sábado, 26 de setembro de 2020

MEDITAÇÃO DIÁRIA Sáb, 26 – Semana XXV do Tempo Comum

 Co 11, 9 – 12, 8 / Slm 89 (90), 3-4-5-6.12-14.17 / Lc 9, 43b-45

Mas tinham medo de O interrogar sobre tal assunto. (Evangelho)

O assunto era o facto de Jesus ir ser entregue nas mãos dos homens. Noutras passagens, Jesus disse o mesmo aos discípulos, acrescentando que depois ressuscitaria, mas esta ideia não os penetrou com fé. Foi, quando muito, uma ideia que ficou não muito assente, como se veria no episódio dos discípulos de Emaús. Só depois da vinda do Espírito Santo é que os ensinamentos de Jesus calaram fundo na mente dos apóstolos. Também nós só pela ação do Espírito Santo podemos comunicar com Jesus (cf. Rm 8, 26). Hoje comecemos um hábito de, antes de começar a rezar, invocarmos o Espírito Santo.

sexta-feira, 25 de setembro de 2020

MEDITAÇÃO DIÁRIA Sex, 25 – Semana XXV do Tempo Comum

 Co 3, 1-11 / Slm 143 (144), 1a.2abc.3-4 / Lc 9, 18-22

Quem dizem as multidões que Eu sou?

Se perguntassem ao leitor quem era Jesus Cristo, o que é que o leitor dizia? Dava uma resposta teórica, do tipo «Jesus Cristo é o fundador da minha religião», «a segunda pessoa...», etc. Ou diria: «Jesus Cristo é tudo para mim»? Ou diria: «Jesus Cristo é o que eu tenho cá dentro»? Ou diria: «Jesus Cristo é quem vive em vez de mim»? Ou muito simplesmente: «Eu rezo a Jesus Cristo»? E depois pergunte-se, como nos aconselha Santo Inácio, «o que é que tenho feito por Jesus Cristo?»

quinta-feira, 24 de setembro de 2020


 

MEDITAÇÃO DIÁRIA Qui, 24 – Semana XXV do Tempo Comum

 Co 1, 2-11 / Slm 89 (90), 3-6.12-14.17 / Lc 9, 7-9

Herodes ouviu dizer tudo o que Jesus fazia e andava perplexo. (Evangelho)

Isso também pode acontecer ao leitor. Ou, outras vezes, pode perguntar-se se tal facto veio ou não de Deus. É bom meditarmos estas coisas. Às vezes passam por nós manifestações de Deus e não nos damos conta delas. Outras vezes não apanhamos o seu sentido pleno logo à primeira. Por isso é que devemos voltar às experiências antigas e pô-las nas mãos de Deus para as analisar com Ele. Hoje o leitor faça isso.

quinta-feira, 10 de setembro de 2020


 

MEDITAÇÃO DIÁRIA Qui, 10 – Semana XXIII do Tempo Comum

 1 Cor 8, 1-7.11-13 / Slm 138 (139), 1-2.3b.13-14.23-24 / Lc 6, 27-38

Orai por aqueles que vos injuriam. (Evangelho)

Podemos começar por rezar por aquelas pessoas com quem não simpatizamos. Depois, por aquelas a quem temos alergia. São os nossos inimigos de todos os dias. Depois, claro, há aquelas pessoas que nos magoaram ou, nalguns casos, há uma pessoa que nos magoa permanentemente e de quem não nos podemos afastar. Temos de nos defender e rezar por elas, se conseguirmos. Às vezes, não é mesmo possível. A nossa mágoa não deixa. Deus só nos pede o possível.

quarta-feira, 9 de setembro de 2020

QUA, 9 – SEMANA XXIII DO TEMPO COMUM

1 Cor 7, 25-31 / Slm 44 (45), 11-12.14-15.16-17 / Lc 6, 20-26

Os que choram [procedam] como se não chorassem. (1ª Leitura)

Se a nossa relação com Deus for profunda manter-se-á – apesar de poder ter altos e baixos – no meio do sofrimento. Teremos sempre um canto inviolável onde o sofrimento não chega ou, se o leitor quiser, Deus estará connosco no meio do sofrimento. Claro que em determinadas ocasiões o sofrimento pode gerar um vazio total, mas fica-nos a fé. Acreditar em Deus não é a mesma coisa que sentir Deus. Às vezes, a única coisa que temos é a certeza que nos ama e um passado de relação.

terça-feira, 8 de setembro de 2020

MEDITAÇÃO DIÁRIA Ter, 8 – Natividade da Virgem Santa Maria (Festa)

 Miq 5, 1-4a / Slm 12 (13), 6ab.6cd / Mt 1, 1-16.18-23

Viver-se-á em segurança... (1ª Leitura)

A COVID-19 fez brotar muitos mecanismos de solidariedade e também de grandes egoísmos, como os que vemos nos órgãos de comunicação social. Percebeu-se quais as camadas etárias da nossa sociedade mais vulneráveis e mais desprotegidas e, em alguns sítios, também oficialmente mais desprotegidas, como também vimos nos órgãos de comunicação. Na outra ponta do espectro, vimos gestos heróicos, tanto coletivos como individuais. Rezemos para que Cristo Se faça presente no mundo.

sábado, 5 de setembro de 2020

MEDITAÇÃO DIÁRIA Sáb, 5 – Semana XXII do Tempo Comum / 1º Sábado

 1 Cor 4, 6-15 / Slm 144 (145), 17-18.19-20.21 / Lc 6, 1-5

Eu sou (…) a vida. (Do Aleluia)

O que quererá Jesus dizer com «Eu sou a vida»? Que Ele é a nossa razão de ser. É o que as pessoas a quem depois chamamos santas descobrem e vivem. Os santos não são uns infelizes que renunciaram aos prazeres do mundo, são felicíssimos porque estão cheios de Vida! Estão cheios de Deus. Por isso São Paulo dizia que para ele as honras eram lixo. (Algumas traduções falam mesmo em esterco – cf. Fil 3, 7). Hoje o leitor peça a Deus para sentir que só Ele o preenche.

sexta-feira, 4 de setembro de 2020

MEDITAÇÃO DIÁRIA Sex, 4 – Semana XXII do Tempo Comum / 1ª Sexta-Feira

 1 Cor 4, 1-5 / Slm 36 (37), 3-4.5-6.27-28.39-40ac / Lc 5, 33-39

Pratica o bem e permanecerás para sempre. (Salmo)

Que é como quem diz: «pratica o bem e terás a vida eterna». Pois que o bem vem de Deus e para Deus nos leva. Peçamos-Lhe capacidade para fazer bem e para fazer o Bem. O leitor já pensou no bem que faz uma dona de casa? Conheço um senhor que está sempre a oferecer a casa para festas, mas não ajuda a mulher na preparação. Grave. Gravíssimo. Tão grave que não sei se o casamento vai durar. (Claro que não é só por isso.) O leitor ajuda (bastante) em casa? (Ainda por cima, este senhor diria que sim.)


quarta-feira, 2 de setembro de 2020

MEDITAÇÃO DIÁRIA Qua, 2 – Semana XXII do Tempo Comum

1 Cor 3, 1-9 / Slm 32 (33), 12-13.14-15.20-21 / Lc 4, 38-44

Cada qual receberá a recompensa segundo o esforço do seu trabalho.

