sábado, 21 de julho de 2018

MEDITAÇÃO DIÁRIA Sáb, 21 – SEMANA XV DO TEMPO COMUM

Esta frase quer dizer que o Salvador vai aproveitar tudo o que há de bom nas pessoas que vai salvar. Assim como nós devemos fazer. Nós, quando lidamos com alguém, temos de ver a sua parte positiva, por muito irritados que estejamos com essas pessoas – e às vezes a irritação é muito grande. Às vezes precisamos de uma grande força de vontade para superar essa irritação. Hoje, a frio, peçamos a Deus essa força de vontade para quando estamos muito irritados.

sexta-feira, 20 de julho de 2018

Família: Mais de quatro mil casais em diálogo no recinto do Santuário de Fátima

«O dever de sentar» foi a dinâmica proposta a todos os participantes no Encontro Internacional das Equipas de Nossa Senhora
Fátima, 19 jul 2018 (Ecclesia) – O Encontro Internacional das Equipas de Nossa Senhora realizou hoje a dinâmica de diálogo em casal “O dever de sentar”, com os mais de 4000 casais participantes a preencher o recinto do Santuário de Fátima.
“Fazemos isto uma vez por mês para dizermos ao outro o que aconteceu de bom e menos bom”, referiu em declarações à Agência ECCLESIA o casal Ferreirinha.
Casados há 42 anos, Maurício e Fernanda Ferreirinha defendem a necessidade de dialogar em casal para “superar os momentos melhores e piores que a vida dá”.
“Embora façamos isto com alguma regularidade, aqui tem outro sentido”, acrescenta o casal português que participa no Encontro Internacional das Equipas de Nossa Senhora.
“Este é um encontro a três: o casal e Deus no meio. É uma maneira de não nos agredirmos para dizer as coisas que não são tão boas e o outro também tem outra maneira de escutar”, indicou Fernanda Ferreirinha.
“As pessoas quando se casam pensam que é tudo um mar de rosas. E às vezes não é! E é preciso saber dar a volta nessas alturas”, acrescentou Maurício Ferreirinha
Membros das Equipas de Nossa senhora há 34 anos, o casal Ferreirinha refere que foram aprendendo a dialogar, a escutar o outro e a corrigirem-se “aos poucos”.
As Equipas de Nossa Senhora estão a realizar em Fátima o seu XII Encontro Internacional, com mais de oito mil participantes de 75 países.
‘Reconciliação, sinal de amor’ é o tema do encontro internacional, cujo programa propõe manhãs de reflexão e tardes de participação em atividades de grupos.
As Equipas de Nossa Senhora são um movimento para casais, que cultiva a espiritualidade e a santificação do casal, fundado pelo padre francês Henri Caffarel, cuja causa de canonização está a decorrer, em Roma.
Cada equipa é composta por cerca de seis ou sete casais e um conselheiro espiritual, reunindo-se uma vez por mês num encontro que inclui refeição, oração, momentos de partilha e discussão de um tema.
HM/PR

MEDITAÇÃO DIÁRIA Sex, 20 – SEMANA XV DO TEMPO COMUM

Interpretar a lei é difícil. Em matéria de impostos nem se fala. É um jogo do gato e do rato. Qual deve ser a atitude cristã em relação aos impostos? Jesus manda dar a César o que é de César. O leitor dá? Mas dá alegremente? Também não exageremos, não é? Quem é que paga os impostos alegremente? Ao pagarmos impostos, não estamos a contribuir para o bem comum? Hoje o leitor pergunte a Jesus o que é que Ele acha.

quarta-feira, 18 de julho de 2018

MEDITAÇÃO DIÁRIA Qua, 18 – Beato Bartolomeu dos Mártires (Memória)

A salvação é uma questão de empatia com Deus. O cérebro ajuda a que essa empatia não seja irracional, mas no fundo dos fundos é uma ligação visceral que os livros não conseguem dar. Hoje o leitor aquiete-se e peça a Deus que esteja para além das palavras. Peça a Deus que lhe dê uma ligação com Ele para além das palavras. Provavelmente não vai sentir nada de extraordinário. Mas essa ligação vai ficar.

terça-feira, 17 de julho de 2018

QUARTA-FEIRA 18 de Julho - Adoração ao SS.mo Sacramento em Almoçageme às 10h00.

