quarta-feira, 24 de maio de 2017

Mensagem do Cardeal-Patriarca de Lisboa para a Festa da Família

Caríssimas famílias do Patriarcado de Lisboa
No Domingo 28 de maio vamos celebrar em Alcobaça a festa diocesana da Família. Este ano com o tema que o Papa Francisco desenvolveu na sua exortação pós-sinodal: A Alegria do Amor.
Porque disso mesmo se trata, ou seja, da verdadeira alegria que apenas se alcança vivendo com os outros e para os outros, na permanente atenção recíproca, na constante dádiva de si. Porque «é dando que se recebe», como Jesus viveu e ensinou.
A proposta familiar cristã - a mesma que Jesus enunciou - é isso mesmo, uma proposta de alegria que perdura no amor que persiste. Que persiste porque supera todo o egoísmo e assim se faz comunhão autêntica, sempre com os outros, sempre mais além no conjunto, sempre mais eterna em Deus e com a sua graça renovadora.
Por isso mesmo, preparar e acompanhar a vida familiar é tarefa prioritária das comunidades cristãs, para se tornarem autênticas “famílias de famílias”. E isto mesmo se conseguirá, com o testemunho e a colaboração dos casais e famílias que vivem a proposta evangélica.
Será esta também a experiência de convívio, partilha e celebração que viveremos intensamente em Alcobaça no Domingo 28 de maio - e muito especialmente com os casais que celebram datas marcantes do seu matrimónio.
- Lá vos espero a todos!

+ Manuel, Cardeal-Patriarca

Pensamento do dia

É preciso viver com a certeza de que Deus se compadece das nossas fraquezas e desculpa as nossas faltas; só deseja é que mostremos um pouco de boa vontade.

Fátima Missionária

Fome ameaça de morte 700 mil crianças 

Organização cristã de ajuda humanitária está preocupada com a situação de crise alimentar que se vive em África, onde 25 milhões de pessoas necessitam de ajuda urgente. Milhares de menores estão em risco de vida


A seca severa que afeta a zona este de África está a causar a falta de água e de pasto, que tem como consequência uma drástica diminuição do gado. A produção de leite e carne é muito escassa e os preços dos cereais nos mercados aumentaram consideravelmente. Esta redução geral do acesso aos alimentos, associada à falta de água, provocou um aumento dos surtos de doenças e da taxa de mortalidade», alerta a organização cristã World Vision, em comunicado.

Segundo os responsáveis da instituição, há neste momento 25 milhões de pessoas a necessitar de «ajuda imediata» e 700 mil crianças à beira da morte, por falta de comida. Para assegurar assistência humanitária de emergência na zona seriam necessários 98 milhões de euros com urgência.

«As crianças estão a morrer no Sudão do Sul e na Somália e muitas estão à beira da morte no Quénia e Etiópia. Não podemos esperar mais. É necessária ajuda rápida para obter alimentos e água e poder salvar vidas e reverter esta ameaça», sublinha o diretor da Resposta Humanitária da World Vision, Christopher Hoffman.

A organização calcula que mais de 3,5 milhões de crianças sofrem de má nutrição grave nestes países, uma taxa muito acima do aceitável, e 700 mil sofrem de desnutrição aguda, estando por isso em perigo de vida.

Penedo - Sexta-feira 26 de Maio


Azenhas do Mar - Quinta-feira 25 de Maio


300 anos PATRIARCADO DE LISBOA


segunda-feira, 22 de maio de 2017

Pastorinhos de Fátima

Santo Francisco Marto
Santa Jacinta Marto


Lisboa: Cardeal-patriarca desafia estudantes finalistas à «criatividade»

Cidade Universitária recebeu milhares de jovens que se preparam para um nova etapa de vida 

Lisboa, 20 mai 2017 (Ecclesia) - O cardeal-patriarca de Lisboa apelou hoje à "criatividade" dos jovens, para fazerem face aos desafios no mundo laboral, durante a cerimónia da bênção dos finalistas de todas as instituições académicas da diocese.

Numa intervenção lida no início da celebração, por motivos de se encontrar em "serviço fora do país", D. Manuel Clemente fez votos de que todos possam encontrar "feliz realização nas suas vidas e nos seus projetos", na "complexidade do mundo atual".

Para isso, é preciso "competência criativa" dos mais novos, e ao mesmo tempo que estes "participem" também "na criativade divina", na realização do projeto que Deus tem para cada um.

"Não há maior  bênção do que aceitar e cumprir a vontade de Deus, como fez e nos ensina a fazer Nossa Senhora. E a vontade de Deus é alcançar o bem de todos, com os talentos que dá a cada um. Deus vos abençoe sempre", escreveu D. Manuel Clemente. 

