.
ver [+]

Coisas que você não deve fazer na Missa e talvez não saiba


Pequenos detalhes que fazem a diferença e unem a Igreja

  1. Não chegar atrasado. Lembre-se de que Deus está esperando você para enchê-lo com o seu amor, dar o seu perdão e um abraço, falar ao seu ouvido, e dizer o que o você precisa ouvir. Ele separou um lugar na mesa para você. Não o deixe esperando;
  2. Não usar roupas provocantes. Não use vestuário que possa chamar a atenção ou provocar (decote, minissaia e shorts);
  3. Não entre na igreja sem saudar o Senhor. Ao chegar, faça o sinal da cruz. Ele está lá, feliz por ver você. Agradeça-o, pois ele o convidou;
  4. Não tenha preguiça de fazer a reverência ou a genuflexão. Se você passar em frente ao altar, que representa Cristo, faça a reverência. Se passar pelo Sacrário, onde está Cristo, faça a genuflexão (tocar o chão com o joelho);
  5. Não masque chiclete nem coma ou beba. Só é permitida água e em caso de necessidade e por questão de saúde;
  6. Não cruze as pernas. O ato de cruzar as pernas é considerado pouco respeitoso. O seu corpo deve expressar a sua devoção;
  7. A mesma pessoa não deve fazer a Leitura e o Salmo. Se você vir um só leitor ou leitora, ofereça-se para ler, pois as Leituras e o Salmo devem ser proclamados por leitores diferentes (dois no meio da semana e três aos domingos ou dias festivos, quando há a Segunda Leitura);
  8. Não adicione frases quando for fazer as Leituras e o Salmo. Não leia as letrinhas vermelhas nem diga: “Primeira Leitura” ou “Salmo Responsorial”;
  9. Nunca recite o Aleluia antecipadamente. Não se adiante para dizer “Aleluia, Aleluia”. Espere alguns segundos, pois, certamente, alguém o cantará. Se nem o padre nem ninguém cantar, omita-o, mas nunca o recite;
  10. Não faça o sinal da cruz na proclamação do Evangelho. Você só deve fazer três cruzes pequenas: uma na fronte, outra nos lábios e a última no peito;
  11. Não responda no plural quando Credo é feito em forma de perguntas. Quem preside a Missa pode perguntar: “Creem em Deus Pai Todo Poderoso?” Neste caso, não responda “sim, cremos”, pois a fé é pessoal. Responda: “sim, creio”.
  12. Não recolha a oferta durante a Oração Universal. A oferta deve ser recolhida durante a apresentação dos dons, quando todos estão sentados e o padre agradece a Deus pelo pão e o vinho e purifica as mãos;
  13. Não se levante durante a apresentação dos dons. Às vezes, alguém se levanta e, por impulso, outros também ficam de pé. Talvez, ao ver o padre levantar o cálice e a hóstia, as pessoas pensam que já é a Consagração. Mas não é;
  14. Não se ajoelhe logo depois do “Santo”. É preciso esperar que o padre peça que o Espírito Santo transforme o pão e o vinho em Corpo e Sangue de Cristo. É neste momento que se deve ajoelhar-se (se houver sino, ajoelhe-se quando ele soar);
  15. Não ficar sentado durante a Consagração. Se você não consegue se ajoelhar, fique de pé, mas nunca se sente, a menos que seja por alguma doença. É falta de respeito com Cristo, que se faz presente no altar;
  16. Não dizer nada em voz alta durante a Consagração. Tem gente que, durante a Consagração, diz em voz alta: “Meu Senhor, Meu Deus”. Mas isso distrai quem está fazendo uma oração pessoal em silêncio;
  17. Não diga em voz alta: “Por Cristo, com Cristo, em Cristo…”. Só quem deve dizer isso é quem preside a Missa;
  18. Não saia do seu lugar para ir dar a Paz. Você só deve cumprimentar quem está perto de você, não outras pessoas, em outros bancos. Tampouco deve aproveitar para ir felicitar alguém ou dar pêsames;
  19. Se você não estiver preparado, não comungue. Você deve ter guardado o jejum eucarístico (não ter comido nem bebido nada uma hora antes de comungar) e não ter pecado grave;
  20. Não fazer somente uma fila de Comunhão (a do padre). Jesus está presente na Hóstia Consagrada, não importa se é a hóstia segurada pelo padre ou por um Ministro Extraordinário da Eucaristia, que é uma pessoa preparada e autorizada pela Igreja para distribuir a Comunhão na Missa e levá-la aos idosos e enfermos;
  21. Depois de comungar, não converse com os outros. Volte ao seu lugar e fale com o Senhor. Se você não comungou, faça uma comunhão espiritual e converse com Ele;
  22. Quando terminar a distribuição da Comunhão, não continuar cantando. O canto da Comunhão deve terminar quando a última pessoa receber a hóstia, para que haja um silêncio sagrado, em que cada pessoa entra em diálogo com Deus;
  23. Desligue o celular. Não fique mandando mensagens ou falando ao celular durante a Missa, pois isso distrai você e os outros. Dedique sua atenção ao Senhor, que está dedicando a atenção Dele a você;
  24. Não perca as crianças de vista. Ensine-as a aproveitar a casa do Pai e a se comportar na Missa;
  25. Não saia antes que a Missa termine. Não perca a bênção fina, através da qual o padre o envia ao mundo para dar testemunho em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Saia da Igreja com um propósito novo, que tenha sido inspirado no Senhor, para edificar o mundo, seu Reino de amor.