MEDITAÇÃO DIÁRIA Ter, 17 – BB. Inácio de Azevedo e Companheiros Mártires (Memória)

Na «recente» Exortação Apostólica do nosso Papa sobre a santidade, o Santo Padre diz que a prática da caridade para com os pobres apaga muitos pecados. Quer dizer, muita tolerância terá quem muito amar os pobres com ações. Não devemos amar por interesse, mas o Papa referia-se àqueles pecados que são muito difíceis de superar. E que, se os não conseguirmos superar, ao menos tenhamos o máximo de caridade para com os pobres, que isso será em desconto dos nossos pecados.

segunda-feira, 16 de julho de 2018

Escola Diocesana de Música Sacra apresenta cursos

Imprimir Email Facebook Twitter Google +
A Escola Diocesana de Música Sacra (EDMS) divulgou os Cursos Certificados e os Cursos Livres que tem disponíveis para o ano pastoral 2018/2019.

Em termos de Cursos Certificados (ou seja, com avaliação académica), o Curso de Música Sacra oferece quatro variantes opcionais: Coro (coralistas), Direção (diretores/maestros), Canto (salmistas/cantores solistas) e Órgão (organistas). A formação para Coro vai decorrer aos sábados de manhã, das 9h00 às 13h15, o curso para Direção decorre também aos sábados, das 11h45 às 13h15, enquanto a formação Canto não tem ainda horas definidas. Finalmente, o curso na variante Órgão vai decorrer em horário a combinar pessoalmente. De referir que cada ano letivo tem a duração de nove meses, de outubro a junho, e um número mínimo de 30 aulas por disciplina.
A EDMS (https://edmslisboa.webnode.pt), promove ainda três Cursos Livres (ou seja, sem avaliação académica): as Jornadas Corais de Música Sacra, em datas a indicar, e que oferece aos participantes uma experiência envolvente de canto coral; o Curso de Música para Seniores, de canto coral sacro; e o Curso Livre de Órgão, para leigos dos 10 aos 40 anos.A Escola Diocesana de Música Sacra integra-se no Instituto Diocesano da Formação Cristã (IDFC), do Patriarcado de Lisboa, e tem como objetivos promover o cultivo da música sacra, segundo as orientações da Igreja, e apoiar as comunidades cristãs em ordem à valorização das celebrações litúrgicas, na sua vertente musical. Este serviço tem como destinatários todos aqueles que exercem, ou pensam vir a exercer, alguma função no sector da música litúrgica, nas paróquias, seja maestros, cantores, salmistas ou organistas.


Nomeações para o ano pastoral 2018/2019

DOM MANUEL III, CARDEAL-PRESBÍTERO DA SANTA IGREJA ROMANA, DO TÍTULO DE SANTO ANTÓNIO DOS PORTUGUESES NO CAMPO DE MARTE, POR MERCÊ DE DEUS E DA SÉ APOSTÓLICA, PATRIARCA DE LISBOA.

Aos que este Decreto virem, saúde e bênção

O Bispo, princípio visível de unidade na sua Igreja, é chamado a edificar incessantemente a Igreja particular na comunhão de todos os seus membros, e destes com a Igreja universal, vigiando para que os diversos dons e ministérios contribuam para a comum edificação dos crentes e para a difusão do Evangelho (ApS, 8), até que todos tenham alcançado a unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, o estado de Homem Perfeito, a medida da estatura, da plenitude de Cristo (Ef. 4, 13). Deve fazê-lo com amor de pai, do povo santo de Deus, juntamente com os presbíteros, colaboradores do Bispo no seu ministério, e com os diáconos (Pastor Gregis, 7).
Assim, para que os fiéis cresçam na santidade pela celebração dos sacramentos e vivam o mistério pascal (cf. cân. 387), HAVEMOS POR BEM NOMEAR: 

PÁROCOS

* P. Carlos Alexandre Alves Pinto, Pároco de São Pedro de Almargem do Bispo.

* P. Carlos Manuel Martins Marques, Pároco de Nossa Senhora do Amparo da Silveira, sendo dispensado dos anteriores ofícios.

* Mons. Duarte Nuno Queiroz de Barros da Cunha, Pároco de Santa Joana, Princesa, na Cidade de Lisboa.