(1ª Leitura)

São Paulo não diz segundo o resultado, como se fosse um exame ou uma empresa. É segundo o esforço. E esse esforço vem da sua profunda união com Cristo. Lembremo-nos que ele dizia: «não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim». O nosso esforço deve ser Cristo a agir por nós. Quer dizer, Cristo não faz o nosso trabalho, mas se nós Lhe rezarmos muito, meditarmos, se nos ocuparmos a extirpar os nossos defeitos e a amar sempre mais, Jesus vai-Se instalando dentro de nós e o Espírito Santo vai-nos ajudando nos nossos trabalhos.

terça-feira, 1 de setembro de 2020

Carta aos diocesanos de Lisboa no começo do novo ano pastoral


01 de Setembro de 2020

Ano Pastoral 2020/2021

Caríssimos diocesanos

 1. Antes de mais, desejo que estejais bem, com as vossas famílias e comunidades. Bem fisicamente e também espiritualmente, em especial os que tenham sofrido em si e nos seus com a presente pandemia ou qualquer enfermidade. Uma lembrança forte e permanente vai para todas as instituições de solidariedade, eclesiais ou outras, onde a pandemia entrou, causando tanta perturbação e desgaste nos residentes e cuidadores.   

Como salientei na apresentação do programa-calendário para 2020-2021, a crise sanitária impediu-nos de realizar muitas das atividades previstas. Por isso continuaremos agora na mesma linha de receção da Constituição Sinodal de Lisboa e com os mesmos temas, tão atuais como urgentes: “Sair com Cristo ao encontro de todas as periferias” – onde Ele sempre nos espera (cf. CSL 53) e “Fazer da Igreja uma rede de relações fraternas” - reforçando as instâncias de corresponsabilidade comunitária e missionária (cf. CSL 60).

A pandemia afetou-nos muito, como sociedade e como Igreja. Nas suas várias incidências, da saúde à economia, do trabalho à escolaridade e ao convívio, exigiu-nos e continua a exigir solidariedade e solicitude reforçadas. Tudo se restringiu nos espaços e limitou nos encontros presenciais, condicionalismo que só paulatinamente se ultrapassará. Tivemos celebrações comunitárias interrompidas e agora retomamo-las sob estritas regras sanitárias. Dou graças a Deus por tanta generosidade manifestada nas comunidades, bem como nos vários serviços públicos e particulares, estando certo de que nos reencontraremos mais próximos, justos e solidários, como necessariamente tem de ser.

2. No que a atividades diocesanas se refere e além de tudo o que é próprio dos vários departamentos, setores e serviços (cf. Programa- Calendário) saliento as mais específicas do Departamento da Pastoral Sociocaritativa, com relevância para o respetivo Congresso, a 14-15 de maio de 2021. Aí confluirão a experiência entretanto feita com as Semanas Vicariais da Caridade, que poderão repetir-se, e também muitas outras ações realizadas - e aumentadas em resposta às necessidades que a pandemia trouxe.

Quer no campo sociocaritativo, quer em todos os outros da nossa vida pastoral, importa crescer em corresponsabilidade. Não se trata de algo acessório e meramente funcional. Trata-se de viver e trabalhar comunitariamente, como aprendizagem da própria vida unitrinária de Deus, finalidade maior da Igreja que somos. Solidários com todos e corresponsáveis entre nós, da vida comunitária à diocesana, do mais local ou particular ao mais universal e geral.

Daqui a importância de incentivar e desenvolver todos os órgãos de corresponsabilidade comunitária, com os vários conselhos canonicamente previstos. Tudo o que fizermos nesse sentido é louvável e inadiável. A qualidade cristã do que realizarmos, além do benefício imediato que origine, mede-se pelo modo comunitário como o fizermos. Cristo não trabalhou sozinho, mas sempre com o Pai, no Espírito que os une (cf. Jo 5, 17). E associou outros, que com Ele aprenderam a trabalhar unidos e fez companheiros de missão. Assim então e assim agora, necessariamente.

Aliás, a grande receção do Concílio Vaticano II, em que convictamente prosseguimos, reforça-nos a experiência e a consciência de sermos Povo de Deus, Corpo de Cristo e Templo do Espírito Santo, sempre integrados num todo básico e comum. Por isso desenvolvemos catequeses que se querem verdadeiras inserções na vida eclesial e não meras aulas entre tantas outras; celebramos como comunidade participativa e não como assistentes à atuação demasiado destacada de algum ministro do culto; e incrementamos todas as instâncias de colaboração comunitária, pastorais ou administrativas que sejam, com intenção missionária sempre.

3. Nesse sentido, a recente Instrução da Congregação para o Clero A conversão pastoral da comunidade paroquial ao serviço da missão evangelizadora da Igreja, dá-nos esta motivadora definição: «A paróquia é uma comunidade convocada pelo Espírito Santo para anunciar a Palavra de Deus e fazer renascer novos filhos na fonte batismal; reunida pelo seu pastor, celebra o memorial da paixão, morte e ressurreição do Senhor e testemunha a fé na caridade, vivendo em permanente estado de missão, para que a ninguém falte a mensagem salvífica, que doa a vida» (nº 29).

Será boa catequese para todos, retomar esta definição comunitária no começo do novo ano pastoral, revendo à sua luz o que se faz e o que se há de fazer, ponto por ponto. Também no que a Instrução diz mais à frente, sobre o Conselho Pastoral Paroquial: «Longe de ser um simples organismo burocrático, então, o Conselho Pastoral coloca em destaque e realiza a centralidade do Povo de Deus como sujeito e protagonista ativo da missão evangelizadora, em virtude do facto de que cada fiel recebeu os dons do Espírito através do Batismo e da Confirmação» (nº 110).

Proponho que em todas as paróquias se leia atentamente esta Instrução da Congregação do Clero, que sobre elas diretamente incide. Ao longo dos seus números, tanto se reflete sobre as atuais circunstâncias socioculturais, que exigem mais interligação com o conjunto pastoral da diocese, dada a menor fixação territorial das populações, como se indicam possibilidades de trabalho intercomunitário, ou a natureza e os fins próprios das várias instâncias de corresponsabilidade.

4. O Papa Francisco propõe-nos para este tempo uma atenção ecológica redobrada, ainda mais oportuna por causa dos danos da pandemia. Durante o presente ano pastoral devemos retomar tudo quanto nos escreveu em 2015, na sua preciosa encíclica Laudato si´, sobre o cuidado da casa comum. Sugiro-vos que, pessoal e comunitariamente, se assimile a encíclica nas suas múltiplas incidências, espirituais também.