Artigo originalmente publicado por Desde la fe, traduzido e adaptado ao português por Aleteia.

Perguntas e respostas sobre a EUTANÁSIA

Oração pela vida


13 a 20 de Maio - Semana da Vida “Eutanásia… O que está em jogo?”

A Igreja Católica em Portugal vai dedicar a sua Semana da Vida de 2018 ao tema da eutanásia, procurando promover um debate “sereno” sobre o tema, apresentando a sua posição à sociedade.

A iniciativa vai decorrer de 13 a 20 de maio, lançando a questão "Eutanásia… O que está em jogo?".

As propostas da Comissão Episcopal do Laicado e Família, através do seu Departamento Nacional da Pastoral Familiar (DNPF) partem de um alerta do Papa Francisco, sobre as “novas interrogações” relativas ao “sentido da vida humana”.

“Voltamos à problemática da Eutanásia, que envolve a ética, a medicina, o direito, a filosofia, a religião… e onde se ‘misturam’ experiências pessoais e familiares”, refere o guião da celebração, preparado pelo DNPF.

Os responsáveis pela iniciativa consideraram importante retomar o documento publicado pela Conferência Episcopal Portuguesa em 2016, ‘Eutanásia: o que está em jogo? Contributos para um diálogo sereno e humanizador’, a fim de “aprofundar o que está em causa, distinguir conceitos, conhecer mais claramente o que a Igreja defende e propõe”.

13 a 20 de Maio - Semana da Vida “Eutanásia… O que está em jogo?”

“Também para nos deixarmos questionar por uma e outra posição, e testemunhar Aquele que pode libertar-nos, oferecendo-nos uma Luz que nos descubra a nós mesmos um sentido capaz de tornar boa a nossa vida e digna de ser vivida”, pode ler-se, no texto de apresentação da iniciativa anual.

No guião, disponível aqui, propõe-se a título de exemplo:

·     a meditação dos Mistérios Dolorosos;

·     momentos de oração pela Vida, ao longo da semana (pode fazer download da pagela com a oração)

Desejamos a todos uma boa Semana da Vida!

MEDITAÇÃO DIÁRIA Seg, 14 – S. Matias, Apóstolo (Festa)

At 1, 15-17.20-26 / Slm 112 (113), 1-8 / Jo 15, 9-17 

Vós sois meus amigos, se fizerdes o que Eu vos mando. (Evang.) 

Pessoas há que passam a vida sem fazer um pecado que ofenda gravemente a Deus. Supõe-se que os pecados por omissão estão incluídos aqui. Mas nós, pessoas normais, temos de ter atenção com o que não fazemos. Com o que ainda não fazemos, com o que deixámos de fazer, com aquela coisa que devíamos fazer, que nos mói há muito e ainda não fizemos. Peçamos forças a Deus.