* P. Faustino Tchitetele (MS) (moderador) e P. Lino Uhengue (MS), Párocos “in solidum” de São Leonardo da Atouguia da Baleia e de São Sebastião da Serra d’El-Rei, observado o estabelecido no cân. 682 §1.

* P. François Mbagnik Diouf, Pároco de Santo André da Cela, acumulando com o anterior ofício de Pároco de São Sebastião do Vimeiro.

* P. João Domingos Morais Braz, Pároco de São Vicente de Alcabideche, sendo dispensado dos anteriores ofícios.

* P. Luís Javier Reyes Marzo (OSA), Pároco de Santa Iria da Azóia, observado o estabelecido no cân. 682 §1, sendo dispensado do anterior ofício.

* P. Manuel Oliveira Marques da Silva (PSDP), Pároco de São José de Algueirão-Mem Martins – Mercês, observado o estabelecido no cân. 682 §1.

* P. Mário Faria Silva, Pároco de São Silvestre de Unhos e de São José do Catujal, sendo dispensado do anterior ofício.

* Cón. Mário Luís Henriques Pais, Pároco do Santíssimo Salvador do Bombarral, de Nossa Senhora da Purificação da Roliça e do Sagrado Coração de Jesus de Vale Covo, sendo dispensado dos anteriores ofícios.

* P. Nelson Matias Pereira, Pároco de Nossa Senhora da Encarnação e São Domingos da Encarnação de Mafra, acumulando com o anterior ofício.

* P. Raimundo Sapalo Mangens, Pároco de São Pedro de Barcarena.

* Cón. Ricardo Jorge Alves Ferreira, Pároco de São Miguel e de Santo Estêvão, na Cidade de Lisboa, acumulando com os anteriores ofícios.

* P. Salvatore Forte, Pároco de São Gregório Magno do Bárrio, acumulando com os anteriores ofícios.

* P. Sérgio Bruno da Costa Mendes, Pároco de Nossa Senhora da Purificação de Oeiras, sendo dispensado dos anteriores ofícios.

* P. Vasco Pinto de Magalhães (SJ) (moderador), P. João Norton de Matos (SJ) e P. Francisco Sassetti da Mota (SJ), Párocos “in solidum” de Nossa Senhora da Encarnação, na Cidade de Lisboa, observado o estabelecido no cân. 682§1.

VIGÁRIOS PAROQUIAIS

* P. Gaetano Catalano, Vigário Paroquial de Nossa Senhora da Ajuda, de São Pedro e de São Sebastião de Peniche.

* P. Javier Madramany Villarubia (OSA), Vigário Paroquial de Santa Iria da Azóia, observado o estabelecido no cân. 682§1.

* P. João Luís Rodrigues Quintas, Vigário Paroquial de Nossa Senhora da Ajuda, na Cidade de Lisboa.

* P. João Vieira Kakweya (PSDP), Vigário Paroquial de São José de Algueirão-Mem Martins – Mercês, observado o estabelecido no cân. 682§1.

* P. José Samir Quisoboni Benevides, Vigário Paroquial de Nossa Senhora da Encarnação da Benedita, de São Tiago de Évora de Alcobaça e de Nossa Senhora da Conceição de Turquel.

* P. Paolo Lagatta, Vigário Paroquial de São Gregório Magno do Bárrio, acumulando com os anteriores ofícios.

* P. Tiago José de Quadros Esteves, Vigário Paroquial de Santa Maria dos Olivais e de Nossa Senhora da Conceição de Olivais Sul.

* P. Zílio Tibério (OFM Conv.), Vigário Paroquial de São Maximiliano Kolbe e de Santa Beatriz da Silva, observado o estabelecido no cân. 682§1.

CAPELÃO

* P. António Manuel Alves Martins, Capelão da Igreja de Nossa Senhora da Bonança, ao Rato.


Lisboa, na Cúria Patriarcal, aos 16 de Julho de 2018, na memória litúrgica de Nossa Senhora do Carmo.