Por todo o texto papal perpassa uma vinculação  global e a solidariedade com a criação inteira. Requer-nos uma autêntica “conversão ecológica”, comportando três atitudes: 1ª) Gratidão pela obra criadora de Deus, correspondida com generosidade e gratuidade no modo de viver e conviver; 2ª) consciência de não estarmos separados das outras criaturas, com as quais formamos uma comunhão universal; 3ª) desenvolvimento das capacidades que Deus nos deu, para ajudar a resolver os dramas deste mundo (cf. LS, 219-220). 

Três atitudes complementares, que o Papa nos propõe, em torno duma figura (S. Francisco de Assis) e de um conceito (ecologia integral): «Acho que Francisco é o exemplo por excelência do cuidado pelo que é frágil e por uma ecologia integral, vivida com alegria e autenticidade. […] Nele se nota até que ponto são inseparáveis a preocupação pela natureza, a justiça para com os pobres, o empenhamento na sociedade e a paz interior» (LS, 10).

É nesta integralidade ecológica que o Papa insiste do princípio ao fim. Na verdade, se faltar um destes pontos, logo se desequilibra o conjunto. Dar aos animais ou às plantas a atenção devida, requer outra igual ou maior aos seres humanos injustiçados; ninguém se pacifica intimamente quando se alheia das causas da justiça e da paz para todos.

Neste sentido, incluo outra citação da encíclica, tão clara como inevitável. Merece-nos uma atenção muito particular, por razões de coerência ecológica. Coerência que, por ser total, nunca pode ser “fraturante”. Importa salvaguardar a criação, começando pela vida humana e tudo o que esta requer, da conceção à morte natural: «Quando, na própria realidade, não se reconhece a importância de um pobre, de um embrião humano, de uma pessoa com deficiência – só para dar alguns exemplos -, dificilmente se saberá escutar os gritos da própria natureza. Tudo está interligado» (LS, 117).

5. Por causa da pandemia, o Papa Francisco adiou para 2023 a Jornada Mundial da Juventude, a realizar em Lisboa. Temos assim mais um ano para a preparar, como já acontece no conjunto das dioceses portuguesas. Assim se vão desenvolvendo catequeses que têm como base a reflexão e a experiência dos vários subtemas, ano a ano, sempre em torno da atitude da Virgem Maria na Visitação, quando apressadamente se dirigiu ao encontro de Isabel (cf. Lc 1, 39). 

Esta “urgência” em levar a todos o Jesus que recebemos, há de preencher a nossa vida pessoal e comunitária, de jovens e menos jovens, relançando-nos ainda mais na evangelização que o mundo pede. A JMJ 2023 será essencialmente o fruto do que connosco acontecer para tal.

Caríssimos diocesanos, deixo-vos estes tópicos para o ano pastoral que agora começa, convicto da sua oportunidade eclesial e sociocultural. Com os irmãos Bispos que comigo trabalham no Patriarcado de Lisboa, desejo-vos a maior felicidade em todos os campos da vossa vida e atividade. Felicidade que, como Cristo nos ensina, sempre «está mais em dar do que em receber» (Act 20, 35).


Irmão e amigo,

Lisboa, 1 de setembro de 2020


† Manuel, Cardeal-Patriarca 

    

(foto: Arlindo Homem)


📢 Mensagem do Prior 📢

MEDITAÇÃO DIÁRIA Ter, 1 – Semana XXII do Tempo Comum / Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação

1 Cor 2, 10b-16 / Slm 144 (145), 8-11.12-13ab.13cd-14 / Lc 4, 31-37

O Espírito Santo conhece todas as coisas, até o que há de mais profundo em Deus. (1ª Leitura)

Pois que o Espírito Santo é Deus. Peçamos-Lhe que nos transmita Deus e que nos ajude a estar preparados. Para que Deus Se nos transmita, temos de estar preparados. E depois disso, Deus transmite-Se ou não. Nós não O forçamos a «transmitir-Se». Com «transmitir-Se» quero significar alguma manifestação de Deus, por pequena que seja. Nem que seja uma moção, uma inclinação, uma inspiração.

segunda-feira, 31 de agosto de 2020

Azoia -Nossa Senhora da Saúde - Rogai por nós,


 

MEDITAÇÃO DIÁRIA Seg, 31 – Semana XXII do Tempo Comum

1 Cor 2, 1-5 / Slm 118 (119), 97-98.99-100.101-102 / Lc 4, 16-30

Desviei os meus pés de todo o mau caminho, a fim de guardar a vossa palavra. (Salmo)

Ao enveredarmos pelo bom caminho mais nos afastaremos do mau caminho, sem termos de fazer tanto esforço propositado por nos afastarmos do mau. Assim mais seremos sensíveis à voz do Espírito Santo, porque a nossa alma estará mais límpida para O receber e mais força teremos para nos aproximarmos de Deus e Deus mais «espaço» terá para nos penetrar. Uma boa relação com Deus traz calma e paz, se bem que a relação com Deus não cure doenças mentais, ao contrário do que às vezes se sugere.


 

domingo, 30 de agosto de 2020

MEDITAÇÃO DIÁRIA Dom, 30 – Domingo XXII do Tempo Comum – Ano A

 Jer 20, 7-9 / Slm 62 (63), 2-6.8-9 / Rom 12, 1-2 / Mt 16, 21-27

Estas palavras do profeta Jeremias são proferidas nas vésperas de Jerusalém ser destruída e seus habitantes serem deportados para a Babilónia. O rei Joaquim não governa o povo, cuida do seu enriquecimento. Os sacerdotes preocupam-se com os rituais exteriores e o povo sente-se como um rebanho sem pastores. Neste cenário de ruína, Jeremias desabafa perante Deus os seus queixumes e angústias. Mas fá-lo num clima de amor apaixonado, pois experimenta que Deus o seduziu e ele aceitou essa sedução para exercer a sua vocação de profeta.

Teremos provavelmente a experiência de nem sempre sermos bem aceites na nossa identidade de cristãos e católicos praticantes. Sentimos que nos é pedido remar contra a corrente de modas e do pensamento dominante. Conseguiremos perseverar e vencer os obstáculos na medida em que experimentarmos o amor de Deus que nos seduz pelo caminho do bem, da beleza e da verdade.

São Paulo pede-nos para não cedermos à tentação de nos conformarmos com os critérios deste mundo, com o que é política e socialmente correto. Não podemos permitir que haja pressões e controlo da nossa consciência, orientada por valores e norteada pelo amor de Deus. A nossa felicidade está em saber «discernir, segundo a vontade de Deus, o que é bom, o que Lhe é agradável, o que é perfeito».

No tempo de Jesus, a ideia comum do Messias era muito terra a terra: traria o bem-estar material, a libertação política de Israel, triunfando como um grande senhor temporal. Neste Evangelho encontramos o primeiro dos três anúncios que Jesus faz da sua paixão e morte. Pedro faz de porta-voz dos critérios do seu tempo, fazendo-se conselheiro do Messias: «Deus Te livre de tal, Senhor! Isso não há de acontecer!». Cristo reage fortemente, clarificando a identidade da sua missão salvadora.

