quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Igreja/Portugal: A «beleza de Deus» na Bolsa de Turismo de Lisboa 2015

Expositor da Igreja Católica Mostra Destinos em Portugal EO Comissariado da Terra de Santa


Lisboa, 23 fev 2015 (Ecclesia) - A Obra Nacional da Pastoral do Turismo (ONPT), da Conferência Episcopal Portuguesa, vai Participar na Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL) 2015, Entre 25 de fevereiro e 1 de março na Feira Internacional de Lisboa.

Num comunicado enviado à Agência ECCLESIA, a ONPT Revela Que Tem o Objetivo de dar a conhecer "AOS Profissionais do sector e ao Público em Geral A SUA" Preocupação "relativamente a este tema EO Trabalho Desenvolvido Pará Mostrar Que o turismo also permite" Mostrar / conhecer a Beleza de Deus ".

No Espaço da Obra Nacional da Pastoral do Turismo OS Visitantes Vão ter Acesso a Diversos materiais informativos Sobre as Ações desenvolvidas Pela Igreja Católica no Âmbito fazer "turismo, património e cultura".

Nesta edição also de associaram de forma "mais significativa" As Catedrais de Braga, de Santarém, EO respetivo museu diocesano, eA Catedral de Évora, como SES Nova e Velha de Coimbra, Os Santuários de Fátima e do Cristo Rei OE Comissariado da Terra de Santa em Portugal.

This E a Terceira vez that uma Estar representada Igreja Católica Portuguesa vai na "mais Importante feira de turismo do país", Que este ano se Realiza Entre 25 de fevereiro e 1 de março na Feira Internacional de Lisboa, acrescenta a ONPT .

Os Horários e Preços de Entradas poderão Ser consultados no sítio oficial da Bolsa de Turismo de Lisboa, em http://www.btl.fil.pt

CB

A CHATA DE NOVO COM O DESERTO DA TENTAÇÃO- MARCOS 1,12-15

Cá estou de novo! Chata sim...!
O Evangelho deste domingo (22.02) é perturbador: Jesus após o Seu Batismo  dirige-SE para o deserto impelido pelo Espírito Santo. Vai para o deserto durante 40 dias (a Quaresma vivida pela Igreja Católica é 40 dias - à semelhança!), PARA VENCER A TENTAÇÃO!
O deserto e a tentação apresentam-se hoje, em sentido figurado, às realidades humanas, revestindo-se, com as formas da nossa cultura, da nossa economia e religião; muitas vezes ao sabor do nosso gosto.
O deserto habita muitas vezes no coração humano e na sociedade, desvitalizando as relações sociais, o isolamento e a solidão. Vão aumentando, o individualismo egoísta e não solidário crescendo, às vezes, aterradouramente..... Mas o deserto é também espaço de vitória. Tantos homens e mulheres de boa vontade fazem da sua caminhada uma estrada de solidariedade, um tempo de partilha de bens e de atenção ao outro... um tempo de esperança.... um tempo de conversão e anuncio do Reino que está próximo.
Jesus vence a tentação.... Estamos de passagem por esta terra, mas a meta já começa a vislumbrar-se... Jesus rasga-nos horizontes ao vencer a tentação... Jesus aponta-nos caminhos... Trás-nos a BOA NOVIDADE! Delegou-nos a vontade do Pai que está nos céus....
Ofereceu-a a todos nós com a sua própria VIDA.... deu-Se de AMOR! Jesus veio habitar entre nós para nos dizer que Amar é possível.... Ele exemplificou!
Jesus, nesta Quaresma ajuda-nos a estar atentos, maravilhados com a Tua Pessoa, para que possamos, à Tua semelhança, caminhar para a meta, a qual Tu já a viveste na Tua Pascoa.
É com os olhos postos na
Tua Ressurreição, que quero viver a Alegria da Tua Pascoa.
Um abraço, ana saldanha (elemento da Equipa Casais Stª Maria/Colares)

