domingo, 28 de Setembro de 2014

Defender a vida e a fé

«Defender a vida e a fé»: com este título não pretendo colocar-me numa situação de luta religiosa em tons proselitistas, mas apenas ser mais uma voz de denúncia quanto ao que se passa, desde há alguns meses, em particular no norte do Iraque. Aí a situação dos cristãos e de minorias religiosas continua dramática, com repetidos atos atrozes de violência, morte e destruição de pessoas e igrejas, povoações e populações, incluindo ferozes perseguições e desenfreadas fugas das terras de origem. As breves mas incisivas cartas que o Papa Francisco e os bispos da Europa, para citar apenas dois exemplos maiores, dirigiram às Nações Unidas são apelo urgente para que se dê resposta a tão horrendas situações.
Pe MANUEL BARBOSA, SCJ  ver [+]

“A vida tem segunda via?”

DOMINGO XXVI COMUM Ano A
"Os publicanos e as mulheres de má vida
irão diante de vós para o reino de Deus 
Mt 21, 31

A pergunta é de um conto de Mia Couto e, desde que o reli, por estes dias, já com o Evangelho de domingo a bailar-me no pensamento, as ligações apareceram. É verdade que o tempo é irrepetível, e como rio que corre, não voltaremos a nenhuma situação já vivida. O que confere uma solenidade e um risco às nossas escolhas. É importante saber escolher bem. Por outro lado, se “todo o mundo é composto de mudança / tomando sempre novas qualidades”, como dizia Camões, o certo é que gostamos pouco da mudança e todas as seguranças nos parecem melhores. Assim acabamos por pensar que é difícil, ou impossível, alguém mudar (para melhor, porque, para pior, até parece fácil!), e até nós próprios podermos escrever direito o que rabiscámos em linhas tortas. É isso que me apaixona no evangelho de Jesus: Deus acredita que podemos sempre mudar. E nunca desiste de ninguém!
Gosto de imaginar as caras dos príncipes dos sacerdotes e dos anciãos do povo ao ouvirem Jesus dizer que os publicanos e as prostitutas entrariam diante deles no céu. Porque eles eram como o filho que tinha dito “não” ao pedido do pai, mas agora, arrependidos, acolhiam Jesus e o seu projecto de vida nova. Sim, o arrependimento é uma coisa boa, e é a “segunda via” que os burocratas do sagrado e os fiscais da religião muito apregoam mas pouco vivem. José António Pagola no seu comentário dominical em religióndigital.es oferece esta semana testemunhos de prostitutas acompanhadas por algumas Irmãs Oblatas. Atrevo-me a traduzir um deles: “Agora, quando chego a casa depois do trabalho, lavo-me com água muito quente para arrancar da minha pele a sujidade e depois rezo a este Jesus porque ele, sim, entende-me e sabe muito do meu sofrimento… Jesus, quero mudar de vida, guia-me porque só tu conheces o meu futuro…”
Sim, o pior mesmo não é errar, mas não ganhar a coragem do arrependimento e a vontade de mudar. Não sabemos o que fez mudar o filho que se decidiu a cumprir o pedido do pai, mas sabemos que o primeiro se tornou o representante dos que “dizem mas não fazem”. Os valores humanos da verdade, da justiça, da responsabilidade, de tudo o que nos dignifica como pessoas são promotores das muitas possibilidades de mudança pessoal e comunitária. Mas é o encontro pessoal com quem os vive autenticamente, com quem nos aponta ideais mais altos, como Jesus sempre fez a todos, especialmente aos mais desprezados, que faz a verdadeira diferença.
Concordo com Mia Couto: “a vida, sim, tem segunda via. Se o amor, arrependido de não ter amado, assim o quiser.”
P. Vítor Gonçalves