A cerimónia de bênção, presidida por D. Nuno Brás, bispo-auxiliar de Lisboa, reuniu milhares de finalistas, acompanhados dos familiares e amigos, e também dos docentes e funcionários das várias instituições.

JCP 

sábado, 20 de maio de 2017

O que fazer quando perdemos a vontade de rezar?

Oração & Vida Interior 

Perdi a vontade de rezar. E agora?

Há horas em que não sinto a menor vontade de dialogar c
om algumas pessoas, mas, porque preciso, acabo deixando minha vontade de lado e vou ao encontro delas, converso, trabalho, convivo e sigo em frente. Com Deus não é diferente. Às vezes, envolvo-me tanto com as coisas, que não sinto vontade de falar com Ele, ou seja, de rezar, mas porque sei que preciso e, até mais, dependo da Sua graça, vou ao Seu encontro por meio da oração.

É claro que isso exige empenho e perseverança, porque, na verdade, a vida de oração é um conquista diária; e como nenhuma conquista é isenta de lutas, é preciso lutar para ser orante. Aliás, Santa Teresa de Jesus afirma, em sua autobiografia, que oração e vida cômoda não combinam em nada; ela lembra ainda que uma das maiores vitórias do demônio é convencer alguém de que não é preciso rezar. Ou seja, quando o assunto é vida de oração, é preciso ter consciência de que se trata de um luta espiritual, e para vencer o único caminho é rezar com ou sem vontade. Até porque, como diz o ditado popular, “vontade dá e passa”. Se eu escolho deixar-me guiar apenas pelo meu querer, corro o risco de ser vazia, sem sentido.

Deserto espiritual
Eu sei que, com o passar do tempo e o acúmulo de atividades, corremos o sério risco de, aos poucos, irmos deixando a oração de lado ou rezarmos de qualquer jeito, até chegarmos a um “deserto espiritual” e termos uma certa apatia quando o assunto é oração. Mas é justamente, nesta hora, que precisamos ir além dos sentimentos e considerarmos que o “deserto também é fecundo” quando vivido em Deus, e pela sua misericórdia em nossa vida tudo é graça!

Consolações e desolações, alegria e tristeza, perdas e ganhos, tudo é fruto do amor de Deus, o qual permite vivermos as provas enquanto nos chama a crescermos e frutificarmos em toda e qualquer situação. Portanto, no ponto em que você está agora, volte a fixar sua alma em Deus e permita que Ele lhe devolva a si mesmo, pela força da oração.

Ao absorvermos tanta agitação e estímulos em nossos dias, acabamos perdendo o contato com nossa verdadeira essência, e ficamos tão distraídos e preocupados com tudo o que está acontecendo a nossa volta, que acabamos fragmentados, confusos e inseguros, sem nos lembrarmos de onde viemos, onde estamos e menos ainda para onde vamos. Só Deus pode nos reorientar.

Jesus tinha consciência disso quando disse a Seus discípulos: “Vigiai e orai, para não cairdes em tentação” (Mateus 26,41); eu diria, principalmente, a tentação de esquecer quem é você e qual é o seu papel neste mundo.

Então, vamos rezar?
Deixo aqui algumas pistas que podem servir para abrir caminho no seu relacionamento com Deus. Quando encontrar sua própria trilha, caminhará livremente e cada vez mais experimentará a alegria, que está na presença d’Ele por meio da oração.

1- Escolha o horário e o tempo que quer dedicar à sua oração e procure ser fiel a esse propósito. Assim como nos alimentamos diariamente, a oração deve ser o alimento diário da alma, aconteça o que acontecer.

2- Fundamente sua oração na Palavra de Deus e na Sua verdade. Fale com Ele com confiança e sem reservas, como quem fala com um amigo. Agindo assim, encontrará a paz e a harmonia interior que tanto procura, pois, como ensina São João da Cruz, “o conhecimento de si mesmo é fruto da intimidade com Deus, e é o meio essencial para a liberdade interior”.

3- Reze com humildade, detendo-se sempre na palavra: “Seja feita a vossa vontade”. Lembre-se de que sua oração não pode ser movida simplesmente por gosto ou exigência, mas, acima de tudo, por gratuidade e confiança na misericórdia de Deus.

4- Pratique o que você rezou e não desvincule suas obras da oração, pois uma coisa tem tudo a ver com a outra. Caridade, perdão, alegria, confiança, fraternidade e paciência são características de quem reza.

5- Tenha seu próprio ritmo de oração. A imitação e a comparação não ajudam em nada. A vida dos santos, por exemplo, são setas que apontam para o céu, mas é você quem deve dar seus próprios passos para chegar até lá. Desejo que em cada amanhecer e também nas “noites escuras” você experimente pela oração o amor e a verdadeira felicidade, uma vez que esta consiste em amar e sentir-se amado. E ninguém nos ama tanto quanto Deus. Se alguma vez você perder a vontade de rezar, já sabe o que deve fazer: reze assim mesmo e seja feliz!