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

A CHATA EM TEMPO DE INICIO DE QUARESMA

Olá, amigos! para vós o desejo de óptimo início de semana, na Paz de Cristo, nossa Pascoa.
Ao iniciar este tempo de alegre meditação (própria da quadra, mas  válida a qualquer tempo), não quis deixar de partilhar convosco umas palavrinhas (muitas...!) que me puseram a pensar e achar que eram  enriquecedoras para todos nós, pelo menos  abrem-nos pensamentos....
Claro que não são minhas, mas do Padre José F. Rodrigues e aqui vão:
"Tu porém...
É assim que Jesus ensina os discípulos  a fazerem coisas à maneira de Deus. Tu, porém, quando jejuares.... Tu porém quando rezares...
As religiões monoteístas têm estas três atitudes ascéticas: o jejum, a oração e a esmola, que no específico, como a Quaresma.
Podemos considera-las  acessórias, que o são. Deus não quer que passemos a vida em jejuns, orações e esmolas VAZIAS de sentido. No ofício de Leituras de hoje, ouvimos a passagem de Isaías (58,1-12) em que Deus critica  os cumpridores de jejuns que não passavam de rituais exteriores e apressados. E diz que o jejum que Lhe é agradável consiste em acabar com as injustiças, partilhar o pão com quem o não tem, vestir os nus, não voltar as costas ao nosso semelhante...
O que escutámos no Evangelho e que a Igreja tomou como caminho de Quaresma é útil para nós e não para Deus. Se o fazemos, é para nós. Para que tiremos proveito, Jesus quer que, quando fazemos estas coisas, elas aconteçam não como formas de assumirmos protagonismo diante de Deus e dos outros, mas com humildade, segredo e discrição.
A Quaresma é o tempo do reconhecimento da importância de Deus na nossa vida. De que ainda somos  muito superficiais, de que ainda nos falta caminho para percorrer, de que neste caminho ainda temos muita carga supérflua, a começar pelo nosso feitio, pelas nossas murmurações, pelo nosso mau olhar sobre os outros e sobre o mundo.
Jesus criticou o farisaísmo dos rituais e de quem os cumpre. Mas também nos deu a entender, por palavras e acções, que não podemos passar a vida a relativizar tudo; e que antes de questionarmos os outros devemos fechar-nos no nosso quarto e questionar-mo-nos a nós próprios. Jesus indicou um caminho, que não é o mais espaçoso, mas o mais apertado. Indicou uma porta, não a porta larga, mas a porta estreita, pediu-nos que tirássemos o argueiro do olho do próximo, mas depois de tirarmos a trave que está nos nossos olhos (nada que já não soubéssemos mas pouco fazemos, digo eu por mim..!) 
É tempo, então, de trocarmos a maledicência e as murmurações pela oração; então ela será mais benéfica e mais autêntica. Troquemos a ambição e a concorrência desleal pelo jejum; então sentiremos que a pobreza voluntária é uma riqueza. Troquemos os nossos interesses e o nosso consumismo pela gratuitidade de esmolas. Então sentir nos emos todos irmãos, e responsáveis uns pelos outros.
Quaresma é tomarmos consciência de que não somos nós o nosso critério - Deus é que é o nosso critério porque n'Ele vivemos, nos movemos e existimos, como diz um dos prefácios da Liturgia.
A Quaresma não é necessariamente um tempo de tristezas. Porque é um tempo novo, tem a dimensão da alegria: a alegria de acolher a misericórdia de Deus, a alegria de nos reconciliarmos com Deus e com os irmãos, a alegria de perdoarmos e sermos também perdoados, a alegria da conversão, a alegria da coragem de mudarmos de vida para que ela seja autêntica e mais de Deus."- Frei José F. Rodrigues - prior do Convento de S. Domingos e colaborador com a Paróquia do Campo Grande.
Foi grande a partilha, por isso, vos desejo uma semana na alegria deste tempo de conversão (todo o tempo é): "Arrependei-vos e acreditai no Evangelho"- Palavras de Jesus
ana saldanha (elemento da Equipa Casais Stª Maria/Colares)

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

- Pastoral Familiar e catequética: 1º domingo da Quaresma:

 símbolo - Areia e pedras.
Cria-se um pequeno deserto no espaço de oração. Actividade: Ir ao deserto é encontrar-:mo-nos com Deus longe das distrações que marcam o nosso dia-a-dia. Esta semana a proposta é que a família se reúna à volta do espaço do deserto que criou e possa estar um tempo (por ex.2 min) a fazer uma oração silenciosa


.

Pagela do D. Manuel Clemente - Cardeal Patriarca de Lisboa

domingo, 22 de fevereiro de 2015

1º domingo da Quaresma – Ano B

Evangelho – Mc 1,12-15

Comentário breve
O tema da Aliança é a primeira das cinco catequeses que serão apresentadas nesta Quaresma (Ano B). A temática remete para a fidelidade de Deus na «História da Salvação»: Deus não quer a «destruição» mas a vida. 
O arco-íris surge como o sinal da aliança estabelecida entre Deus e a terra (primeira leitura). O ser humano, para ser fiel à aliança, apoia-se na bondade divina, nas «graças que são eternas» (salmo). Pedro explica que há continuidade entre a antiga e a nova aliança realizada em Jesus Cristo (segunda leitura). E o episódio do evangelho mostra Jesus Cristo já vencedor de Satanás, vencedor do mal. 
A Quaresma é uma oportunidade para «abrir o ouvido do coração» para «escutar a melodia do presente»: «o desafio é atirar-se para os braços da vida e ouvir aí o bater do coração de Deus. Sem fugas. Sem idealizações» (José Tolentino Mendonça).
No texto do evangelho deste domingo Marcos apresenta o acontecimento de Jesus no deserto como o resumo da sua vida
Os Espírito, que havia descido no baptismo, "impeliu Jesus para o deserto". Portanto não é iniciativa sua.
É o Espírito de Deus que desloca até o colocar no deserto: a vida de Jesus não vai ser um caminho fácil. Pelo contrário, esperam-no dura provas, insegurança e ameaças.
Contudo, o deserto é, ao mesmo tempo, o melhor lugar para escutar, em silêncio e solidão , a voz de Deus.
No deserto, Jesus "era tentado por Satanás". Nada se diz sobre o conteúdo, apenas de quem provem, o adversário que busca a ruína do ser humano, destruindo o plano de Deus. Não volta a ser nomeado, nesta livro, mas Jesus vê a sua actuação em todos aqueles que o querem desviara da sua missão, incluindo Pedro.
Este brevíssimo relato termina com imagens de forte contraste: vive com os "animais selvagens", mas os "Anjos serviam-n’O". As feras, os seres violentos da criação, evocam os perigos que ameaçarão sempre Jesus e o seu projecto. Os anjos, os seres bons da criação, evocam a proximidade de Deus que abençoa, cuida e defende Jesus e a sua missão.
O cristianismo vive hoje momentos difíceis. A olhar para os estudos sociológicos, falamos de crise, de secularização, de repulsa por parte do mundo moderno... 
Talvez, a partir de uma leitura de fé possamos colocar as questões de modo diverso. Não será Deus a impelir-nos para este deserto? Não estaríamos a precisar disto para nos libertarmos de tanta vanglória, poder mundano, apego ao dinheiro, falsos êxitos, etc? Nunca nós escolheríamos estes caminhos.
Esta experiência de deserto, que vai crescer, podes ser vista como um tempo de graça e de purificação que haveremos de agradecer a Deus porque Ele continuará a cuidar do seu projecto. Pede-nos que, com lucidez, recusemos as tentações que nos podem desviar uma e outras vez da conversão a Jesus Cristo.
A conversão verdadeira não é algo triste, não é renunciar a viver, mas, precisamente, o contrário, aprender a viver de uma maneira mais sadia, com mais amor, com mais verdade, com mais alegria interior, com maior gratidão
Deus fez-se próximo, quer dirigir a nossa vida, por isso, não tenhamos medo de nos abeirarmos d'Ele tal qual somos.
Acreditando neste boa notícia, começaremos a realizar a mudança.
Por que não começar a viver este tempo da Quaresma, dando mais espaço a Deus na nossa vida pessoal e familiar?