sábado, 27 de Setembro de 2014

Partilha

Da chatinha..... Praia das Maçãs (26) às 07h50 
Está um mar sereno, como uma estrada, fazendo-me lembrar, Senhor, os Teus caminhos.... Tal como a "estrada do mar" não é igual à dos homens, também os Teus caminhos não são como os nossos.
Para percorrer a Tua estrada temos tantas setas e letreiros que muitas vezes não compreendemos, pois são tão diferentes daqueles que sinalizam a nossa.
Aquele, logo ao princípio, que diz "Escuta da minha Palavra" e logo o outro a seguir "Converter"  E aquela seta em tamanho gigante: "A TENDA DO MEU FILHO MUITO AMADO. ESCUTAI-O". E o outro que nos convida a entrar na aventura do Amor, e logo ao lado, "Aqui aprende-se a Rezar" e uns metros mais à frente: "Bondade, Misericórdia e Perdão" e mais, logo à frente diz "Humildade". Bem, mas aquele luminoso, "Só a Mim adorarás e amarás o teu irmão"... Estrada difícil!... Proposta ousada a Tua... Olha lá Senhor Deus... Nós, somos homens... cheios de setas com conflitos, medos, incertezas, fragilidades..... será....?
Bem continuando, vejo, ao longe, uma bandeira que tem escrito: Meta", mas há ainda alguns km antes da meta.... e agora tantas setas... A próxima diz: "Não importa a queda.... levanta -te... vem a Mim... Eu AMO-Te... Sou um Pai bondoso!" E a outra ali " JESUS SALVADOR, O CAMINHO!" Lá dentro un slide passa: "Vede O QUE EU VOS DEIXO: -FIDELIDADE AO PAI, AMOR E LUZ. A MINHA PAZ". E ali, a poucos metros, naquela tenda enorme, está escrito "Aqui morava o Espírito Santo.... que agora habita em ti. A meta está cada vez mais próxima. Só uma tenda nos resta é a que tem escrito "Entrada". CHEGASTE PELO CAMINHO DE JESUS! O ESPÍRITO SANTO HABITA EM TI! ENTRA.... FOSTE CONVIDADO PARA O BANQUETE DO PAI. ELE ESPERA-TE".
E depois... Acordo deste sonho matinal! Banquete? Tu nos convocas para este Banquete... Eu respondo... com fragilidades! Tu sabes, Tu sabes tudo!
Junto ao mar, com humildade Te peço, a Ti, meu  DEUS que adoro,  PAI - FILHO - NA UNIDADE DO ESPÍRITO SANTO, que me ajudes a encontrar o caminho certo, pois sozinha sei que não o vejo. Como o cego de nascença, dá-me a LUZ para Te acolher no meu coração.
Com um abraço de bom fim de semana na PAZ DE CRISTO.
Da chata para os amigos, ana saldanha (elemento da Equipa Casais Sta Maria/Colares)

quarta-feira, 24 de Setembro de 2014

Amoçageme - Catequese

Abertura da Catequese em Almoçageme, com acolhimento das crianças e pais às 09h30

Caros Catequistas,

Já disponível em www.catequese.net
1.Formação para Catequistas da 1º e 2º fase
O Sector da Catequese do Patriarcado de Lisboa vai promover, em três Lugares distintos da Diocese, uma ação de formação para os Catequistas da 1º e 2º fase (do 1º ao 6º volume da catequese).
Ler mais...

2.JNC2014: "A Alegria de anunciar Jesus Cristo”

Fátima recebe de 3 a 5 de outubro as Jornadas Nacionais de Catequistas 2014 (JNC 2014)  subordinadas ao tema "A Alegria de anunciar Jesus Cristo". As JNC2014 destinam-se a todos os catequistas interessados e as inscrições decorrem até ao próximo dia 19 de setembro.
Ler mais...

terça-feira, 23 de Setembro de 2014

Europa: Católicos têm de trabalhar por um clima de «solidariedade e de paz»