Procissão de velas

- SÁBADO: Missa nas Azenhas do Mar às 21h00, seguida de Procissão de velas em honra de Nossa Senhora.
- DOMINGO: Celebração Mariana às 21h00, seguida de Procissão de velas em Honra de Nossa Senhora em A
lmoçageme.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Hoje SEXTA-FEIRA:

-  Procissão de velas em Honra de Nossa Senhora na Azóia às 21h00.
- Conferência Vicarial sobre a “Eutanásia” em Rio de Mouro às 21h30, com a Dra. Isabel Galriça e o Professor Fausto Quadros. Quem desejar participar encontramo-nos na Igreja de Colares às 21h00.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Fátima 2017: Vaticano divulga oração que o Papa vai fazer na Capelinha das Aparições

Cidade do Vaticano, 08 mai 2017 (Ecclesia) - O Vaticano divulgou hoje a oração que o Papa vai fazer na Capelinha das Aparições, a 12 de maio, na sua primeira intervenção pública em Fátima, pelas 18h15.

Francisco começa por evocar a “Senhora da veste branca”, no local onde há cem anos mostrou “os desígnios da misericórdia do nosso Deus”, e apresenta-se como “bispo vestido de branco”.

“Seremos, na alegria do Evangelho, a Igreja vestida de branco, da alvura branqueada no sangue do Cordeiro derramado ainda em todas as guerras que destroem o mundo em que vivemos”, vai recitar o Papa.

A oração, disponível no Missal oficial da viagem, da responsabilidade do Departamento das Celebrações Litúrgicas do Sumo Pontífice (Santa Sé) apresenta as causas da paz e as “dores da família humana.

O Papa recorda o exemplo dos “bem-aventurados Francisco e Jacinta”, os pastorinhos que vai canonizar a 13 de maio, e de todos os que se entregam à mensagem do Evangelho.

“Percorreremos, assim, todas as rotas, seremos peregrinos de todos os caminhos, derrubaremos todos os muros e venceremos todas as fronteiras, saindo em direção a todas as periferias, aí revelando a justiça e a paz de Deus”, acrescenta o texto.

A oração conclui-se com uma consagração do Papa à “Virgem do Rosário de Fátima”, antes de venerar a imagem da Capelinha e ali depositar um presente de homenagem.

Francisco vai estar em “oração silenciosa” antes de se retirar para a Casa de Nossa Senhora das Dores.

O Papa regressa ao local, às 21h30, para a bênção das velas antes da recitação do rosário, acendendo ele próprio uma vela.

“Dignai-Vos abençoar estas velas, que acendemos em Vosso louvor; e por intercessão da Virgem Mãe, que aqui se manifestou revestida da Vossa luz, fazei que perseveremos na fé, até que um dia, quando o Senhor vier, possamos ir ao Seu encontro, com todos os Santos, no Reino dos Céus”, vai rezar com os peregrinos.

Francisco vai fazer então a sua segunda intervenção em Fátima, antes da recitação do rosário, seguindo-se a procissão das velas e a Missa presidida pelo cardeal Pietro Parolin, secretário de Estado do Vaticano.

OC

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Colóquio organizado pela Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa


INSCRIÇÕES em www.ft.lisboa.ucp.pt  
                                           PROGRAMA

TOTUS TUUS MARIA

Caríssimos,
hoje vimos lembrá-los dos vários pontos que a irmã Antonella referiu no retiro que fizemos, para o dia da Consagração que será já neste Domingo, dia 07 de Maio, na Missa das 12.00h, na igreja Paroquial de Colares:

1. Chegar com alguma antecedência (de preferência 11:30h) para fazer uma boa preparação  e ir ao encontro das irmãs que estarão à porta da igreja para entregar o "kit da Consagração".

2. O "kit consagração" é composto por uma cadeiazinha (tipo pulseira), uma vela (para renovar as promessas Baptismais), uma medalha e a fórmula da Consagração. O kit não tem nenhum preço, mas quem quiser poderá fazer a sua contribuição para diminuir o encargo deste custo às irmãs.

3. Quem preferir, pode levar a sua vela Baptismal para renovar as promessas do Baptismo.

4. Cada pessoa que se vai consagrar deve levar uma flor para oferecer a Nossa Senhora.

5. Devem levar vestida uma peça de roupa branca, de forma a relembrar o Baptismo.

6. Quem preferir pode escrever com o seu próprio punho a fórmula de consagração (deve levar esta já preparada), em vez de utilizar a fórmula que já está impressa, para tal pode copiá-la do livro TRATADO DA VERDADEIRA DEVOÇÃO À SANTÍSSIMA VIRGEM, se for o que as irmãs trouxeram está na página 222, se for outra edição terá um titulo idêntico a:  CONSAGRAÇÃO A JESUS CRISTO, A SABEDORIA ENCARNADA, PELAS MÃOS DE MARIA. Ou no livro dos Exercícios Espirituais para a consagração, encontra-se na página 124 com o mesmo titulo.