Uma tentação comum é de aveludarmos a exigência do Evangelho e de pretendermos um Cristianismo sem cruz. Cristo também hoje nos recorda o caminho de sentido único dos seus seguidores: «Se alguém quiser seguir-Me, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-Me. Pois quem quiser salvar a sua vida há de perdê-la; mas quem perder a sua vida por minha causa há de encontrá-la».

sábado, 29 de agosto de 2020

MEDITAÇÃO DIÁRIA Sáb, 29 – Martírio de São João Batista (Memória)

 Jer 1, 17-19 / Slm 70 (71), 1-4a.5-6ab.15ab.17 / Mc 6, 17-29 (do Santoral)

O rei ficou consternado. (Evangelho)

Herodes ficou consternado porque foi apanhado nas redes que ele próprio lançou. O primeiro mandamento fala em amar a Deus com a alma, o coração, a razão. Amar a Deus, ao nosso irmão e a nós próprios deve ser sempre com estas três realidades. No caso de Herodes, ele já tinha perdido o uso da razão e agiu como se não tivesse alma. Todos os dias devíamos rezar por um uso santo destas três realidades.

sexta-feira, 28 de agosto de 2020

MEDITAÇÃO DIÁRIA Sex, 28 – Santo Agostinho (Memória)

1 Cor 1, 17-25 / Slm 32 (33), 1-2.4-5.10-11 / Mt 25, 1-13

Talvez não chegue para nós e para vós. (Evangelho)

As virgens que não deram azeite parecem ter sido egoístas, mas há situações em que temos de afirmar os nossos direitos. Há pessoas que são profissionais em se aproveitarem da moleza dos outros. A caridade tem de ser bem pensada, bem discernida. E não é só quando se quer dispor de uma fortuna. É no dia a dia. Pense o leitor nisto: como pede, como dá, como empresta e como exige de volta. (Que é importante exigir de volta, ou então não emprestar.)


quinta-feira, 27 de agosto de 2020

30 de Agosto dia Festivo


 

MEDITAÇÃO DIÁRIA Qui, 27 – Santa Mónica (Memória)


 1 Cor 1, 1-9 / Slm 144 (145), 2-3.4-5.6-7 / Mt 24, 42-51

Vigiai, porque não sabeis em que dia virá o vosso Senhor. (Evangelho)

Graças a Deus que o nosso Senhor está sempre a vir, está dentro de nós, e está sempre a ir, está sempre a levar-nos para o Pai. A nossa vigilância aos movimentos que o Senhor provoca dentro de nós, ao que nós sentimos, pensamos e amamos tem de ser constante. A nossa intimidade com o Pai, com a Trindade é que nos tem preparados para quando vier o nosso Senhor e tivermos a alegria de O ver face a face. Querido leitor, como está a sua intimidade com o Pai?

Oração por qualquer necessidade a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro


 Philip Kosloski | Ago 24, 2020

Seja qual for a sua necessidade, leve-a à Virgem Maria, que diariamente intercede por nós diante de seu Filho Jesus

Entre os muitos títulos da Virgem Maria, um dos mais populares e eficazes é Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. O próprio título revela Nossa Senhora como uma mãe que sempre ajuda e vem em nosso auxílio.

Aqui está uma oração para ser rezada por qualquer necessidade, e embora nem sempre possamos obter exatamente o que queremos, Deus vai responder à oração e nos dar o que mais precisamos.

Santíssima Virgem Maria, Mãe de Deus, a quem amo honrar com o amável título de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, eu (nome), embora indigno de ser teu servo, mas movido por tua maravilhosa compaixão e por meu desejo de servir-te, agora te escolho, na presença de meu anjo da guarda e de toda a corte celestial, como minha rainha, advogada e mãe: eu firmemente proponho amar e servir ao Senhor agora e sempre, e fazer tudo que eu puder para conduzir os outros a amá-Lo e servi-Lo também.

Rogo-te, ó Mãe de Deus, e minha misericordiosa e amorosa Mãe, pelo sangue que teu Filho derramou por mim, que me recebas entre os teus servos, para ser teu filho e servo para sempre.

Auxilia-me em meus pensamentos, palavras e ações a cada momento de minha vida, para que tudo seja direcionado para a maior glória de meu Deus.

E pela tua mais poderosa intercessão, que eu nunca mais ofenda Jesus Cristo, mas que eu possa glorificá-lo e amá-lo nesta vida, e também amar-te, minha terna e querida Mãe, para que eu possa desfrutar do céu e bendizer a Deus por toda a eternidade.

Amém.

quarta-feira, 26 de agosto de 2020

MEDITAÇÃO DIÁRIA Qua, 26 – Semana XXI do Tempo Comum


 2 Tes 3, 6-10.16-18 / Slm 127 (128), 1-2.4-5 / Mt 23, 27-32

Por fora pareceis justos aos olhos dos homens. (Evangelho)

Conheço um senhor que um dia disse a alguém que tratava muito bem da sua aparência. Claro que, com o tempo, as pessoas foram-no conhecendo. Mas o certo é que durante muitos anos conseguiu cargos de chefia em vários sítios, com muitas prebendas. Há pessoas ocas, ou pura e simplesmente más, mas com aparência de boas. Claro que nenhum de nós anda a exibir os seus defeitos. Mas daí a viver para tirar partido da aparência vai um grande passo. Hoje o leitor veja em que é que isto o toca.


terça-feira, 18 de agosto de 2020

MEDITAÇÃO DIÁRIA Ter, 18 – Semana XX do Tempo Comum

 Ez 28, 1-10 / Deut 32, 26-28.30.35cd-36ab / Mt 19, 23-30

Aos homens isso é impossível... (Evangelho)

Depois das explicações de São Paulo e do gesto de Cristo na Última Ceia, vemos claramente que não nos podemos salvar sem Deus. O nosso pecado faz-nos mal, porque nos tira capacidade de receber o amor de Deus, assim como capacidade de amar, mas, e sobretudo, ofende a Deus. É dessa ofensa que temos de ser perdoados. E só o ofendido pode perdoar. Logo, a nós próprios isso é impossível.

segunda-feira, 17 de agosto de 2020

MEDITAÇÃO DIÁRIA Seg, 17 – Santa Beatriz da Silva (Memória)

 Ez 24, 15-24 / Deut 32, 18-19.20-21 / Mt 19, 16-22

Ama o teu próximo como a ti mesmo. (Evangelho)

Amar o próximo como a nós mesmos é muito difícil. Nós rodeamo-nos de cuidados que não dispensamos ao próximo. Somos sempre mais egoístas com o próximo do que connosco. (A não ser alguma visita importante que nos apareça lá em casa. Ou no dia do nosso casamento. Mas aí também há aquela faceta de «causar boa impressão».) Enfim, esforcemo-nos, façamos um exame de consciência.