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Curso sobre Santa Teresa d`Ávila - Faculdade de Teologia, Universidade Católica Portuguesa

«NADA TE TURBE…». NO V CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DE SANTA TERESA D`ÁVILA»
  CURSO ORGANIZADO PELA FACULDADE DE TEOLOGIA DA UCP

De 9 de março de 2015 a 27 de junho de 2015, decorrerá a 1ª edição do Curso.

Inscrições: de 9 de fevereiro a 6 de março de 2015.

Pedimos a divulgação desta iniciativa, reenviando este «e-mail» para os seus contactos.

Gratos por toda a colaboração,

A Coordenação do Curso

Armindo dos Santos Vaz

Juan Francisco Ambrosio

Para mais esclarecimentos consulte a página www.ft.lisboa.ucp.pt  (Ensino a Distância)

Mensagem Quaresmal do Cardeal-Patriarca de Lisboa

18 de Fevereiro de 2015     » Ler mais
Misericórdia, a alma da Quaresma

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Igreja de Colares às 21h00 - Agenda para hoje

- QUINTA-FEIRA: Reflexão sobre o Apostolado da Oração, Adoração ao SS.mo Sacramento e reflexão sobre a Quaresma, com o Pe. Dário Pedroso

Vamos saudar o novo Cardeal - Patriarca de Lisboa

Neste Domingo, dia 22 de fevereiro, às 17h00, no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, vai decorrer a 1ª Catequese Quaresmal, proferida pelo novo Cardeal-Patriarca de Lisboa. No final desta celebração de ação de graças pela elevação ao cardinalato de D. Manuel Clemente, haverá uma apresentação de cumprimentos. Em carta enviada ao clero, congregações, institutos religiosos e movimentos laicais, D. Joaquim Mendes, Bispo Auxiliar de Lisboa, convida toda a Igreja diocesana a participar na celebração. “O que pretendemos com esta celebração é uma experiência de comunhão familiar ao nível diocesano”, salienta a nota.
Este momento terá transmissão online, em direto, através do site do Patriarcado de Lisboa

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Workshop: SER FELIZ

O Instituto Diocesano da Formação Cristã vai realizar o Workshop Ser Feliz em três sessões e com início no próximo dia 24 de Fevereiro.
Em qualquer tempo e circunstância, toda a pessoa busca o sentido da vida que conduza a ser feliz.
Promover o ser feliz é desafio e oportunidade, para cada um e para o outro, na senda do Caminho, da Verdade e da Vida.
Para alguns, a alegria do Evangelho poderá ser descoberta ou aprofundada a partir da busca de ser feliz.
Na caminhada sinodal, este primeiro «workshop» em três sessões semanais, terças-feiras das 18 às 20 h., pretende ser ocasião para que pessoas que cuidam - educadores, profissionais de saúde, animadores sociais e juvenis (profissionais e voluntários), etc. – reflitam e dialoguem sobre o ser feliz.

Tópicos preconizados para reflexão e debate

24 de Fevereiro:  Ser feliz.
Significados e abordagens conceptuais.
Expressões e indicadores.

3 de Março: Condicionantes ao ser feliz.
Destrinça entre fatores condicionantes e determinantes.
Fatores de risco e de proteção.
Fatores ambientais.
Fatores pessoais.

10 de Março: Experiência de ser feliz
Infelicidade versus não felicidade.
Eu e os outros. Os outros e eu.
Circunstâncias: atitudes e comportamentos. Sentimentos: reacções e comportamentos.
Liberdade e felicidade.
Gestão do prazer.

Facilitadores:
José Luís Castanheira (Médico, professor de Saúde Pública)
António Janela (Cónego, Diretor do IDFC)

Local:
Instituto Diocesano da Formação Cristã -Patriarcado de Lisboa,
Igreja do SS Coração de Jesus,
Rua Camilo Castelo Branco, nº4 (ao Marquês de Pombal),

Para mais informações e inscrições, contacte-nos para:  idcf.pl@gmail.com  

Custo de inscrição: 
Cada série: contributo mínimo:10 €; recomendado: 30 €.