7. As pessoas que se irão consagrar devem sentar-se nos bancos mais à frente que estarão reservados para o efeito.


Antes de terminar gostávamos de vos fazer uma proposta.
Como sabem as irmãs moram em Vila Viçosa e foi de lá que vieram todos os sábados para nos prepararem para a consagração. Evidentemente que os gastos de gasolina e portagens são enormes. Além destes gastos há ainda a necessidade de se sustentarem (alimentação, luz, gás, etc) mesmo tendo vendido os livros, com o preço que tinham não sobrará muito...
A proposta seria:  As irmãs cuidaram de nós, agora nós queremos cuidar delas.
Então, vamos colocar nas portas da Igreja de Colares, no dia da Consagração um cesto para quem quiser ajudar deixando alimentos para as irmãs levarem para o Convento e  uma caixa com a indicação de "Irmãs" para quem preferir deixar a sua ajuda em dinheiro. Claro que não é obrigatório, mas fica entregue à boa vontade de cada um, sabendo que do pouco se faz muito.

Foi muito bom esta caminhada que fizemos juntos. Foi muito bom estreitar laços com quem já conhecíamos e uma alegria poder conviver com quem ainda não nos tínhamos cruzado. É bom ver como Cristo e Nossa Senhora nos juntam, nos fazem sentir e ser  família.

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo,
para sempre seja louvado com Sua Mãe Maria Santíssima.

Até Domingo se Deus quiser.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Igreja: Papa Francisco presta homenagem aos mártires dos séculos XX e XXI

Iniciativa promovida pela Comunidade de Santo Egídio, em Roma, vai dar voz à irmã do padre Jacques Hamel, assassinado em França

Cidade do Vaticano, 22 abr 2017 (Ecclesia) – O Papa Francisco vai rezar hoje em Roma pelos "novos mártires" dos séculos XX e XXI, numa iniciativa promovida pela comunidade católica de Santo Egídio.

No decorrer da celebração, estão previstos testemunhos de parentes e amigos de três mártires cuja memória está preservada na Basílica de São Bartolomeu, incluindo a irmã do padre Jacques Hamel, assassinado durante a Missa em Rouen, na França, a 26 de julho de 2016.

Após a homilia, o Papa vai passar em homenagem pelas seis capelas laterais da Basílica que conservam relíquias de mártires da Europa, África, América e Ásia, adianta a Rádio Vaticano.

“Vão ser acesas velas para acompanhar a oração pronunciada em memória das testemunhas da fé do século XX até os nossos dias: serão lembrados os arménios; os cristãos massacrados durante a I Guerra Mundial; os mártires da paz e do diálogo como os monges trapistas na Argélia; o padre Andrea Santoro na Turquia; as vítimas da máfia”, acrescenta a nota.

Os presentes vão rezar ainda por figuras como a do arcebispo salvadorenho D. Oscar Arnulfo Romero, os bispos Mar Gregorios Ibrahim, Paul Yazigi e opadre Paolo Dall’Oglio, de quem não se tem notícia desde que foram sequestrados na Síria.

No final da oração, o Papa Francisco vai encontrar-se com um grupo de refugiados que chegou à Itália graças aos corredores humanitários criados com o apoio da Comunidade de Santo Egídio, além de mulheres vítimas do tráfico humano e menores desacompanhados.

Desde o Jubileu do ano 2000, a pedido de São João Paulo II, a Basílica de São Bartolomeu custodia relíquias de mais de trinta mártires.

A Comunidade de Santo Egídio é uma organização católica fundada em 1968 por Andrea Riccardi, no bairro de Trastevere, em Roma, Itália, que se dedica à caridade, à evangelização e à promoção da paz.

Atualmente este movimento de leigos está presente em mais de 70 países, incluindo Portugal.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

APENAS O CORAÇÃO PODE BATER

Canonização: Cardeal-Patriarca de Lisboa recebe notícia com "muita alegria"

O Cardeal-Patriarca de Lisboa afirmou que foi "com muita alegria" que recebeu a notícia de que a canonização de Francisco e Jacinta Marto vai ter lugar "na sua terra", em Fátima, a 13 de maio, durante a Peregrinação do Papa.
"Mais viva fica ainda a celeste notícia que aí mesmo nos transmitiram", assinalou D. Manuel Clemente, numa mensagem através da rede social Twitter.
A decisão sobre o local e data da canonização foi anunciada hoje pelo Papa Francisco na reunião pública do Consistório, realizada no Palácio Apostólico do Vaticano.
A cerimónia vai decorrer durante a Missa da primeira Peregrinação Internacional Aniversária do Centenário das Aparições, presidida pelo Papa Francisco.
Clique para ver mais informação:
www.papa2017.fatima.pt 