† MANUEL, Cardeal-Patriarca

L+S

Cón. Jorge Manuel Tomaz Dias

Chanceler

Cardeal Patriarca de Lisboa

Liturgia: Acólitos portugueses vão participar em peregrinação internacional a Roma

Do programa constam dois encontros com o Papa Francisco
Lisboa, 11jul 2018 (Ecclesia) – O Serviço Nacional de Acólitos vai participar com 325 portugueses na peregrinação internacional desse setor a Roma, de 30 de julho a 3 de agosto, numa viagem acompanhada pelo presidente da Comissão Episcopal de Liturgia e Espiritualidade.

“Serão dias de festa, de convívio e de oração. Que a nossa presença em Roma seja um estímulo a escutarmos a voz de Jesus que nos chama ao Seu serviço, não só ao altar mas na entrega da nossa vida, com a nossa juventude e alegria”, escrevem os responsáveis pelo Serviço Nacional de Acólitos (SNA), numa mensagem enviada à Agência ECCLESIA.

A delegação de 325 portugueses que vai participar na Peregrinação Internacional de Acólitos a Roma vai “estar com o Papa” e dizer-lhe que querem “ser construtores da paz”.

A organização espera mais de 60 mil participantes na peregrinação internacional de 2018, que tem como lema ‘Procura a paz e segue os Seus Passos’.

“Cada Eucaristia, em que servimos Jesus, é uma fonte de paz. Paz que buscamos para nós, para a nossa família e amigos, para a nossa comunidade paroquial e para toda a Igreja. Paz, que em nós e por nós, se torna uma realidade no mundo em que vivemos”, desenvolve a mensagem aos acólitos de Portugal.

O SNA informa que o presidente da Comissão Episcopal de Liturgia e Espiritualidade, D. José Cordeiro (bispo de Bragança-Miranda), vai acompanhar os acólitos.

Segundo o programa, a 31 de julho, primeiro dia de peregrinação, há uma Missa, às 09h30 locais, na igreja de Santo António dos Portugueses, Roma.

Ainda nesse dia, depois da abertura na Praça de São Pedro e do acolhimento aos peregrinos, às 15h30, está previsto um encontro com o Papa Francisco, às 18h00 (menos uma hora em Lisboa).

Na manhã seguinte, os participantes marcam presença na audiência pública semanal do Papa de quarta-feira; A partir das 18h00, os grupos de peregrinos reunidos em mais de 300 lugares de Roma vão assistir a para peças de teatro, participar em orações, com duração 30 minutos.

O Serviço Nacional de Acólitos divulga que o programa prevê uma passagem por diversas basílicas – Santa Maria Maior, S. João de Latrão, de São Paulo fora de muros – a Escada Santa e as Catacumbas de São Calisto.

Para além de Portugal, a Peregrinação Internacional de Acólitos a Roma 2018 conta com mais 17 países registados oficialmente: Antígua e Barbuda, Áustria, Bélgica, Croácia, República Checa, França, Alemanha, Hungria, Luxemburgo, Roménia, Rússia, Sérvia, Eslováquia, Suíça, Ucrânia, Reino Unido, EUA.

A reunião geral tem a coordenação do “Coetus Internationalis Ministrantium”, uma associação europeia de acólitos, com mais de 50 anos de existência, que serve de elo de ligação entre os vários serviços diocesanos e nacionais do setor.

CB/OC

MEDITAÇÃO DIÁRIA Seg, 16 – Nossa Senhora do Carmo (Memória)

Quantas mães e pais não têm as suas filhas naqueles mosteiros em que falam com elas atrás de umas grades e nunca mais as podem abraçar? Já para não falar nas mães que estão convencidas que Deus lhes levou os filhos. São tudo situações em que Deus veio primeiro. Hoje peçamos por essas mães. Sobretudo por aquelas que perderam filhos e não se conformam e estão zangadas com Deus por causa disso.

domingo, 15 de julho de 2018

MEDITAÇÃO DIÁRIA Dom, 15 – DOMINGO XV DO TEMPO COMUM / ANO B

No Evangelho deste domingo vemos Jesus que envia os apóstolos dois a dois. Cada um deles tinha sido chamado pessoalmente para seguir o Senhor. Progressivamente, foram formando uma comunidade, um grupo de pessoas reunidas em torno de Jesus. Era por estarem junto a Ele que formavam uma comunidade. Não eram simplesmente um grupo de amigos, ou um grupo de pessoas que gostam da mesma coisa ou têm simplesmente o mesmo ideal ou a mesma religião, mas havia um Alguém em torno do qual se agregaram. Depois de terem sido chamados e depois de terem formado uma comunidade, são agora enviados dois a dois a anunciar o que viram e experimentaram.