 

sábado, 15 de agosto de 2020

MEDITAÇÃO DIÁRIA Sáb, 15 – Assunção de Nossa Senhora (Solenidade)

 Ap 11, 19a; 12, 1-6a.10ab / Slm 44 (45), 10-12.16 / 1 Cor 15, 20-27 / Lc 1, 39-56

Celebramos hoje o triunfo de Maria, Mãe de Deus, sobre a morte e a sua entrada gloriosa na vida eterna: é a solenidade da Assunção de Nossa Senhora ao Céu. Os cristãos do oriente, ortodoxos e católicos, celebram este acontecimento como a «Dormição de Nossa Senhora». Ou seja, não se trata propriamente da sua morte, mas do mistério de Maria adormecer em Deus.

Esta verdade da fé, há muitos séculos celebrada, foi definida como dogma pelo Papa Pio XII, a 1 de novembro de 1950: a Virgem Maria, «tendo completado o curso da sua vida na terra, foi assumida, em corpo e alma, na glória celeste». O triunfo de Maria, recebida em glória no Céu, antecipa o que Deus nos quer conceder a todos nós, seus filhos, no fim dos tempos.

A primeira leitura é do livro do Apocalipse, da autoria do apóstolo São João evangelista, escrito nos finais do século I, para dar força à fé dos cristãos que estavam a ser perseguidos. Maria vem apresentada como «uma mulher revestida de sol, com a lua debaixo dos pés e uma coroa de doze estrelas na cabeça», que acaba por vencer o dragão do mal no mundo. Recordemos a prece que rezamos na Ave-Maria: «Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores, agora e na hora da nossa morte». Maria, como a melhor mãe do mundo, vela sempre pelo maior bem de todos nós, seus filhos muito amados.

Na primeira carta aos cristãos de Corinto, São Paulo repetidamente nos lembra uma verdade que nos enche de consolação e esperança. A ressurreição de Cristo não é um acontecimento que só a Ele diz respeito. É «primícias» da nossa ressurreição, dos que morrem em Cristo, cabeça do corpo a que, por imensa graça, pertencemos.

O Evangelho descreve-nos, catequeticamente, a visitação de Nossa Senhora a sua prima Isabel, que estava no sexto mês da gravidez de João Batista. São Lucas refere que «Maria levantou-se e partiu apressadamente» para visitar quem precisava da sua ajuda. Este é o tema da próxima Jornada Mundial da Juventude, que vai ter lugar em Lisboa, no verão de 2023. Esta atitude de prontidão no serviço continua agora Nossa Senhora a praticá-la no Céu, intercedendo por nós, seus filhos queridos, preparando-nos um lugar no reino eterno de Deus.

Final da novena - Nono dia

 Hora do Angelus (12h00) e final da Novena

V/. O Anjo do Senhor anunciou a Maria.

R/. e ela concebeu do Espírito Santo.

...Ave Maria...

V/. Eis aqui a serva do Senhor.

R/. Faça-se em mim segundo a vossa palavra.

...Ave Maria...

V/. e o Verbo se fez carne.

R/. E habitou entre nós.

...Ave Maria...

V/.Rogai por nós, Santa Mãe de Deus.

R/. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

V/. Oremos:

Derramai, ó Deus, a vossa graça em nossos corações, para que, conhecendo, pela mensagem do Anjo, a encarnação do Cristo, vosso Filho, cheguemos, por sua paixão e cruz, à glória da ressurreição pela intercessão da Virgem Maria .Pelo mesmo Cristo, Senhor Nosso. Amém

Continuação da Novena

“Como gostaria que em todos os lugares e em todas as línguas se expressasse a alegria pela Assunção de Maria!... Que todo homem e toda mulher tomem consciência de ser chamados, por diferentes caminhos, para participar da glória celestial de sua verdadeira Mãe e Rainha ”, disse São João Paulo II, em 1995, por ocasião da Solenidade da Assunção da Virgem Maria.

Nono dia:

Ó Mãe Santíssima Assunta ao Céu, depois de anos de martírio heroico na terra, nos alegramos que Vós fostes finalmente levada ao trono preparado para vós no Céu pela Santíssima Trindade.

Elevai os nossos corações convosco na glória de vossa Assunção, acima do toque terrível do pecado e da impureza.

Ensinai-nos como a terra se torna pequena quando vista do céu.

Faça-nos perceber que a morte é a porta triunfal pela qual iremos passar até o vosso Filho, e que algum dia os nossos corpos irão se juntar às nossas almas na infinita felicidade do Céu.

Desta terra, sobre a qual pisamos como peregrinos, nós olhamos para vós em busca de auxílio.

Em honra da vossa Assunção ao Céu nós pedimos a graça de (mencionar o pedido).

Quando a hora da nossa morte vier, levai-nos com segurança à presença de Jesus para contemplar a visão de Deus por toda a eternidade, junto convosco.

Rogai por nós, ó Rainha Assunta ao Céu, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém.

Ave Maria…

LADAINHA DE NOSSA SENHORA

Senhor, tende pidedade de nós

Cristo, tende pidedade de nós

Senhor, tende pidedade de nós

Cristo, ouvi-nos

Cristo, atendei-nos

Deus Pai do céu, tende piedade de nós

Deus Filho Redentor do mundo, tende piedade de nós

Deus Espírito Santo, tende piedade de nós

Santíssima Trindade, que sois um só Deus, tende piedade de nós

Santa Maria, rogai por nós.

Santa Mãe de Deus,

Santa Virgem das virgens,

Mãe de Cristo,

Mãe da Igreja

Mãe da divina graça,

Mãe puríssima,

Mãe castíssima,

Mãe sempre virgem,

Mãe imaculada,

Mãe digna de amor,

Mãe admirável,

Mãe do bom conselho,

Mãe do Criador,

Mãe do Salvador,

Virgem prudentíssima,

Virgem venerável,

Virgem louvável,

Virgem poderosa,

Virgem clemente,

Virgem fiel,

Espelho de perfeição,

Sede da Sabedoria,

Fonte de nossa alegria,

Vaso espiritual,

Tabernáculo da eterna glória,

Moradia consagrada a Deus,

Rosa mística,

Torre de David,

Torre de marfim,

Casa de ouro,

Arca da aliança,

Porta do céu,

Estrela da manhã,

Saúde dos enfermos,

Refúgio dos pecadores,

Consoladora dos aflitos,

Auxílio dos cristãos,

Rainha dos Anjos,

Rainha dos Patriarcas,

Rainha dos Profetas,

Rainha dos Apóstolos,

Rainha dos Mártires,

Rainha dos confessores da fé,

Rainha das Virgens,

Rainha de todos os Santos,

Rainha concebida sem pecado original,

Rainha assunta ao céu,

Rainha do santo Rosário,

Rainha da paz.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos, Senhor.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, ouvi-nos, Senhor.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós.

Rogai por nós, santa Mãe de Deus.

Para que sejamos dignos das promessas de Cristo!

Amen!

sexta-feira, 14 de agosto de 2020

 

Continuação da novena - Oitavo dia

 Hora do Angelus (12h00) e Continuação da Novena

V/. O Anjo do Senhor anunciou a Maria.