Contamos com a sua presença!
Cón. António Janela

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Destaques da Semana

- QUARTA-FEIRA: de Cinzas: Dia de jejum e abstinência. Missas com imposição de Cinzas em Almoçageme às 9h30 e em Colares às 19h30,
- QUINTA-FEIRA: Reflexão sobre o Apostolado da Oração, Adoração ao SS.mo Sacramento e reflexão sobre a Quaresma na Igreja de Colares às 21h00, com o Pe. Dário Pedroso
- SEXTA-FEIRA: Via Sacra na Igreja Paroquial às 18h00. (todas as Sextas-feiras da Quaresma)

A Fé Católica


domingo, 15 de fevereiro de 2015

A CHATINHA ESTÁ CÁ DE NOVO

- para "tocar ideias" sobre a CURA DO LEPROSO (Marcos 1,40-45)
Olá!  Cá estou de novo desejando uma tarde domingueira na PAZ DE CRISTO.
Hoje o Evangelho de Marcos, fala-nos da cura do leproso.  
O leproso, na época do Antigo Testamento, era considerado um impuro, um doente com uma carga de contágio enorme, e por isso, tinha que se  manter afastado da sociedade e do culto (Levítico 13, 1-2. 44-46), vivendo em cavernas, a monte, em esconderijos, e sempre que se aproximava alguém tocava o sino. Jesus veio "revolucionar" este paradigma.
O leproso vem ao encontro de Jesus. Acto ousado e de coragem, fruto talvez da sua fé. Nada tinha a perder. Já lhe tinham feito perder tudo, inclusive a vida. Os rabinos da época já haviam multiplicado as regras para se protegerem. Por isso já nada o detinha! Jesus era a sua grande esperança e por isso toma a iniciativa e aproxima-se. Transgride conscientemente a lei e caminha na rua arriscando o pouco que possuía, pois, ao chegar junto de alguém incorria na pena de morte.  
Jesus responde da mesma forma, estende a mão e toca-lhe, com um gesto de proximidade. Imagino que só poderia ser com um gesto de ternura, tocado por tanta dor.
Do leproso não sabemos o nome mas... diz a Jesus uma frase lindíssima: -"SE quiseres podes CURAR-ME!"  E deste "se" depende todo o seu futuro..... Ele confia no Senhor!
Revejo-me neste leproso.... E  tal como ele eu poço dizer a Jesus: - "se quiseres podes curar a "lepra" do meu coração, a lepra que me corrói a alma e me afasta de Ti, a minha fragilidade... a minha infidelidade, as minhas faltas de amor. Qual é a vontade de Deus?... "se quiseres"... e Ele quer! Ele compadece-Se e revela-Se, revelando-nos o "coração" de Deus. "QUERO, fica limpo!" Deus quer-nos Limpos!
Jesus devolve ao leproso a dignidade de ser pessoa!  
O leproso ensina-nos que os milagres de Jesus passam pelos nossos gestos. Ajoelhando-se fez ouvir a sua voz, colocando o seu problema nas Suas mãos, aguardando o que Ele entende-se por bem decidir. Entregou-se... "QUERO..." e logo ficou curado!
Tal como o leproso, hoje muitas pessoas saem ao Seu caminho... Vão ao encontro... Sem medo, vão ter com os sem-abrigo, os marginalizados, as periferias... com os "leprosos" da sociedade...  com aquele que vive mesmo ali ao lado e que sofre (e que eu ignoro)… Há gente, santa gente, que vai  ao encontro de Jesus, no anonimato. Pessoas anónimas que se cruzam connosco e estão sempre disponíveis a "QUERER".... a servir na humildade.... Pessoas cheias de Jesus que hoje fazem milagres!
Para todos esses anónimos do AMOR vai o meu bem hajam e que a Força do Alto as proteja e as encha de coragem para continuarem a gastarem-se no Amor à Humanidade, pela fidelidade e Amor a um BEM MAIOR, que é Deus.
Senhor... se quiseres podes curar-me de tudo aquilo que me impede de estar Contigo: do meu orgulho, do meu comodismo, do meu egoísmo, da minha falta de paciência, da minha pressa, da minha incompreensão.... Senhor se quiseres podes fazer com que eu queira.... mas, tantas vezes me falta o gesto, aquele gesto parte de mim! Ajuda-me, sobretudo a CONFIAR em TI, para que o meu gesto possa ser autêntico, interior, doação...
Amigos, ouviram o barulho.... oiçam bem.... alguém bate à porta..... É a QUARESMA!
Ela aí está .... 4ª feira!
Despeço-me com uma saudação fraterna na Paz de CRISTO, nossa PASCOA 
ana saldanha (elemento da Equipa Casais Stª Maria/Colares)
Foto: Adoração ao SS. mo Sacramento