Sexta-feira, 21 às 21h00 em Colares - A caminho com os Santos

Consagração Total a Nossa Senhora


sábado, 15 de abril de 2017

O grande silêncio

"E um grande silêncio se estendeu sobre a terra. Um grande silêncio e uma grande solidão"

DEUS
Desde ontem à tarde. Parece que tudo parou. A capela está deserta, as luzes apagadas, o sacrário vazio.
Apenas o crucifixo a lembrar a morte de Jesus. Mas Ele já lá não está. Foi descido da cruz, entregue a Sua Mãe e depositado num sepulcro vazio. À porta, uma grande pedra.
"Um grande silêncio e uma grande solidão..."
Durante vinte e quatro horas como que nos sentimos órfãos e esmagados pela cruz. Sim! É que Jesus não está mas a cruz permanece lá, à espera que a façamos nossa e, com Jesus, deixemos que ela faça parte do nosso dia-a-dia.
Olho a minha cruz vazia. Também ela tem um Cristo ausente à espera que seja eu que me ofereça para preencher este vazio.
Mais um sábado Santo. Mais uma sucessão de angústias, dores, interrogações.
Mas logo, será a ressurreição. Que nos tenhamos preparado, através da paixão e da morte, para esta nova Vida, é o que o Senhor espera de nós.


Ir. Maria Teresa de Carvalho Ribeiro,o.p.

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Semana Santa: Via-Sacra no Coliseu de Roma recorda «banalidade do mal» e vítimas da violência

Meditações propostas por teóloga francesa 

Cidade do Vaticano, 12 abr 2017 (Ecclesia) - As meditações da Via-Sacra a que o Papa vai presidir esta Sexta-feira Santa no Coliseu de Roma evocam a “banalidade do mal”, numa proposta da teóloga francesa Anne-Marie Pelletier.

“São inúmeros os homens, as mulheres e até as crianças abusadas, humilhadas, torturadas, assassinadas, sob todas as dimensões do céu e em cada momento da história”, refere o texto da biblista, a primeira mulher a ser distinguida com o Prémio Joseph Ratzinger, uma espécie de Nobel da Teologia.

As reflexões para as 14 estações que evocam momentos do julgamento, condenação e execução de Jesus Cristo apresentam-se com uma proposta diferente em relação ao esquema tradicional destas celebrações, para evocar a presença do mal na humanidade.

“Trata-se do nosso mundo, com todas as suas quedas e os seus sofrimentos, os seus apelos e as suas revoltas, tudo aquilo que clama a Deus, hoje, a partir das terras de miséria ou de guerra, nas famílias dilaceradas, nas prisões, nas barcaças sobrecarregadas de migrantes”, sustenta.

Anne-Marie Pelletier cita Santa Catarina da Siena, a judia Etty Hillesum, o teólogo ortodoxo Christos Yannaras e o pastor Dietrich Bonhoeffer, entre outros.

A Via-Sacra do Coliseu de Roma recorda ainda os monges assassinados em Tibhirine, sete religiosos trapistas sequestrados e mortos na Argélia em 1996.

“À prece «Desarmai-os!», ajuntavam a súplica: «Desarmai-nos!»”, refere a autora.

Para a biblista francesa, era necessário que “Jesus Cristo trouxesse a ternura infinita de Deus até ao coração do pecado do mundo”.

“Era necessário que a doçura de Deus visitasse o nosso inferno; era a única maneira de nos livrar do mal”, acrescenta.

A 14ª estação reflete sobre ‘Jesus no sepulcro e as mulheres’, rezando pelas mulheres “mulheres que honram, neste mundo, a fragilidade dos corpos que elas circundam de doçura e consideração”.

A tradição da Via-Sacra no Coliseu de Roma remonta ao século XVIII e foi retomada em 1964 pelo Papa Paulo VI.

Todos os anos, o Papa pede a um autor diferente a redação dos textos de reflexão apresentados nas estações da Via Sacra de Sexta-feira Santa, seguida por dezenas de milhares de peregrinos, com velas na mão.

Nos últimos anos, as meditações tinham sido confiadas ao cardeal Béchara Boutros Raï, patriarca de Antioquia dos maronitas (Líbano), com a colaboração de vários jovens do seu país (2013); ao arcebispo italiano D. Giancarlo Maria Bregantini (2014); ao bispo italiano D. Renato Corti, antigo responsável pela diocese de Novara (2015); e ao cardeal Gualtiero Bassetti, da diocese italiana de Perugia (2016).