R/. e ela concebeu do Espírito Santo.

...Ave Maria...

V/. Eis aqui a serva do Senhor.

R/. Faça-se em mim segundo a vossa palavra.

...Ave Maria...

V/. e o Verbo se fez carne.

R/. E habitou entre nós.

...Ave Maria...

V/.Rogai por nós, Santa Mãe de Deus.

R/. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

V/. Oremos:

Derramai, ó Deus, a vossa graça em nossos corações, para que, conhecendo, pela mensagem do Anjo, a encarnação do Cristo, vosso Filho, cheguemos, por sua paixão e cruz, à glória da ressurreição pela intercessão da Virgem Maria .Pelo mesmo Cristo, Senhor Nosso. Amém

Continuação da Novena

“Como gostaria que em todos os lugares e em todas as línguas se expressasse a alegria pela Assunção de Maria!... Que todo homem e toda mulher tomem consciência de ser chamados, por diferentes caminhos, para participar da glória celestial de sua verdadeira Mãe e Rainha ”, disse São João Paulo II, em 1995, por ocasião da Solenidade da Assunção da Virgem Maria.

Oitavo dia:

Ó Maria, Rainha Assunta ao céu, nós nos regozijamos com o vosso título de Rainha do Céu e da Terra.

Vós destes vosso santo “Fiat” a Deus e vos tornaste a Mãe de nosso Salvador. Obtende-nos a paz e a salvação através de vossas orações, por terdes dado à luz a Cristo nosso Senhor, o Salvador da humanidade.

Intercedei por nós e levai nossas petições diante do Trono de Deus (mencionar o pedido).

Através de vossas orações, possam nossas almas ser preenchidas com um intenso desejo de ser como vós, um humilde vaso do Espírito Santo e uma serva de Deus Todo Poderoso.

Rogai por nós, ó Rainha Assunta ao Céu, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém.

Ave Maria…

MEDITAÇÃO DIÁRIA Sex, 14 – São Maximiliano Maria Kolbe (Memória)

 Ez 16, 1-15.60.63 ou 16, 59-63 / Is 12, 2-6 / Mt 19, 3-12

Deus é o meu Salvador, tenho confiança e nada temo. (Salmo)

O P. Maximiliano Kolbe ofereceu-se em Auschwitz em vez de outro prisioneiro. Era uma morte terrível e as celas em que as pessoas eram postas para morrer também eram terríveis. (Já para além das horrorosas condições do campo.) Ora, o P. Maximiliano Kolbe ofereceu-se para aquela troca no meio de uma profunda fé, «amando até ao fim» a Deus e ao seu irmão. E que fazemos nós por Deus e pelo irmão, que ficamos tão maçados com uma contrariedade de nada?

quinta-feira, 13 de agosto de 2020

MEDITAÇÃO DIÁRIA Qui, 13 – Semana XIX do Tempo Comum

Ez 12, 1-12 / Slm 77 (78), 56-57.58-59.61-62 / Mt 18, 21 – 19, 1

Não esqueçais as obras do Senhor. (Salmo)

Às vezes é bom termos um diário espiritual em que escrevemos aquilo que Deus faz por nós. (E também podemos pôr o que fazemos por Deus). Não o devemos esquecer porque qualquer momento presente é alimentado pelo passado. Se refletirmos, meditarmos e contemplarmos o que Deus fez por nós, mais facilmente Lhe somos fiéis, porque temos tendência a ser agradecidos e a amar reciprocamente.

quarta-feira, 12 de agosto de 2020

Continuação da novena - Sétimo dia

Hora do Angelus (12h00) e Continuação da Novena

V/. O Anjo do Senhor anunciou a Maria.

R/. e ela concebeu do Espírito Santo.

...Ave Maria...

V/. Eis aqui a serva do Senhor.

R/. Faça-se em mim segundo a vossa palavra.

...Ave Maria...

V/. e o Verbo se fez carne.

R/. E habitou entre nós.

...Ave Maria...

V/.Rogai por nós, Santa Mãe de Deus.

R/. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

V/. Oremos:

Derramai, ó Deus, a vossa graça em nossos corações, para que, conhecendo, pela mensagem do Anjo, a encarnação do Cristo, vosso Filho, cheguemos, por sua paixão e cruz, à glória da ressurreição pela intercessão da Virgem Maria. Pelo mesmo Cristo, Senhor Nosso. Amém

Continuação da Novena

“Como gostaria que em todos os lugares e em todas as línguas se expressasse a alegria pela Assunção de Maria!... Que todo homem e toda mulher tomem consciência de ser chamados, por diferentes caminhos, para participar da glória celestial de sua verdadeira Mãe e Rainha ”, disse São João Paulo II, em 1995, por ocasião da Solenidade da Assunção da Virgem Maria.

Sétimo dia:

Ó Maria, Rainha de todo coração, recebei tudo o que somos e que nos une a vós pelos laços do amor, para que possamos ser vossos para sempre e sejamos capazes de dizer com toda a verdade: “Eu pertenço a Jesus, por Maria”.

Ó Nossa Mãe, Assunta ao Céu e Rainha do Universo, Sempre-Virgem Mãe de Deus, obtende-nos o que vós pedimos, se for para a glória de Deus e bem de nossas almas (mencionar o pedido).

Ó Nossa Mãe, Assunta ao Céu, nós vos amamos, mas dê-nos um maior amor por Jesus e por vós.

Ó Rainha Assunta ao Céu, rogai por nós. Amém.

Ave Maria…

MEDITAÇÃO DIÁRIA Qua, 12 – Semana XIX do Tempo Comum

 Ez 9, 1-7; 10, 18-22 / Slm 112 (113), 1-2.3-4.5-6 / Mt 18, 15-20

Se dois de vós se unirem na terra para pedir qualquer coisa... (Evangelho)

«Ser-lhes-á concedida por meu Pai que está no Céu». Como o leitor já terá experimentado, aquilo que Deus concede e não concede é um mistério. No entanto, vale sempre a pena pedir. Nalguns pedidos, podemos acrescentar: «se for a tua vontade». Noutros, é óbvio que estamos a pedir a vontade de Deus. Por exemplo, a cura de um drogado. Mas mesmo achando que estamos a pedir a vontade de Deus, não é certo que sejamos atendidos. Mas devemos «teimar» sempre.

terça-feira, 11 de agosto de 2020

Continuação da Novena - Sexto dia

 

Hora do Angelus (12h00) e Continuação da Novena

V/. O Anjo do Senhor anunciou a Maria.

R/. e ela concebeu do Espírito Santo.

...Ave Maria...

V/. Eis aqui a serva do Senhor.

R/. Faça-se em mim segundo a vossa palavra.

...Ave Maria...

V/. e o Verbo se fez carne.

R/. E habitou entre nós.

...Ave Maria...

V/.Rogai por nós, Santa Mãe de Deus.