FALANDO COM AS MINHAS GAIVOTAS - PARTILHA DA CHATA

Olá, Deus!
Mais uma vez aqui estou, junto ao mar, falando Contigo sobre coisas do nada... mas que fazem parte de mim e... não só, mas também, das minhas amigas gaivotas e...de Ti.  Tu és  TUDO!... e eu apenas, com muita alegria, faço uma ínfima parte desse Tudo!
Hoje diverti-me com duas gaivotas que brincavam à  apanhada e que foram surpreendidas com o voar, em bando, das companheiras que atarefadas iniciaram o seu voo. 
Pergunto-me para onde iriam? Perguntei-lhes e elas disseram-me que estavam em aquecimento, pois iam voar muito tempo até à cidade. E eu disse-lhes: até à cidade porquê? O mar era delas... não a cidade!
A gaivota superiora, logo me disse que eu era tonta. Que elas não eram as senhoras de tudo... mas podiam voar e ir para outros lados, já que aqui ninguém as ouvia. Iam então à cidade falar de Ti... 
Fez-me lembrar o Filho do carpinteiro... também saís-Te da tua cidade... não Te levaram a sério... que podias fazer de bom? Fizeste e anunciaste maravilhas... não Te reconheceram!
E hoje? E eu, sempre Te reconheço no outro? 
Senhor Jesus, dá-me um coração humilde para que Te possa reconhecer, no rosto do outro e, testemunhando a cada momento da minha vida, com a alegria de quem sabe que ÉS o Companheiro e Amigo que nunca vai faltar, Te possa levar para todo o lado... a toda a gente... mesmo que não Te aceitem... Um dia disseste "Quem tem ouvidos que ouça "...
As minhas gaivotas já desapareceram na imensidão do céu azul... e eu vou também. ... esperam por mim e vou, não deixar-Te, mas pôr-me em movimento.
ana Saldanha (elemento da Equipa Casais Stª Maria/Colares)

«Se quiseres, podes curar-me»

«Quero: curado FICA»: Meditação Sobre o Evangelho de domingo
O Que Está Escrito Aqui Não É Uma fábula, sucede Realmente, Assim sucede. PESSOAS repletas de Deus conseguem Hoje Fazer como mesmas Coisas de Jesus. Repletas de Deus fazem milagres. Vão como leprosarias do Nosso Tempo: sem-teto, toxicodependentes, prostitutas, tocam-os, hum gesto de Afeto, um sorriso, e muitos, milhares e milhares, literalmente São curados dos SEUS machos, Tornando-se, POR vez sua, curadores .

sábado, 14 de fevereiro de 2015

Cardeal Patriarca de Lisboa D. Manuel Clemente


Presidente do Centro Nacional de Cultura destaca reflexão de D. Manuel Clemente sobre o país

Consistorio 2015: Guilherme d'Oliveira Martins Elogia Programa do novo cardeal português 
Lisboa, 14 fev 2015 (Ecclesia) - O presidente do Centro Nacional de Cultura (CNC), Guilherme d'Oliveira Martins, elogiou o novo cardeal português, D. Manuel Clemente, destacando como SUA "Dimensões cívica e religiosa".
"Num ritmo de incertezas São OS Sinais de Justiça that devem Ser invocados. E E de bom augurio Que o novo cardeal-patriarca de Lisboa, D. Manuel, FAÇA fazer Seu Programa pastoral sinodal Uma Caminhada, considerando a importancia da fundamentais colegialidade, da Partilha de Responsabilidades e da Convergência Comunitária ",, comunique o presidente do CNC, Num texto de Opinião Que integra uma nova edição do Semanário ECCLESIA.
Guilherme d'Oliveira Martins RecordA o "muito Que o novo cardeal TEM Pensado Sobre Portugal e Os portugueses" em Vários Escritos e Entrevistas, Numa Reflexão Que renova o Discurso dos "Homens da Igreja Que se NÃO limitam a revisitar Fórmulas Gerais e conhecidas, PROCURANDO Tirar como in Lições Necessárias da História Imediata ".
"Trata-se, sim, de nos refazermos A Partir de Quem Somos Realmente", acrescenta.
O presidente do CNC Afirma Que No ensinamento de D. Manuel Clemente se encontram ecos das Palavras dos Padres António Vieira e Manuel Bernardes, "que se centraram na Realidade de carne e Osso" dos Portugueses, "nem povo escolhido NEM povo enjeitado".
OC

D. Manuel Clemente dirige mensagem à Diocese de Lisboa, após ter sido criado Cardeal, pelo Papa Francisco


Cardinalato de D. Manuel Clemente

“Para o bem da Igreja”
O Cardinalato é “um serviço de ajuda, suporte e proximidade especial à pessoa do Papa e para o bem da Igreja”, referiu o Papa Francisco em carta recente enviada aos novos Cardeais da Igreja, entre os quais D. Manuel Clemente, Patriarca de Lisboa, que recebem este sábado, dia 14, o barrete e o anel cardinalício, em Roma.
Transmissões pelo site do Patriarcado
A entrega do barrete e do anel cardinalício no sábado, 14 de fevereiro, às 10h00 portuguesas, e a Santa Missa no Domingo, dia 15, às 9h00 de Portugal continental, vão ser transmitidas em direto pelo site do Patriarcado de Lisboa (www.patriarcado-lisboa.pt), a partir da emissão oficial da CTV, Centro Televisivo do Vaticano.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Uma proposta para viver a Quaresma em família

Ajudar as famílias e as comunidades cristãs a viverem o tempo da Quaresma e da Páscoa, de forma a “aprofundar e fortalecer a dimensão comunitária da família”. É este o objetivo da proposta ‘Do coração de Deus ao coração da família e do mundo’, elaborada em conjunto pelo Departamento da Pastoral Familiar e pelo Departamento da Catequese do Patriarcado de Lisboa.
“No espírito da caminhada sinodal procura-se que as famílias ensaiem experiências que as integrem no «sonho missionário de chegar a todos» a partir da experiência que fazem do amor de Deus e do testemunho que são chamadas a dar desse amor”, refere a proposta.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

- Almoço com o Pe. Paulo Gerardo -

Dia 17 Fev. 2015, Casa de Exercícios de St. Inácio, Alto do Rodízio - Colares
13h00 Missa, seguida de Almoço - € 15,00 por pessoa (incluído lembrança)
Inscrições: Almoçageme, Amália, ou  219289013 Cartório Paroquial de Colares

A CHATA VEM EM FIM DE TARDE..... DE DOMINGO!