Também connosco acontece algo semelhante: somos chamados pessoalmente a fazer parte do Corpo de Cristo, aderindo à sua Igreja. Nesta adesão, somos chamados a um conhecimento sempre mais íntimo do Senhor que nos conduz a uma pertença: quanto mais conhecemos Jesus, mais O reconhecemos nos nossos irmãos e, portanto, mais nos ligamos uns aos outros, reconhecendo irmãos e irmãs e formando assim uma comunidade. Quanto mais O conhecemos e quanto mais aumenta em nós o sentido de pertença, mais percebemos que os outros, aqueles que ainda não conhecem Jesus, precisam de alguém que lhes fale de Deus.

Nem todos somos chamados a ser missionários num país distante, nem todos somos chamados a ser catequistas, leitores ou a cantar no coro da paróquia, mas todos, mesmo todos os batizados somos chamados a anunciar com a vida que Jesus está vivo. Por isso, Jesus dá certas indicações aos enviados: devem partir sem levar nada consigo. Isto é: o sucesso do anúncio missionário não depende tanto dos meios que temos ao nosso dispor, mas sobretudo daquilo que nós somos.

A tentação que todos vamos sentindo é achar que nos faltam os meios, que não sabemos o que dizer ou que não temos capacidade para anunciar a Boa Nova, mas aquilo que Jesus nos diz é que o mais importante no anúncio do Reino não está tanto naquilo que se diz, quanto no modo como se vive. E este modo de evangelizar está ao alcance de todos.

Se é verdade que a Palavra de Deus não precisa de nós para ser eficiente, é também verdade que o nosso contratestemunho pode anular aquilo que as nossas palavras dizem. No entanto, o nosso comportamento pode revelar que na nossa vida há Alguém muito importante, que faz de nós pessoas diferentes. Isto significa que somos todos chamados a ser santos. O Papa Francisco, na exortação apostólica Alegrai-vos e Exultai, desafia-nos à santidade dizendo que esta está ao alcance de todos. Não é só para homens e mulheres especiais, nem é só para aqueles que vivem em mosteiros ou conventos. Diz o Papa: «por exemplo, uma senhora vai ao mercado fazer as compras, encontra uma vizinha, começam a falar e... surgem as críticas. Mas esta mulher diz para consigo: “Não! Não falarei mal de ninguém”. Isto é um passo rumo à santidade». Outros exemplos de santidade são, por exemplo, o modo como os pais criam os seus filhos «com tanto amor», ou os doentes que continuam a sorrir apesar do sofrimento, as pessoas que deles cuidam ano após ano, os idosos pacificados, todas as pessoas de bem...

Somos todos enviados, não sozinhos, mas como parte do Corpo de Cristo, a anunciar que Ele está vivo. Anunciemo-Lo em primeiro lugar com a vida, no modo como estamos em casa, com a família, no trabalho, descansando ou passeando, e assim, através da nossa vida, se verá quem é o Nosso Senhor.

sábado, 14 de julho de 2018

MEDITAÇÃO DIÁRIA Sáb, 14 – SEMANA XIV DO TEMPO COMUM

Felizmente, agora não haverá muita (nem pouca) gente a querer matar o nosso corpo. Mas muitas vezes o nosso espírito é morto por uma pressão social fortíssima. Basta sermos a voz mais fraca numa discussão. Normalmente, numa discussão, não se deixa os mais tímidos chegar ao fim dos seus argumentos. Ora pode ser que não consigamos elevar a nossa voz numa discussão, mas devemos saber sempre – isso sim – ter uma opinião para além das modas, que são fortíssimas. Para isso a humildade ajuda muito.