R/. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

V/. Oremos:

Derramai, ó Deus, a vossa graça em nossos corações, para que, conhecendo, pela mensagem do Anjo, a encarnação do Cristo, vosso Filho, cheguemos, por sua paixão e cruz, à glória da ressurreição pela intercessão da Virgem Maria. Pelo mesmo Cristo, Senhor Nosso. Amém

Continuação da Novena

“Como gostaria que em todos os lugares e em todas as línguas se expressasse a alegria pela Assunção de Maria!... Que todo homem e toda mulher tomem consciência de ser chamados, por diferentes caminhos, para participar da glória celestial de sua verdadeira Mãe e Rainha ”, disse São João Paulo II, em 1995, por ocasião da Solenidade da Assunção da Virgem Maria.

Sexto dia:

Ó Maria, nossa querida Mãe e poderosa Rainha, tomai e recebei nossos pobres corações com toda sua liberdade e os seus desejos, todo amor, todas as virtudes e as graças com que podem ser adornados.

Tudo o que somos e tudo o que podemos ser, tudo o que temos e tudo o que possuímos por natureza assim como por graça, nós recebemos de Deus através de vossa amorosa intercessão.

Ajudai-nos, querida Mãe, a devolver a Deus tudo o que temos, incluindo nossos pedidos (mencionar o pedido). Ó Nossa Senhora e Rainha, em vossas mãos soberanas confiamos tudo que possa ser devolvido à sua nobre origem.

Ó Rainha Assunta ao Céu, rogai por nós. Amém.

Ave Maria…

Continuação da Novela - Quinto dia

 Hora do Angelus (12h00) e Continuação da Novena

V/. O Anjo do Senhor anunciou a Maria.

R/. e ela concebeu do Espírito Santo.

...Ave Maria...

V/. Eis aqui a serva do Senhor.

R/. Faça-se em mim segundo a vossa palavra.

...Ave Maria...

V/. e o Verbo se fez carne.

R/. E habitou entre nós.

...Ave Maria...

V/.Rogai por nós, Santa Mãe de Deus.

R/. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

V/. Oremos:

Derramai, ó Deus, a vossa graça em nossos corações, para que, conhecendo, pela mensagem do Anjo, a encarnação do Cristo, vosso Filho, cheguemos, por sua paixão e cruz, à glória da ressurreição pela intercessão da Virgem Maria. Pelo mesmo Cristo, Senhor Nosso. Amém

Continuação da Novena

“Como gostaria que em todos os lugares e em todas as línguas se expressasse a alegria pela Assunção de Maria!... Que todo homem e toda mulher tomem consciência de ser chamados, por diferentes caminhos, para participar da glória celestial de sua verdadeira Mãe e Rainha ”, disse São João Paulo II, em 1995, por ocasião da Solenidade da Assunção da Virgem Maria.

Quinto dia:

Ó Mãe misericordiosa e amorosa, possa a vossa beleza gloriosa encher nossos corações com um desgosto para as coisas terrenas e um desejo ardente pelas alegrias do céu. Que vosso olhar misericordioso olhe com compaixão para nossas lutas e nossa fraqueza neste vale de lágrimas.

Ouvi, então, Mãe amorosa, a nossa súplica e rogai a Jesus por nós (mencionar o pedido).

Cobri-nos com o puro manto da inocência e da graça aqui na terra, e com o da imortalidade e da glória no Céu.

Ó Rainha Assunta ao Céu, rogai por nós. Amém.

Ave Maria…

C ontinuação da Novena . Quart0 dia

Hora do Angelus (12h00) e Continuação da Novena

V/. O Anjo do Senhor anunciou a Maria.

R/. e ela concebeu do Espírito 

...Ave Maria...

V/. Eis aqui a serva do Senhor.

R/. Faça-se em mim segundo a vossa palavra.

...Ave Maria...

V/. e o Verbo se fez carne.

R/. E habitou entre nós.

...Ave Maria...

V/.Rogai por nós, Santa Mãe de Deus.

R/. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

V/. Oremos:

Derramai, ó Deus, a vossa graça em nossos corações, para que, conhecendo, pela mensagem do Anjo, a encarnação do Cristo, vosso Filho, cheguemos, por sua paixão e cruz, à glória da ressurreição pela intercessão da Virgem Maria. Pelo mesmo Cristo, Senhor Nosso. Amém

Continuação da Novena

“Como gostaria que em todos os lugares e em todas as línguas se expressasse a alegria pela Assunção de Maria!... Que todo homem e toda mulher tomem consciência de ser chamados, por diferentes caminhos, para participar da glória celestial de sua verdadeira Mãe e Rainha ”, disse São João Paulo II, em 1995, por ocasião da Solenidade da Assunção da Virgem Maria.

Quarto dia:

Ó Querida Mãe Maria, Deus vos colocou à Sua mão direita para que possais dispor dos tesouros da graça por um título singular – o de Mãe de Deus.

No meio de todos os Santos, vós sois Rainha deles e nossa – mais cara para o Coração de Deus do que qualquer criatura no Reino d’Ele.

Vós rezais por vossos filhos e distribui para nós toda a graça conquistada pelo nosso Amado Salvador na Cruz.

Com o vosso mais sagrado título, intercedei por nós em nossas necessidades e solicitai a Jesus que nos conceda este favor, se for para o bem de nossas almas (mencionar o pedido).

 Rainha Assunta ao Céu, rogai por nós. Amém.

Ave Maria…

MEDITAÇÃO DIÁRIA Ter, 11 – Santa Clara (Memória)

 

Ez 2, 8 – 3, 4 / Slm 118 (119), 14.24.72.103.111.131 / Mt 18, 1-5.10.12-14

Quem for humilde como esta criança, esse será o maior. (Evangelho)

Ficamos, pois, a saber que aquela criança era humilde. Jesus não diz «quem for humilde como as crianças», provavelmente porque há crianças impossíveis, de tão estragadas. Uma criança humilde é uma criança que absorve o bem (e o mal). O nosso orgulho e egoísmo, sensualidade, pecado em geral põem entraves à absorção de Deus. Uma criança humilde absorve muito bem a mensagem dos pais. Não põe nenhum entrave entre ela e os pais. É esta a lição de uma criança humilde.

 

domingo, 9 de agosto de 2020

📢 Mensagem do Prior 📢

 

Continuação da Novena - Terceiro dia

 Hora do Angelus (12h00) e Continuação da Novena

V/. O Anjo do Senhor anunciou a Maria.

R/. e ela concebeu do Espírito Santo.

...Ave Maria...

V/. Eis aqui a serva do Senhor.

R/. Faça-se em mim segundo a vossa palavra.

...Ave Maria...

V/. e o Verbo se fez carne.

R/. E habitou entre nós.

...Ave Maria...

V/.Rogai por nós, Santa Mãe de Deus.