Crise e conflitos sociais marcaram encontro de representantes dos episcopados europeus
Madrid, 22 set 2014 (Ecclesia) – Cerca de 200 representantes das conferências episcopais europeias concluíram este domingo em Madrid a segunda edição dos “Dias Sociais Católicos para a Europa”, este ano dedicada ao papel da fé cristã no futuro do Velho Continente.
Em comunicado enviado à Agência ECCLESIA, a Comissão dos Episcopados Católicos da União Europeia, um dos organismos promotores do evento, sustenta que diante da crise económica e dos conflitos sociais que marcam hoje o continente europeu, ficou clara a responsabilidade dos católicos em trabalharem por um clima de “solidariedade e de paz”.
Uma ideia reforçada pelo presidente da COMECE na mensagem que transmitiu aos delegados que durante quatro dias estiveram reunidos na capital espanhola, vindos de 31 países.
O cardeal Reinhard Marx mostrou-se convicto de que os próximos anos vão ser “decisivos” para o rumo da União Europeia e da Europa, face a desafios como a instabilidade financeira, a falta de coesão social e a insegurança na região.
Na ordem do dia está a situação da Ucrânia, que tem repercussões na relação entre a UE e a Rússia, mas os “conflitos sangrentos no Médio Oriente – em Gaza, na Síria e no Iraque levantam também novas questões quanto à responsabilidade europeia no mundo, face a tais atrocidades, cruéis e desumanas”, apontou o prelado.
No campo económico, o presidente da COMECE salientou que a Europa tem de aprender com a crise e avançar com um projeto de desenvolvimento que responsabilize todos os estados-membros e abranja todas as áreas, tendo em especial atenção “as famílias”, que têm “um papel fundamental na sociedade”.  
O responsável católico frisou ainda a importância de definir com “clareza” as “regras” que regem os mercados e moldar o sistema de modo a que tenha em atenção as pessoas e não “exclusivamente os interesses do capital”.
Quanto ao contributo que os católicos são chamados a dar para esta “Europa social”, cardeal Reinhard Marx destacou a pertinência dos “princípios que emanam da Doutrina Social da Igreja”.
“Através do conjunto de valores em que está baseada, a Doutrina Social da Igreja pode contribuir para uma coexistência humana assente na paz, na liberdade e na solidariedade”, apontou o prelado.
O líder da COMECE recordou também a experiência que a Igreja Católica tem na área do apoio social, ganha no trabalho que todos os dias efetua no terreno, através de inúmeras instituições.
Durante as várias sessões que compuseram o encontro, os representantes dos episcopados europeus abordaram temáticas como “o futuro dos jovens na Europa, o fenómeno das migrações, a solidariedade entre gerações, a educação para a liberdade e o futuro da vida humana numa sociedade tecnológica”.
Os delegados foram ainda convidados a “rezar pela paz na Europa, no Médio Oriente e por todo o mundo” e a terem nas suas intenções a visita que o Papa Francisco vai realizar ao Parlamento Europeu, no próximo dia 25 de novembro.
JCP