sexta-feira, 13 de julho de 2018

REZE PELOS SACERDOTES - 13 DE JULHO

Eu, Sacerdote

O Cristianismo irradiou do centro das cidades para as periferias. Pois os discípulos de Jesus têm um tesouro a oferecer ao mundo. Cada vez mais as cidades são campo desejoso de sementes cheias da graça de Deus. No cruzamento da vida de tantos que as visitam pela arte e pela cultura, com as dos poucos que nelas habitam permanentemente e são a sua alma, é preciso acolher os desafios do Espírito Santo para o anúncio, a comunhão e o serviço.           
Sou padre no coração de uma cidade. Onde as igrejas são santuários de recolhimento e beleza, oásis de silêncio e oração. Onde é preciso comunicar com ousadia e criatividade. Descubro a alegria nas pessoas e a abertura a Deus que experimentam na liturgia, no acolhimento e na caridade. Experimento a tristeza do anonimato e isolamento de muitos.
A oração que peço é a da coragem para reinventarmos a alegria de anunciar Jesus Cristo na cidade, nas encruzilhadas de todos os que Deus ama.

Oração
Senhor Jesus, Bom Pastor,

Tu quiseste chamar homens de coração generoso a estar contigo e a aprender contigo o que significa entregar a vida em amor e serviço. Deste-lhes a missão de anunciar a todos o amor do Pai, de ser guia e amparo das comunidades às quais são enviados.

Cada sacerdote é chamado a ser, nas suas alegrias e dificuldades, nos seus talentos e fragilidades, exemplo vivo da tua presença no mundo e na Igreja.

Eu Te peço por todos os sacerdotes, em especial os que vivem em maior solidão as dificuldades do seu ministério. Que o teu Espírito Santo seja o seu conforto.

Uno esta minha oração à de todos os cristãos que, nestes dias, rezam pela missão dos sacerdotes, como nos pede o Papa Francisco neste mês, na intenção que confia à sua Rede Mundial de Oração.

Senhor Jesus, Bom Pastor, ouve a minha oração pelos sacerdotes.

Pai-Nosso, Avé Maria e Glória.

MEDITAÇÃO DIÁRIA Sex, 13 – SEMANA XIV DO TEMPO COMUM

Esta frase significa que as forças do mal são muito poderosas e que nós não «lutamos» com as mesmas armas. Jesus enumera-as: prudência das serpentes e simplicidade de pombas. (O que nos faz lembrar a sua mansidão e humildade de coração.) Para o leitor e para mim, põe-se o problema insidioso do poder que as forças do mal têm e de nós podermos não dar por elas. O leitor pare e, com Deus, veja uma força do mal – na sua vida – com a qual tem de lutar. (Hoje?)

Praia das Maçãs, amanhã sábado 14 de Julho

17h30 - Missa em honra de NOSSA SENHORA DO CARMO, padroeira dos surfistas da Praia das Maçãs

quinta-feira, 12 de julho de 2018

REZE PELOS SACERDOTES - 12 DE JULHO

Eu, Sacerdote

Comecei a minha missão pastoral, há cerca de dez anos, no interior minhoto. No início, havia muitas crianças, jovens e catequistas. Entretanto, tudo se alterou. Fecharam todas as escolas e infantários que havia nas três paróquias e os funerais chegaram a quatro por semana.
Passei a ser catequista permanente de dois grupos, mistos. Passei também para uma rotina de assistência à terceira idade. Multiplicavam-se solicitações de pessoas sozinhas, doentes, sem condições habitacionais, de alimentação, higiene e gestão de medicamentos. Valeu de muito ter um Centro Social.
Nas missas, durante a semana, era sacerdote, leitor, sacristão, etc. O tempo de verão era ocupado com muitas festas, procissões, novenas, casamentos e batizados, normalmente de emigrantes. Surgiram também as dificuldades económicas. A falta de férias e, muitas vezes, de um dia de descanso foi-se refletindo na minha saúde. Chorei muitas vezes sozinho.
Peço-vos que rezem pela minha saúde, tantas vezes atingida pelas preocupações pastorais e pela solidão. Rezem para que Deus me dê forças para continuar a caminhada e ser cada vez melhor pastor.

Oração
Senhor Jesus, Bom Pastor,

Tu quiseste chamar homens de coração generoso a estar contigo e a aprender contigo o que significa entregar a vida em amor e serviço. Deste-lhes a missão de anunciar a todos o amor do Pai, de ser guia e amparo das comunidades às quais são enviados.

Cada sacerdote é chamado a ser, nas suas alegrias e dificuldades, nos seus talentos e fragilidades, exemplo vivo da tua presença no mundo e na Igreja.