R/. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

V/. Oremos:

Derramai, ó Deus, a vossa graça em nossos corações, para que, conhecendo, pela mensagem do Anjo, a encarnação do Cristo, vosso Filho, cheguemos, por sua paixão e cruz, à glória da ressurreição pela intercessão da Virgem Maria.Pelo mesmo Cristo, Senhor Nosso.Amém

Continuação da Novena

“Como gostaria que em todos os lugares e em todas as línguas se expressasse a alegria pela Assunção de Maria!... Que todo homem e toda mulher tomem consciência de ser chamados, por diferentes caminhos, para participar da glória celestial de sua verdadeira Mãe e Rainha ”, disse São João Paulo II, em 1995, por ocasião da Solenidade da Assunção da Virgem Maria.

Terceiro dia:

Ó Mãe, Assunta ao céu, porque estivestes em todos os mistérios da nossa Redenção aqui na terra, Jesus vos coroou não apenas com glória, mas com o poder. Pela vossa mais gloriosa e poderosa intercessão, ajudai-nos, ó Mãe amorosa e apresentai a Jesus o nosso pedido (mencionar o pedido). Ó Rainha Assunta ao Céu, rogai por nós. Amém.

Ave Maria…

 

MEDITAÇÃO DIÁRIA Dom, 9 – Domingo XIX do Tempo Comum – Ano A


1 Reis 19, 9a.11-13a / Slm 84 (85), 9ab-14 / Rom 9, 1-5 / Mt 14, 22-33

As divindades pagãs costumavam mostrar o seu poder de um modo espetacular, a fim de que todos tivessem medo e respeitassem a sua pretensa força divina. O profeta Elias, nove séculos antes de Cristo, aguarda a manifestação do Senhor, no monte Horeb. Mas o Senhor não Se manifestou por sinais aparatosos de grande efeito: vento tempestuoso, terramoto, fogo abrasador. Deus manifestou-Se por uma ligeira brisa. Não é verdade que, tantas vezes, é deste modo que Deus omnipotente Se revela, sem pompa nem circunstância, mas com discrição e simplicidade? Precisamos de apurar a nossa atenção e discernimento para aproveitarmos as manifestações de Deus, em nós, nos outros, na Igreja e na história.

São Paulo, perante os seus irmãos judeus que rejeitavam aceitar a boa nova de Cristo, exprime a sua profunda tristeza. Mais, transbordando zelo apostólico, deseja ser ele o rejeitado da glória da adoção filial, em favor da salvação dos seus irmãos. Desejar o bem para as outras pessoas, mesmo discordando do seu modo de proceder, é um maravilhoso fruto da graça de Deus em nós.

Encontramos no Evangelho Jesus a despedir a multidão que O seguia, para ir rezar. É uma arte que temos a aprender de Jesus. No meio de todas as nossas atividades que nos dispersam, precisamos de saber «despedir a multidão» de preocupações, coisas a fazer, ruídos e correrias.

No mar inseguro de tudo o que vai acontecendo, em que temos a sensação de perder o chão que nos dá segurança e estabilidade, precisamos de recorrer à força que nos vem de Deus, ouvindo as palavras de Jesus, como Pedro: «Tende confiança. Sou Eu. Não temais». É inglória a pretensão de caminhar tranquilos sobre as águas do mar das dificuldades e problemas. Só dando a mão e o coração a Cristo encontraremos a segurança desejada.

OFERECIMENTO DAS OBRAS DO DIA

Ofereço-Vos, ó meu Deus,

em união com o santíssimo Coração de Jesus

e por meio do Coração Imaculado de Maria,

as orações, os trabalhos, as alegrias e os sofrimentos deste dia,

em reparação de todas as ofensas e por todas as intenções

pelas quais o mesmo divino Coração está continuamente intercedendo

e sacrificando-se nos nossos altares.

Eu Vo-los ofereço, de modo particular,

pelas intenções do Apostolado da Oração neste mês e neste dia.

sábado, 8 de agosto de 2020

Continuação da Novena - Segundo dia

 Hora do Angelus (12h00) e Continuação da Novena

V/. O Anjo do Senhor anunciou a Maria.

R/. e ela concebeu do Espírito Santo.

...Ave Maria...

V/. Eis aqui a serva do Senhor.

R/. Faça-se em mim segundo a vossa palavra.

...Ave Maria...

V/. e o Verbo se fez carne.

R/. E habitou entre nós.

...Ave Maria...

V/.Rogai por nós, Santa Mãe de Deus.

R/. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

V/. Oremos:

Derramai, ó Deus, a vossa graça em nossos corações, para que, conhecendo, pela mensagem do Anjo, a encarnação do Cristo, vosso Filho, cheguemos, por sua paixão e cruz, à glória da ressurreição pela intercessão da Virgem Maria.Pelo mesmo Cristo, Senhor Nosso.Amém

Continuação da Novena

“Como gostaria que em todos os lugares e em todas as línguas se expressasse a alegria pela Assunção de Maria!... Que todo homem e toda mulher tomem consciência de ser chamados, por diferentes caminhos, para participar da glória celestial de sua verdadeira Mãe e Rainha ”, disse São João Paulo II, em 1995, por ocasião da Solenidade da Assunção da Virgem Maria.

Segundo dia:

Ó Maria, Assunta ao Céu, nós vos veneramos como a Rainha do Céu e da terra. Vosso próprio Filho vos elevou a um trono de glória no Céu, ao lado d’Ele próprio. Por terdes experimentado a amargura da dor e da tristeza com Ele na terra, vós agora desfrutais da bem-aventurança eterna com Ele no Céu.

Qual nossa Rainha amorosa, intercedei por nós em nossas necessidades (mencionar o pedido).

Somos gratos a Jesus por ter colocado a mais bela das coroas em vossa cabeça, enquanto todos os Anjos e Santos vos aclamam como sua Rainha.

Ó Rainha Assunta ao Céu, rogai por nós. Amém.

Ave Maria…

Inicio da Novena a Nossa Senhora da Assunção!

“Como gostaria que em todos os lugares e em todas as línguas se expressasse a alegria pela Assunção de Maria!... Que todo homem e toda mulher tomem consciência de ser chamados, por diferentes caminhos, para participar da glória celestial de sua verdadeira Mãe e Rainha ”, disse São João Paulo II, em 1995, por ocasião da Solenidade da Assunção da Virgem Maria.

Primeiro dia:

Ó Virgem Imaculada, Mãe de Jesus e nossa Mãe, nós acreditamos em vossa Assunção triunfante ao céu, onde os anjos e santos vos aclamam como Rainha do Céu e da terra.

Nós nos unimos a eles para louvar ao Senhor que vos elevou acima de todas as criaturas. Com eles, oferecemos-vos nossa devoção e amor.

Estamos confiantes de que vós vigiais nossos esforços diários e rogamos para que vós possais interceder por nós em nossas necessidades (mencionar o pedido). Confortamo-nos na fé na Ressurreição vindoura e olhamos para vós, nossa vida, nossa doçura e nossa esperança. Depois desta vida terrena, mostrai-nos Jesus, o bendito fruto do vosso ventre, ó clemente, ó piedosa, ó doce Virgem Maria.

Ó Rainha Assunta ao Céu, rogai por nós. Amém.

Ave Maria…

Azenhas do Mar