segunda-feira, 22 de Setembro de 2014

A CHATA CÁ ESTÁ DE.... NOVO

PARA FALAR DAS VINHAS DO VINHATEIRO E DOS TRABALHADORES !
Olá amigos! Uma saudação cheia de fraternidade em Cristo, nossa Páscoa.
É verdade, hoje o Nosso Deus, através de Jesus Cristo, vem-nos falar da Parábola da vinha, do Vinhateiro e do trabalhador (MATEUS Capitulo 20 - versículos 1 a 16 ou seja, escrito abreviadamente  Mt 20,1-16). Diz-nos que O Vinhateiro contratou trabalhadores para a Sua Vinha em diversas horas do dia e a todos pagou por igual, sendo que, os últimos foram os primeiros a receber, o que provocou uma certa irritação e injustiça nos trabalhadores que desde a primeira hora aderiram ao trabalho.
E é aqui precisamente, no modo provocatório e desarmante de agir do proprietário, que Jesus nos quer transmitir a medida, sem medida do Pai, completamente inversa da nossa (de ontem, com os fariseus e tantas vezes de hoje, em nós).
Esta parábola faz-me regressar alguns anos atrás e revejo, na memória da minha infância, os cuidados que os meus avós tinham para com o tratamento da vinha: os cortes... o preparar o enxofre .... o olhar atento alegre e ás vezes triste, ao ver o seu desenvolvimento..... como que, com um olhar a guardassem, tal pedra preciosa!
É assim, para nós  melhor entendermos, que Jesus vai buscar um tema tão conhecido como a vinha, para nos explicar, que a vinha é a comunidade cristã onde o trabalho nunca falta e espera pelos trabalhadores, que somos todos nós, seus discípulos, que em momentos diferentes das nossas vidas respondemos ao chamamento de Deus, aqui representado pelo papel de proprietário da vinha
E... aqui está o projecto pensado por Deus para o mundo, para mim... para ti... para nós! Nós, comunidade, somos como que uma vinha, amada e tão guardada pelo nosso Deus, que. neste caso, se apresenta Camponês, e que quer precisar de nós, para em conjunto, a fazermos dar muito fruto.
Nós somos ao mesmo tempo a vinha, o mundo novo que está para nascer, vida nova  que nos transcende e que não abarcamos na totalidade, e também somos os trabalhadores que colaboram no projecto do vinhateiro (Deus), como sendo o Reino que não é deste mundo, mas... começa aqui e agora, em mim e em ti!
Quanta confiança tem em nós este nosso Deus que  confia  em nossas mãos o seu sonho  para que o construamos em colaboração, e quão generoso é, pois vem à nossa procura, sem se cansar, desde o amanhecer até ao pôr do sol, e paga-nos sempre da mesma maneira, independentemente das horas que fazemos! Paga aos últimos o mesmo que aos primeiros.... Até que parece injusto, nós que reivindicamos salário igual para trabalho igual! Um Deus injusto?!? É desconcertante!... tal como Jesus na CRUZ! Tal como em toda a Sua entrega de Amor para nos redimir e dizer que .... AMAR É POSSÍVEL!
O Deus que adoramos é um Deus (Trino) de Misericórdia e não um patrão pronto a debitar/creditar no  livro da nossa vida as nossas boas acções, méritos ou tantas outras coisas que consideramos de valor, mas que às vezes, não passam do preenchimento do nosso ego amortecendo a nossa consciência com a ideia que somos bons e assim teremos um lugarzinho no céu.  As Suas contas não são quantitativas, são contas de BONDADE.!
É um Deus de Bondade que transcende as regras de mercado, a que nos habituámos a medir ou calcular.
Dizer algum de Deus ou tentar defini-Lo é de todo impensável e impossível, dada a nossa limitação, mas sabemos, no entanto, que estando para além da nossa pequenez, é um Deus que ultrapassa a justiça porque AMA ! É um Deus que caminha connosco.... um Deus que não se merece, mas que se acolhe..... É o Deus da gratuitidade que Se oferece a cada um de nós. Dá-Se simplesmente, sem moeda de troca..... aguardando pacientemente a nossa resposta ao Seu convite...
Eu Te acolho Senhor, em mim, com Alegria e gratidão.
Quero  fazer parte da Tua vinha e ser uma das  Tuas  trabalhadoras; trabalhando, fazer crescer o Teu reino com o anuncio comprometido da Tua Palavra.

Nota: a nossa reacção ao pagamento seria de indignação e injustiça?
Ou ficaríamos felizes porque, trabalhando há mais tempo em comunidade para maior glória do Senhor, gozamos mais cedo da Sua presença em nós? 

Um abraço na Paz de Cristo, ana saldanha (elemento da Equipa Casais Stª Maria/Colares)

quarta-feira, 17 de Setembro de 2014

Rezar pelo Sínodo da Família


A igreja italiana de Nossa Senhora do Loreto, em Lisboa, iniciou uma campanha de oração pelo próximo Sínodo dos Bispos sobre a Família e o Matrimónio, que vai decorrer em Roma, de 5 a 19 de outubro.
Num folheto com uma Oração à Sagrada Família é explicado que a igreja do Loreto em Lisboa se associa “em oração”, com esta iniciativa, ao Santuário da Santa Casa do Loreto em Itália, “para o bom êxito do Sínodo dos Bispos”. “A Penitenciaria Apostólica concedeu a Indulgência Plenária a todos os que, nestes meses, se reunirem nestes lugares de culto e recitarem a oração à Sagrada Família composta pelo Santo Padre” e ainda que se confesse, comungue e reze pelas intenções do Papa.

17 de Setembro de 2014

Faz hoje, oito anos que o Pe José António Rebelo da Silva está na nossa Paróquia.
Neste dia queremos felicita-lo por mais um ano de trabalho em prol da nossa comunidade.
Queremos dizer-lhe muitas coisas, mas primeiro, dizer obrigado por ser nosso amigo! 
Obrigado por ser uma pessoa adorável, sensível e sincera. Uma pessoa que temos o privilégio de conhecer e com certeza as nossas vidas não seriam as mesmas, se Deus não o tivesse posto no nosso caminho.
Deus foi muito bom por nos ter dado a oportunidade de fazer parte da sua vida, por isso desejamos de todo o coração, que seja muito feliz.
Desejamos que todos os seus sonhos se tornem realidade, que tenha saúde, paz, amor e que continue sendo sempre assim, uma pessoa maravilhosa.
Temos certeza de que todos que fazem parte da sua vida se orgulham de si, porque como você, existem poucos.
Que Deus ilumine todos os dias da sua vida.