OC

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Patriarca de Lisboa surpreendido “positivamente” com resultados da actual maioria

10 abr, 2017 - 06:52 • Aura Miguel , José Pedro Frazão , Joana Bourgard , Inês Rocha
Solução de esquerda não parecia “natural”, mas está a conseguir coisas “positivas”, do défice ao desemprego. A “distensão” ajuda “a resolver os problemas de outra maneira”, diz D. Manuel Clemente em entrevista à Renascença.


O cardeal patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, diz que a solução que apoia o Governo no Parlamento está a obter alguns resultados “positivamente” surpreendentes. Para D. Manuel Clemente, houve uma viragem na sociedade portuguesa e vêem-se “alguns sinais de recuperação económica” e de “descrispação”, um clima que “ajuda a resolver os problemas de outra maneira”.

“Quando foram as últimas eleições, estivemos diante de resultados que deixaram muita gente perplexa. Como é que isto agora se vai resolver? Há um partido que é o mais votado, mas que não tem votação suficiente para formar governo, mesmo aliado com o partido com que estava aliado antes. Talvez fosse mais natural, atendendo ao que tinha acontecido até aí, que as alianças acontecessem no chamado arco governamental. Mas não foi assim e assim nasceu uma outra coligação, pelo menos no Parlamento, que sustenta o Governo. E as coisas têm andado e têm andado de uma maneira que, nalguns aspectos, é surpreendente e positivamente surpreendente”, diz D. Manuel Clemente, numa entrevista para ouvir e ler na íntegra pelas 17h00, esta segunda-feira, na Renascença.

No final desta conversa, D. Manuel Clemente faz uma revelação: admite voltar a fazer rádio na Renascença. “Aquilo tinha muita vitalidade, muita actualidade. Disso tenho pena. Mas, enfim... Daqui por seis anos, faço 75 e, se o Papa da altura me dispensar destas funções, volto à rádio [risos].”

quinta-feira, 6 de abril de 2017

DOMINGO DE RAMOS NA PAIXÃO DO SENHOR

Foto: Avelino Lima/DM
No próximo domingo, 9 de abril, a Igreja celebra o Domingo de Ramos, que dá início à Semana Santa. É durante a Semana Santa, que termina com a Páscoa, que a Igreja celebra os mistérios da paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo.

Liturgicamente, o Domingo de Ramos assinala a entrada de Jesus em Jerusalém, acolhido, com grande alegria, por uma multidão que O aclamava como o Messias. Para lá da alegria espontânea da multidão, porém, permanece a rejeição dos chefes do povo judeu, que veem em Jesus um agitador religioso e político.

Este contexto ambíguo explica que, na Eucaristia do Domingo de Ramos, se faça a leitura completa da Paixão do Senhor, anunciando já os acontecimentos que terão lugar dias depois.

O Papa Francisco convida-nos «a viver a alegria de caminhar com Jesus, de estar com Ele, levando a sua Cruz, com amor, com um espírito sempre jovem». Na Semana Santa e por toda a nossa vida.

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Destaques da semana

- TERÇA_FEIRA: Confissões aos doentes e idosos das Azenhas do Mar, a partir das 15h00.
- QUARTA-FEIRA: Confissões em Almoçageme às 10h00. Confissões aos doentes e idosos da Praia das Maçãs, a partir das 14h00.
- QUINTA-FEIRA: 1ª do mês. Adoração ao SS.mo Sacramento e Oração Vocacional, no Mucifal às 18h00. Reunião do conselho económico Paroquial em Colares às 21h00.
- SEXTA-FEIRA: 1ªdo mês. Oração pela Paz, na Igreja do Mucifal às 15h00. Via Sacra em Colares às 17h15. Adoração ao SS.mo Sacramento e confissões em Colares às 18h00. Conferencia sobre a Vida em Cristo, tema: A nossa Missa e a Paixão , Morte e Ressurreição de Cristo, com o Pe. Fernando António, SJ, no ginásio do do CSPC, às 21h30.

- Estão abertas as inscrições para a Peregrinação a Fátima, nos dias 27 e 28 maio e também para quem só queira participar no dia 28, as mesmas podem ser feitas no cartório paroquial e nos locais habituais.
- SÁBADO: Missas Vespertinas do domingo de Ramos, na Praia das Maçãs às 17h30 e no Mucifal às 19h00.
- DOMINGO: Missas no Penedo às 09h15, em Almoçageme às 10h00, em Colares com inicio da Procissão de Ramos na Igreja da Misericórdia às 11h45 e Missa às 12h00 e 19h00.

sexta-feira, 31 de março de 2017

PATRIARCADO DE LISBOA

INFORMAÇÃO SOBRE AS RENÚNCIAS QUARESMAIS


Estando a decorrer a Renúncia Quaresmal de 2017, o Patriarcado de Lisboa informa o seguinte:

1. Da “Renúncia Quaresmal” de 2011, no montante de € 245 719, destinado “à ajuda da Igreja de Lisboa a outras Igrejas mais pobres”, de entre as quais a diocese do Mindelo, o Patriarca de Lisboa, em conformidade com os fins anunciados, decidiu:
- Entregar à diocese de Palai, na India, para ajuda à construção de um hospital: €50 000;
- Pagar a formação de seminaristas de África (onde se incluem do Mindelo, Santiago e S. Tomé e Príncipe) e da Índia, nos anos letivos de 2010/12 o montante de: €154 400.
- Continuar a pagar a formação do clero autóctone desses países, como “ajuda às igrejas mais pobres”, tendo despendido entre 2013/16 mais: €605 600.
- Casa do Gaiato do Tojal, sem acordos com Segurança Social: €80 000.

2. Da “Renúncia Quaresmal” de 2012, no montante de € 286 251, destinado ao Fundo Diocesano “Igreja Solidária”, confiou a gestão à Cáritas diocesana.

3. Da “Renúncia Quaresmal” de 2013, no montante de €233 148,37, destinado “a partilhar com Igrejas irmãs que nos solicitem ajuda, sem excluir situações de pobreza da própria família diocesana”:
- Por não ter sido possível celebrar acordos de cooperação entre o Estado e a Casa do Gaiato, entregou para a sustentação de cerca de sessenta rapazes: € 95 000;
- Partilhou com outras igrejas irmãs de Portugal, na formação dos seus alunos, entre 2010 e 2016, o montante de: €646 000.

4. Da “Renúncia Quaresmal” de 2014, no montante de € 285 950,11, destinado “a apoiar a Ajuda de Berço”, entregou, por arredondamento: €300 000.

5. Da “Renúncia Quaresmal” de 2015, no montante de €250 910,57 destinado “a apoiar as instituições sociais diocesanas, designadamente as que acompanham os mais novos, como a Casa do Gaiato de Lisboa, ou pessoas sem-abrigo e fragilizadas, como a Comunidade Vida e Paz”, foi entregue:
- Comunidade Vida e Paz: € 50 000;
- Instituto de Beneficência Maria da Conceição Ferrão Pimentel: € 105 000;
- Casa do Gaiato do Tojal: €85 000;
- para resposta a necessidades emergentes: €10 910,57.

6. Da “Renúncia Quaresmal” de 2016, agora em fecho de contas, mas já com o resultado de €252 803,39 será entregue a pessoas e instituições, no contexto da realização das obras de misericórdia, com o objetivo da valorização humana autónoma e livre dos beneficiários.

Patriarcado de Lisboa, 30 março 2017

quinta-feira, 30 de março de 2017

Vaticano: Papa escreve às famílias de todo o mundo com mensagem de «misericórdia»

Francisco convida a aprofundar conteúdos da exortação apostólica pós-sinodal «Amoris Laetitia»

Cidade do Vaticano, 30 mar 2017 (Ecclesia) - O Papa Francisco escreveu uma carta às famílias de todo o mundo, publicada hoje pelo Vaticano, para dirigir-lhes uma mensagem de “misericórdia”, com atenção às “feridas” da humanidade.

“Sonho com uma Igreja em saída, não autorreferencial, uma Igreja que não passe longe das feridas da humanidade, uma Igreja misericordiosa que anuncie o coração da revelação de Deus Amor, que é a misericórdia”, refere o texto, que apresenta o próximo Encontro Mundial das Famílias (EMF).

O 9.º EMF vai decorrer na capital irlandesa, Dublin, de 21 a 26 de agosto de 2018, sobre o tema ‘O Evangelho da família: alegria para o mundo’.

Francisco escreve que é a misericórdia que torna as pessoas “novas no amor”.
“Sabemos como as famílias cristãs são lugares de misericórdia e testemunhas de misericórdia; depois de Jubileu da Misericórdia ainda o serão o mais e o encontro de Dublin poderá dar sinais concretos disso”, sustenta.

O Papa manifesta o desejo de que as famílias possam “aprofundar a reflexão e a partilha dos conteúdos da exortação apostólica pós-sinodal ‘Amoris Laetitia’”.

“Poderíamos perguntar: O Evangelho continua a ser alegria para o mundo? E também: A família continua a ser uma boa notícia para o mundo de hoje?”, questiona.

A mensagem papal defende que a resposta a estas perguntas é “sim”, um “sim” que está “firmemente fundado no plano de Deus”.

“O amor de Deus é o seu ‘sim’ a toda a criação e o coração da mesma, que é o homem. É o ‘sim’ de Deus a união entre o homem e a mulher, aberta à vida e a ao seu serviço em todas as suas fases”, pode ler-se.