Olá! Uma saudação cordial na Paz de Cristo.
Vimos, através do Evangelho de Marcos, que no antepenúltimo domingo Jesus convida Tiago, João, Simão e André  para O seguirem, no último, com os mesmos, entra numa sinagoga e hoje com Tiago e João vai a casa de Simão e André. Assim vemos Jesus a dar os primeiros passos da Sua Vida de Missão: CURAR, REZAR e ANUNCIAR.
Jesus mistura-se com a multidão e cura, devolvendo, não apenas a saúde física, mas no fundo é o Seu "dedo" que toca no íntimo de cada um, fazendo a cura milagrosa dos corações.
Jesus vai à nascente secreta da força: Orando regressa cheio de Deus e em sintonia com o Pai passa a anuncia-Lo.
Hoje O vemos (Marcos 1, 29-39) a curar a sogra de Simão ( Pedro), que se encontrava gravemente doente com febre (naquele tempo não havia os brufenes nem aspirinas, a febre era grave e matava). Que milagre tão pobre de pretensões, onde Jesus nem sequer fala....apenas os gestos. E aqui me detenho: quantas vezes procuramos respostas que não encontramos e esquecemos simplesmente os gestos, como os d'Ele: simples!
Jesus dá a resposta: aproxima-se , vai ao encontro da dor, não tem medo (e eu, quantas vezes me desvio?). Tomou-a pela mão e levantou-a. Jesus levanta-a e devolve-a à vida. E ela começou a servi-los. Tudo isto  em gestos de afecto e ternura... sem uma palavra!
Quantos gestos de "nada" eu perdi na estrada da minha agitação, com demasiadas coisa para fazer e que poderiam bastar para ajudar a soerguer uma vida?!
O segundo momento da vida de Jesus, na narrativa de Marcos, é a oração. Jesus  cria espaços e reza ao Pai muitas vezes durante a noite, longe do barulho. Afasta-se, recolhe-se na intimidade....
E eu Senhor? Tantas vezes desassossegada... Às vezes conversando Contigo e pensando em tanto ao mesmo tempo. Como Tu pudesses esperar mais um pouquinho.... Tem paciência para comigo Senhor.... Ajuda-me, ensina-me a orar a encontrar-Te, nascente que me dá vida interior, a sós Contigo. Sei que esta proximidade é possível, muitas vezes não a consigo ter e preciso da Tua ajuda para que seja mais presente
Por último Marco diz-nos que os discípulos vão ter com Jesus e partem para outras aldeias, outros lugares , outros homens ....a anunciar a Boa Nova. E como anuncio eu?
Peço a Deus, por mim e por ti, que Ele  nos torne humildes e sensíveis aos outros.
.Apertando outras mãos....Acolhendo ....Aproximando... Anunciando a  BOA NOVA.
Que a nossa generosidade não fique apenas perdida por ai, mas a encontremos na oração, nascente da nossa força, e tenhamos a coragem de sermos verdadeiramente seguidores de Jesus Cristo.
Com um abraço em Cristo, me despeço. Boa semana,
ana saldanha (elemento da Equipa Casais Stª Maria/Colares)

Curso Bíblico sobre São Marco

Dia 9/Fev. às 21h30 - SEGUNDA-FEIRA na varanda (Centro Social Paroquial de Colares)

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Mulheres devem ter condições para conciliar família e profissão, afirma papa, que denuncia violência sobre corpo feminino
«Todas as instituições, incluindo a comunidade eclesial, são chamadas a garantir a liberdade de escolha para as mulheres, para que tenham a possibilidade de assumir responsabilidades sociais e eclesiais de uma forma harmoniosa com a vida familiar», afirmou o papa na audiência aos participantes na assembleia plenária do Pontifício Conselho da Cultura. «Símbolo de vida, o corpo feminino é, infelizmente não raro, agredido e deturpado também por aqueles que deveriam ser os protetores e companheiros de vida», assinalou Francisco, referindo-se à violência conjugal.
foto: Fernand Leger | D.R
Papa sublinha que mulheres não são «hóspedes» mas «plenamente participantes» na vida da Igreja
Referindo-se ao tema da assembleia plenária do Pontifício Conselho da Cultura, Francisco manifestou-se convencido da «urgência de oferecer espaços às mulheres na vida da Igreja e de as acolher, tendo em conta as específicas e mutáveis sensibilidades culturais e sociais», pelo que «é desejável» uma presença feminina «mais capilar e incisiva nas comunidades», para que se «possam ver muitas mulheres envolvidas nas responsabilidades pastorais, no acompanhamento de pessoas, famílias e grupos, assim como na reflexão teológica».
Foto: Matisse | D.R

«Estamos neste caminho e vamos para a terra, onde todos acabaremos».