Com amizade, reconhecimento e gratidão.
Os paroquianos de Colares

AIS: Campanha «1 milhão de terços para o Iraque» convida a rezar pela paz

Fátima, Santarém, 16 set 2014 (Ecclesia) – A Fundação Ajuda a Igreja que Sofre (AIS) lançou em Fátima uma campanha intitulada “1 milhão de terços para o Iraque”, que tem como objetivo desafiar os portugueses a rezar pela paz naquele país.
Através de um comunicado publicado na internet, a organização católica chama a atenção “para o drama que se vive” naquele território do Médio Oriente, “onde mais um cidadão europeu foi decapitado nos últimos dias, por jihadistas do Estado Islâmico”.
A campanha “1 milhão de terços” foi apresentada durante a peregrinação nacional da AIS ao Santuário de Fátima, que este ano contou com cerca de 150 participantes, entre benfeitores e amigos da Fundação.
Durante a iniciativa, que teve lugar no último domingo, o presidente da Assembleia de Curadores da AIS reforçou os apelos que têm sido feitos pelo presidente da Conferência Episcopal do Iraque, D. Louis Sako.
Uma figura “que tem incessantemente apelado à ajuda dos portugueses e do mundo ocidental por causa da violência que se tem abatido no seu país contra os cristãos”, apontou o padre David Sampaio.
A deslocação dos membros da AIS a Fátima esteve também integrada na peregrinação aniversária de setembro ao santuário mariano, nos dias 12 e 13 deste mês.
De acordo com a AIS, o reitor daquele local de culto, padre Carlos Cabecinhas, presidiu a uma eucaristia onde foi “rezada uma oração pela paz no mundo, especialmente na Síria e Iraque”.
Os peregrinos pediram a Deus para que “dê força aos cristãos que aí vivem e os ajude a superar a dolorosa perseguição a que estão sujeitos”, adianta a nota da AIS.
JCP

Fátima: Santuário acolhe momento de oração protagonizado por crianças e jovens

Iniciativa vai decorrer em ligação a mais de 140 países
Fátima, Santarém, 16 set 2014 (Ecclesia) - O Santuário de Fátima vai associar-se a 3 de outubro a um momento internacional de oração pelo Papa, protagonizado por crianças e jovens, ‘Children of the Eucharist’, promovido pelo Apostolado Mundial de Fátima.
A iniciativa vai ser transmitida em mais de 140 países, através da estação de televisão católica norte-americana EWTN.
“A oração pelo Papa, pelas famílias e pelo mundo congrega as principais intenções desta ação”, refere um comunicado da sala de imprensa do Santuário de Fátima enviado hoje à Agência ECCLESIA.
O momento de oração, na Capelinha das Aparições, poderá ser acompanhado em direto através da transmissão online proporcionada pelo Santuário de Fátima.
A concentração, na Capelinha das Aparições, está marcada para as 15h45; o momento de oração começa às 16h00 (hora de Lisboa) com a exposição do Santíssimo, seguida de Adoração e da recitação do Rosário.
“Assim, unidos, convidamos as crianças de todo o mundo a participarem na 12.ª Adoração Eucarística Mundial, que o Apostolado Mundial de Fátima celebra todos os anos, para rezarmos por Sua Santidade o Papa Francisco e pela paz nas nossas famílias e no mundo”, é o convite deixado pelo reitor do Santuário de Fátima, padre Carlos Cabecinhas, para participação nesta iniciativa.
À mesma hora em que este momento de oração decorre na Capelinha das Aparições, em Portugal, um grupo de crianças estará também em oração na Basílica do Santuário Nacional da Imaculada Conceição, em Washington, nos Estados Unidos da América.
“Convidamos todas as paróquias e escolas católicas, nas aldeias mais pequenas e nas grandes cidades, para começarem a planear a reunião das crianças e dos jovens de todo o mundo diante do Santíssimo Sacramento nas suas igrejas paroquiais e nas suas capelas”, exorta o padre Carlos Cabecinhas.
O Apostolado Mundial de Fátima tem como objetivos principais “a promoção da doutrina da Igreja Católica, a adesão aos princípios básicos do Evangelho, a santificação pessoal dos membros através do fiel cumprimento da mensagem de Nossa Senhora de Fátima e a promoção do bem comum através da divulgação da própria Mensagem”.
SISF/OC