O texto fala na necessidade de responder a uma humanidade ferida e “dominada pela falta de amor”.

“Quero insistir na importância de as famílias se perguntarem, regularmente, se vivem a partir do amor, pelo amor e no amor. Isto significa, concretamente, dar-se, perdoar-se, não perder a paciência, antecipar-se ao outro, respeitar”, precisa o Papa.

Francisco insiste nas três expressões-chave para a vida familiar: “com licença”, “obrigado”, “desculpa”.

“Todos os dias experimentamos a fragilidade e a debilidade, por isso todos nós, famílias e pastores, precisamos de uma humildade renovada que plasme o desejo de formar-nos, de educar-nos e de ser educados, de ajudar e ser ajudados, de acompanhar, discernir e integrar todos os homens de boa vontade”, assinala, depois.

texto conclui-se com votos de que os organizadores do 9.º EMF assumam a tarefa de “conjugar de uma forma especial o ensinamento da Amoris Laetitia”, com a qual a Igreja Católica deseja que as famílias “estejam sempre a caminho”, numa “peregrinação interior”.

O responsável pelo novo Dicastério para os Leigos, Família e Vida (Santa Sé), cardeal Kevin Joseph Farrell, disse em conferência de imprensa que o Papa quer marcar presença no EMF 2018, “se puder e as circunstâncias o permitirem”.

Já o arcebispo de Dublin, D. Diarmuid Martin, sublinhou aos jornalistas o “fascínio” que a figura do Papa tem gerado em pessoas dos mais diversos ambientes, “mesmo nos que não pertencem à Igreja”.

OC

quarta-feira, 29 de março de 2017

Destaques da semana

- A reunião do conselho económico foi adiada para o próximo dia 6 de Abril.
- QUINTA-FEIRA: Adoração ao SS.mo Sacramento nas Azenhas do Mar às 21 h30.

- SEXTA-FEIRA: Oração pela Paz, na Igreja do Mucifal às 15h00. Via Sacra em Colares às 18h15.
- SÁBADO: 1° do Mês. Adoração ao SS.mo Sacramento, Rosário meditado às 16h30 e Missa na Praia das Maçãs às 17h30.

domingo, 26 de março de 2017

Quando você se sentir sem coragem, reze esta oração de Santo Agostinho

“Há dias em que a carga nos desgasta os ombros e nós nos sentimos esgotados...”

Oração:
Deus da vida, há dias em que a carga nos desgasta os ombros e nós nos sentimos esgotados; dias em que o caminho parece monótono e interminável, e o céu cinzento e ameaçador; dias em que nossa vida carece de música, nosso coração está solitário e nossa alma perdeu a coragem.
Inunda o caminho com tua luz, te suplicamos; dirige nosso olhar para onde o céu estiver cheio de promessas.

Por Santo Agostinho
Oração publicada no livro” Oraciones del mundo” de Juliet Mabey (traduzido e adaptado do espanhol para o português)

sexta-feira, 24 de março de 2017

Lisboa | CONCERTO DE ÓRGÃO

Homenagem a Bach, nos Jerónimos

O Instituto Gregoriano de Lisboa promove um concerto, de entrada livre, dedicado ao compositor Johann Sebastian Bach (1685-1750), no seu 332º aniversário, que vai ter lugar neste Domingo, dia 26 de março, às 17h30, na igreja do Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa.
 
“Os professores de órgão do Instituto Gregoriano de Lisboa, António Esteireiro e Sérgio Silva, propõem um programa alusivo ao tempo litúrgico decorrente – Quaresma – composto por dois prelúdios e fugas do período de Leipzig e por prelúdios de corais relacionados com a penitência e a súplica pela misericórdia divina”, salienta um comunicado.

Lisboa | MUSICAL SOLIDÁRIO

‘O Astrónomo’, na Boa Nova, Estoril

O GTMR - Grupo de Teatro Musical Religioso, que tem a sua atividade sediada no Centro Comunitário da Paróquia da Parede, apresenta o musical ‘O Astrónomo’, de Tiago Sepúlveda, neste Domingo, dia 26 de março, às 16h00, no auditório Senhora da Boa Nova, no Estoril, para comemoração dos 50 anos da Aldeia SOS de Bicesse.

O musical, para crianças e adultos, “conta a história de um astrónomo famoso que, por ser crente, todas as noites sobe a uma colina à procura de um sinal de que Deus existe”, refere uma nota.
Os bilhetes custam 10¤ e podem ser adquiridos no site das Aldeias SOS (http://www.aldeias-sos.org/como-ajudar/o-astronomo) ou no dia do espetáculo, no local.
Informações: 213616950 ou astronomo@aldeias-sos.org