Papa Francisco medita sobre a sua morte e lembra vítimas do ódio aos cristãos
O martírio dos cristãos não pertence ao passado, porque hoje há muitos que são vítimas «de gente que odeia Jesus Cristo», afirmou hoje o papa Francisco na missa a que presidiu, no Vaticano, em que se deteve sobre a vida e morte de S. João Batista.
Tratou-se de uma das homilias mais tocantes na Casa de Santa Marta, em que o papa seguiu o Evangelho proclamado nas eucaristias desta sexta-feira (Marcos 6, 14-29), que narra a morte daquele que preparou o caminho de Jesus e o batizou.
É sobretudo quando é preso por ordem de Herodes Antipas que «o maior dos homens nascido de uma mulher» se torna «pequeno, pequeno, pequeno», observou Francisco sobre João Batista, detido por vontade de Herodíades, esposa de Filipe, irmão do monarca, que este tinha tomado por mulher.
Após uma dança que agradou aos reis e aos seus convidados, a filha de Herodíades recebeu de Herodes a promessa de que receberia tudo o que ela quisesse; ela, aconselhando-se com a mãe, pediu a cabeça de João Batista, pedido a que o rei acedeu, consternado, por não poder voltar atrás com a promessa proferida em público.
João Batista, frequentemente retratado na arte a apontar para Jesus – ou para um cordeiro -, sinal do contínuo aniquilamento de si e prefigurando a aniquilação daquele de quem era precursor, termina a sua vida «sob a autoridade de um rei medíocre, embriagado e corrupto, pelo capricho de uma bailarina e pelo ódio vingativo de uma adúltera».
«Assim acaba o grande, o maior homem nascido de mulher», vincou o papa», que acrescentou: «Quando leio este trecho, confesso que me comovo».
Francisco comentou as duas ideias que lhe surgem sempre que medita naquela passagem bíblica: «Primeiro, penso nos nossos mártires, os mártires dos nossos dias, aqueles homens, mulheres e crianças que são perseguidos, odiados, expulsos das casas, torturados, massacrados. E isto não é uma coisa do passado: hoje acontece isto».
«Os nossos mártires, que acabam a vida sob a autoridade corrupta de gente que odeia Jesus Cristo. Far-nos-á bem pensar nos nossos mártires. Hoje pensamos em Paulo Miki [que a Igreja católica evoca a 6 de fevereiro, juntamente com os seus companheiros], mas isso aconteceu no século XVII. Pensemos naqueles de hoje, de 2015», acentuou.
O caminho de João Batista, «continuamente até ao nada», faz o papa pensar no fim da sua existência: «Estamos neste caminho e vamos para a terra, onde todos acabaremos».
«Também eu acabarei. Todos nós acabaremos. Ninguém tem a vida “comprada”. Também nós, querendo ou não querendo, percorremos o caminho da aniquilação existencial da vida, e isto, pelo menos a mim, faz-me rezar para que esta aniquilação se assemelhe o mais possível a Jesus Cristo, à sua aniquilação», afirmou Francisco.

Alessandro De Carolis / Rádio Vaticano 
Trad. / edição: Rui Jorge Martins 
Publicado em 06.02.2015

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Pastoral da Cultura

Mão na mão com o Infinito: Meditação sobre o Evangelho de Domingo
Marcos apresenta o relato da jornada-tipo de Jesus, ritmada sobre as suas três ocupações preferidas: mergulhar na multidão e curar, fazer com que as pessoas fiquem bem; mergulhar na fonte secreta da força, a oração; e daí regressar envolvido em Deus e anunciá-lo. Tudo parte da dor do mundo. E Jesus toca, fala, agarra as mãos. O milagre é, na sua beleza jovem, o início da boa nova, o anúncio de que é possível viver melhor, encontrar vida em plenitude, viver uma vida bela, boa, alegre.
Comissão Nacional Justiça e Paz diz que diálogo entre culturas e religiões é «urgente» e que liberdade de expressão «tem limites»
O texto salienta que «não podem confundir-se expressões marginais de fanatismo extremista, que instrumentaliza a religião islâmica em função de um projeto ideológico e político, com o sentir da maioria dos muçulmanos, nestes incluindo os que vivem em Portugal e os seus representantes». Por outro lado, a promoção «do encontro e da hospitalidade supõe a criação de condições materiais de vida conformes à dignidade humana», pelo que «tão urgente como o diálogo entre culturas e religiões é a remoção de fatores que conduzem à pobreza e exclusão social».

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

- Grupos de Caminhada Sinodal:

3ª feira:
15h30 - na Azóia (contacto Laura 968125314) 
20h30 - em Almoçageme 
21h00 - no Mucifal
4ª feira:
21h00 - em Colares e na Praia das Maçãs  
5ª feira: 
21h00 - nas Azenhas do Mar
Domingo:
10h00 - no Penedo   
10h30 - em Colares.