terça-feira, 16 de Setembro de 2014

Próximo fim-de-semana - Missas voltam ao horário de inverno

- SÁBADO: Missa Vespertina – na Azoia às 16h00 e no Mucifal às 19h00.
- DOMINGO: Missas – em Almoçageme às 10h00 (aniversário A H Bombeiros Voluntários Almoçageme), em Colares às 12h00 e 19h00 e nas Azenhas do Mar às 17h00.
Abertura da Catequese com acolhimento das crianças e pais no Centro Social Paroquial às 10h00

segunda-feira, 15 de Setembro de 2014

A TUA CRUZ

Pe. Vitor Gonçalves
Voz da Verdade, 2014.09.14
EXALTAÇÃO DA SANTA CRUZ Ano A
"Deus amou tanto o mundo
que entregou o seu Filho Unigénito"
Jo 3, 16

"A tua cruz senhor é pouco funcional / Não fica bem em nenhum jardim da cidade / dizem os vereadores e é verdade": começa assim Ruy Belo um dos seus magníficos poemas. E para lá da funcionalidade, a cruz de Jesus, entrelaçada com as nossas cruzes, é sempre motivo de interrogação e inquietação. "Porquê? Para quê?", são perguntas que permanecem depois de termos tentado dar respostas (quantas vezes vazias ou ditas de "cor", sem coração nenhum, da lista das respostas religiosamente correctas!) e evocam uma busca de sentido, senão a interrogação pelo próprio Deus. Este e outros poemas estão presentes numa antologia organizada pelo P. José Tolentino Mendonça e por Pedro Mexia, a que deram o nome: "Verbo, Deus como interrogação na poesia portuguesa". Tem sido um dos meus livros de oração nestes tempos!
A festa da "exaltação da Santa Cruz", cuja liturgia interrompe a cadência dos domingos, parece contraditória com uma mentalidade que busca desenfreadamente o bem-estar, mas convive ainda com resquíscios de modos de viver que exaltam a dor e o sofrimento. Quando olhamos para a cruz de Jesus vemos como mais importantes a dor, o sofrimento e a morte, ou o amor, a entrega, a identificação de Deus com a nossa vida até ao fim? É o sofrimento que salva ou o amor total de Cristo que na cruz se faz pleno? Ficamos "com muita pena de Nosso Senhor que sofreu tanto por nós" ou a cruz aponta-nos a "viver como Jesus e com Ele este amor até ao fim"? De braços abertos, para acolher e abraçar, viveu Jesus todos os dias: por isso a vida cristã não é uma busca de "quanto mais sofrimento melhor" mas abraçar a entrega quotidiana de resposta ao amor de Deus, de solidariedade com todos, de trabalho pela paz e pela justiça, mesmo que isso implique sofrimentos que uma vida acomodada não traria.
Amar a cruz seria doentio. Acreditar que Deus gosta do sofrimento talvez uma heresia. Amar as pessoas comporta também cruz e sofrimentos? Sim, e infelizmente muitos deles somos nós que os inventamos! Custa dar a vida mas só essa dádiva nos faz plenamente felizes. A cruz lembra-nos que o triunfo nem sempre é imediato (três dias no sepulcro, não foi?), que não somos "super-heróis" (e mesmo esses têm sempre um calcanhar de Aquiles!), mas somos chamados a "mais". Mas tantas vezes nos acomodamos a uma "vida menor"! Ruy Belo continuava assim o poema: "E além disso os nossos olhos cívicos / ficam-se nos corpos de que nos cercaste / Saudamo-nos por fora como bons cidadãos / Submetemos os ombros ao teu peso / mas há tantos outros pesos pelo dia / E quando tu por acaso passas / retocado pelas nossas tristes mãos / através dos pobres hábitos diários / só desfraldamos colchas e pegamos / em pétalas para te saudar / Queríamos ver-te romper na tarde / e morrem-nos as pálpebras de sono".

Mucifal - Dia da Padroeira

- Nossa Senhora das Dores -
Segunda-feira 15 de Setembro
18h00 - Recitação do Terço 
18h30 - Oração de Vésperas
19h00 - Missa Solene