Eu Te peço por todos os sacerdotes, em especial os que vivem em maior solidão as dificuldades do seu ministério. Que o teu Espírito Santo seja o seu conforto.

Uno esta minha oração à de todos os cristãos que, nestes dias, rezam pela missão dos sacerdotes, como nos pede o Papa Francisco neste mês, na intenção que confia à sua Rede Mundial de Oração.

Senhor Jesus, Bom Pastor, ouve a minha oração pelos sacerdotes.

Pai-Nosso, Avé Maria e Glória.

MEDITAÇÃO DIÁRIA Qui, 12 – SEMANA XIV DO TEMPO COMUM

Os judeus estavam mesmo convencidos que «a paz» voltava para eles caso as pessoas a quem eles desejavam a paz os tratassem mal. Nós também podemos levar a paz. E as pessoas podem não estar prontas para a receber. Podem, por exemplo, estar a sofrer demais. Então a paz «fica em suspenso» até essa pessoa estar em condições de a absorver. Devemos sempre levar a paz. Nem que seja através de um silêncio solidário. Uma presença silenciosa pode fazer muito. O leitor leva a paz?

quarta-feira, 11 de julho de 2018

QUINTA-FEIRA 12 de Julho - Adoração ao SS.mo Sacramento na Azoia às 15h00.

REZE PELOS SACERDOTES - 11 DE JULHO

Eu, Sacerdote

Aqui, onde vivo e sirvo, em terras de África, terras de órfãos e de filhos enjeitados, descobri mais do que nunca a companhia de Deus, Pai e abraço de uma carência. Mestre dos impossíveis e confiança inabalável, único sustento para o bem que quero fazer. De tal modo está próximo, esse Deus, que deu ao filho, que é o padre, o poder de O “encarnar”, de O fazer ser e aparecer para o bem de todos. O filho da casa, aquele que abre a porta quando tocam, aquele que chama o pai pois tem visita. E o pai diz a quem o solicita, é meu filho, ficou em casa. Uma companhia.

 O padre é filho e pertence à “Raríssimas”. Nele, a confiança tem de ser explícita, a entrega assumida e a disponibilidade total. Porque sabe que raramente tem controle sobre o que é. Que raramente tem forças para fazer o que tem para fazer e que raramente pode contar com mais alguém que não mesmo Ele.

Hoje, sinto-me mais do que nunca padre porque filho, sinto-me mais que nunca argila porque em África, sinto-me mais que nunca vosso, porque palavra da Palavra. E só peço que rezem por mim e por nós, padres, para que o Alzheimer, a gaguez da nossa existência  não nos façam esquecer o dom de tão grande ferida Acompanhada.

Oração
Senhor Jesus, Bom Pastor,

Tu quiseste chamar homens de coração generoso a estar contigo e a aprender contigo o que significa entregar a vida em amor e serviço. Deste-lhes a missão de anunciar a todos o amor do Pai, de ser guia e amparo das comunidades às quais são enviados.

Cada sacerdote é chamado a ser, nas suas alegrias e dificuldades, nos seus talentos e fragilidades, exemplo vivo da tua presença no mundo e na Igreja.

Eu Te peço por todos os sacerdotes, em especial os que vivem em maior solidão as dificuldades do seu ministério. Que o teu Espírito Santo seja o seu conforto.

Uno esta minha oração à de todos os cristãos que, nestes dias, rezam pela missão dos sacerdotes, como nos pede o Papa Francisco neste mês, na intenção que confia à sua Rede Mundial de Oração

Senhor Jesus, Bom Pastor, ouve a minha oração pelos sacerdotes.

Pai-Nosso. Avé Maria e Glória

MEDITAÇÃO DIÁRIA Qua, 11 – S. Bento, Padroeiro da Europa (Festa)

Todos nós andamos à procura de recompensas, nenhum de nós quer fazer um sacrifício que não traga uma compensação. Era assim que Pedro via o seguimento de Jesus; como um sacrifício. E o leitor? O seguimento de Jesus não pode ser um sacrifício. Se o é, é porque alguma coisa está mal. Seguir Jesus é uma grande alegria. Por dentro e por fora. Reze sobre isso e agradeça.