Vaticano: Papa alerta para «ideologias» que destabilizam a família

Francisco manifestou preocupação pelas consequências do «secularismo», em encontro com bispos da Lituânia
Cidade do Vaticano, 02 fev 2015 (Ecclesia) - O Papa Francisco alertou hoje no Vaticano para as consequências das “ideologias” que procuram destabilizar a família, em particular na Europa, durante um encontro com bispos da Lituânia.
“Também o vosso país, que acaba de entrar na União Europeia a título pleno, está exposto ao influxo das ideologias que gostariam de introduzir elementos de destabilização das famílias, fruto de um sentido de liberdade pessoal mal compreendido”, assinalou, no discurso entregue aos responsáveis católicos.
Francisco evocou o período de reflexão sobre a família que se vive na Igreja, entre as duas assembleias do Sínodo dos Bispos dedicadas a este tema, pedindo que todos contribuam nesta “grande obra de discernimento”.
O Papa elogiou a coragem dos católicos lituanos durante os anos de perseguição do regime comunista do século XX, fruto de “ideologias contrárias à dignidade e à liberdade humanas”, pedindo que essa mesma força seja utilizada para combater “o secularismo e o relativismo” de hoje.
Esse esforço, precisou, exige um “anúncio incansável” dos valores cristãos e um “diálogo construtivo” com todos, incluindo os que estão “longe da experiência religiosa”.
“Que as comunidades cristãs sejam sempre locais de acolhimento, de debate aberto e construtivo”, apelou.
A intervenção recordou ainda os “necessitados, desempregados, doentes e abandonados” da sociedade, para referir a necessidade de que a Igreja esteja junto deles.
OC

domingo, 1 de fevereiro de 2015

A CHATA VEM FAZER UMA PERGUNTA: "QUE TENS TU A VER CONNOSCO, JESUS NAZARENO?"

OLÁ! Uma santa tarde, descansadinha e calma é o que vos desejo.
Pois claro, cá estou para vos chatear!
Pelas leituras bíblicas que escutámos na Eucaristia de hoje, especialmente o Evangelho (Marcos 1,21-28) conjugado com a 1ª Leitura (Dt 18,15-20), chegamos facilmente à conclusão que o profeta prometido por Deus a Moisés (1ª Leitura) é o próprio JESUS CRISTO.
Logo, nas primeiras linhas do Evangelho percebemos que Jesus não é somente um profeta, Ele é mais do que um profeta, Ele é Aquele que traz a NOVIDADE. Ele é um profeta porque vem em nome de Deus e fala em nome de Deus, mas... Jesus vem-nos trazer a imagem amorosa  de Deus, demonstradas pelas Suas palavras e acções. Jesus vem dar-nos a conhecer o Pai, um Pai misericordioso, e a ensinar-nos a relacionar-mo-nos com Ele.
Jesus sabe que vem da parte do Pai e que a Sua Missão é restaurar  as relações entre Deus e o Homem... aproximar-mo-nos, através d'Ele ao Pai. Ou seja, Jesus é o profeta de Deus como mensageiro da BOA NOVA. Ele próprio É A BOA NOVA, o revelador do Pai, a Palavra encarnada.
Jesus vem-nos dizer quem é Deus e não apenas dizer, como os profetas, "o Senhor diz..."
Jesus é o Santo de Deus. É a novidade! Daí que a multidão daquele tempo se interrogasse: "que vem a ser isto?" ou "uma nova doutrina? Com que autoridade".
Será que, hoje, para mim, Jesus constitui uma novidade? Uma nova doutrina? Com que autoridade? São interrogações de hoje e para o nosso tempo, que se colocam nas nossas vidas.
Jesus vem-nos dizer que Deus é gratuitidade, misericórdia, amor contrastando, hoje como ontem, com a vingança, a falta de perdão, o ódio, a indiferença.... tantos sentimentos que às vezes nos enchem o coração e tão distantes desta NOVIDADE! Tão distantes... que me afastam de Deus e de ti, meu irmão!
Será que eu aceito mesmo esta NOVIDADE?
Quem sou eu para que Ele aceitasse carregar-me ao colo? Que tem Ele a ver comigo?
Que tenho eu a ver com Ele? Que tenho eu a ver contigo, meu irmão?
Será que eu sou uma cristã tradicional, vivendo a "minha" fé, a minha vidinha, como rotineira e domingueira? Será que o Evangelho (Jesus) entra na minha vida concretamente como uma novidade e com a força para me fazer mudar e converter?
Que o Senhor nos dê o DOM de acolher... acolher esta novidade que É Jesus e que se nos oferece. Ele mesmo!
Ajuda-nos a descobrir o que nos afasta e separa de Ti, para que possas contar connosco, abrindo as portas do nosso coração para acolher a Tua bondade em nossas vidas.
SÓ CONTIGO por companheiro eu poderei estar mais próximo, para que, Tu Senhor, possas ter a ver comigo e... eu contigo, amigo que caminhas a meu lado.
Termino, pois foram longas as minhas letras.
Abraço na PAZ DE CRISTO, que TUDO TEM A VER CONNOSCO, porque nos transmite as coisas do PAI com sabedoria, compromisso, fidelidade e... muito Amor!
ana saldanha(elemento da Equipa Casais Stª Maria/Colares)

IV Domingo do tempo comum - Ano B

Deus do deslumbramento, liberta-nos de tudo o que nos mantém cativos: Meditação sobre o Evangelho de Domingo
Ele é o Deus chamado liberdade e que se opõe a tudo o que aprisiona o homem. Os demónios dão-se conta: o que há entre nós e Tu, Jesus de Nazaré? Vieste para nos arruinar? Sim, Jesus veio para arruinar tudo o que arruína o homem, veio para demolir prisões; veio trazer espada e fogo para cortar e queimar tudo o que não é amor. Veio para arruinar o reino dos desejos equivocados que se apoderam e devoram o homem: dinheiro, sucesso, poder, egoísmos.